Data círculo

Data Limite Assista pelo Círculo o Encontro da Data Limite segundo Chico Xavier 20 de julho de 2019 8h00 a 19h30. Abaixo a transmissão completa e as palestras separadamente. SIBS, dizem os fundadores. 'É um método exportável e temos algumas ideias', indicam os fundadores. 'Mas a SIBS ainda näo o permite.' E propostas para vender a empresa, já receberam? A Alicia Ayala publicou um artigo muito interessante aqui no Círculo sobre A busca de um guru para chamar de meu. Me senti, de alguma… Juliano Pozati 09/09/2020 Legal information Information from the data controller Pursuant to the provisions of article 9 of Act 34/2002, dated June 11, on information society and e-commerce services, the following general information regarding this website is provided: Owner: Círculo de Empresarios Registered Office: Calle Marqués de Villamagna, 3 – 11º Planta, 28001 – Madrid. Identification of the Data Controller – Identity: Círculo de Empresarios – Address: Marqués de Villamagna, 3 11ª planta, 28001 Madrid – Telephone: 915 78 14 72 – Email: [email protected] – Data Protection Officer: [INDICAR SI SE NOMBRA UN DPD CORPORATIVO] Purpose of the processing of your personal data The purpose of the processing shall be … Casa Círculo Cultural of Redwood City, CA is a grass-roots multidisciplinary arts organization dedicated to creating cultural programming reflective of the experiences of the Latino communities in the San Francisco Bay Area. Since its inception in May 2009, Casa Círculo Cultural has established, produced, and presented works of theater, musical concerts, performances, TV programs, painting ... Directed by James Ponsoldt. With Emma Watson, Tom Hanks, John Boyega, Ellar Coltrane. A woman lands a dream job at a powerful tech company called the Circle, only to uncover an agenda that will affect the lives of all of humanity. With more than ten years in operations and a healthy 45 percent market share, Círculo de Crédito provides data, custom solutions and valued-added products – like FICO ® Scores – for banks, retail, micro-financers, telecommunications and government institutions in Mexico. Today, Círculo de Crédito provides credit information on 60 million Mexicans, and processes more than 150 million ... É membro fundador do Círculo. Publicitário desde 1999, é formado em Marketing e Pós-Graduado em Estratégia Militar para Gestão de Negócios pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Produziu os documentários Data Limite, The After Life Investigations, No Meio de Nós e Quando Lembro de Chico. Data from WMO shows that May was about 10C (18.5F) above average in many parts of Siberia, “and it was this extraordinary heat which actually drove, made the warmest May on record for…the northern hemisphere, and also we think at a global level as well”, said Ms. Nullis.

TEORIA MUSICAL GRATIS! Canales de YouTube, blogs y pdfs (BÁSICO - INTERMEDIO - AVANZADO)

2020.09.10 04:39 MarcoTonietti TEORIA MUSICAL GRATIS! Canales de YouTube, blogs y pdfs (BÁSICO - INTERMEDIO - AVANZADO)

Saludos a todos.
Durante la cuarentena, he estado profundizando sobre teoría musical. A través de los meses, me topé con muchas páginas web y canales de YouTube que creo que serán de ayuda para aquellas personas que quieran aprender sobre teoría, o mejorar los conocimientos que ya tienen.
Aclaración: Los links en cada sección están ordenados de "más simple a más complejo" o simplemente el orden de visualización que yo recomiendo. En los links encontrarán de artículos sencillos para comprender la teoría básica, hasta improvisar sobre un acorde maj7(#11) y pdf's del gran Jamey Aebersold.

Blogs de teoría:
- Teoría.com, la página por excelencia para empezar desde cero (básico)
- Creando Partituras (básico)
- Armonía (El club del autodidacta), perfecto para afianzar conocimientos. Te ayuda a comprender conceptos sobre armonía, modos, y escalas. Porqué, cómo y de donde surgen, etc. (básico-intermedio)
- Armonía moderna (intermedio)
- LearnJazzStandars: La sección de Blogs tiene al rededor de 50 páginas de artículos súper interesantes para profundizar sobre teoría e improvisación en jazz. También cuentan con un curso pago, pero eso no lo probé así que ni idea. (intermedio-avanzado) (ingles)

Blogs Guitarra:
- Rock&Roll para muñones (básico)
- Cursosguitarra.net (básico-intermedio)
- El blog de Carlos Vicent (intermedio-avanzado)

Blogs B a s s:
- Edgardo Sierra: Esta página mejoró mucho mi técnica de "walking bass". (intermedio)

Canales de YouTube de teoría:
- Jaime Altozano: Es probable que ya conozcas este canal. Pero, ¿viste sus videos sobre iniciación a la teoría musical? Son muy didácticos y entretenidos, y cubre muchos de los conceptos más básicos. Recomiendo el video de círculo de quintas. (básico)
- L. Enrique Cruz: Con este tipo no hay escusas para no entender de una vez por todas la teoría. Te explica como si fuese un profesor de conservatorio. (básico-intermedio)
- Mauro de María: Este tipo enseña la teoría desde un punto de vista mas falopa que yo disfruto mucho. Te habla de las tonalidades modales desde las 18 dimensiones (???). Es interesantísimo, recomendación personal, fumate uno antes de verlo. (básico-intermedio)
- Masterclass de Pedro Aznar: Que un músico de la talla de Pedro Aznar baje data sobre teoría musical y demás aspectos sobre la producción de una canción, es una joya. Lamentablemente solo hay una clase por ahora, pero esperamos que continué con esto.

Canales de Youtube Guitarra:
- Fretjam Useful Theory: los links de este en adelante están pensados para alguien que más o menos ya sabe tocar la guitarra. Este es muy bueno para solear y desarrollar conceptos en la guitarra en específico. (ingles)
- Clases de armonía contemporánea en Guitarra: consideralo como la versión en español del link de arriba.
- MusicTheoryForGuitar: este canal desarrolla conceptos tanto básicos como avanzados. Recomiendo echarle un vistazo. (ingles)
- Sergio Blanco: No sé si es porque es de Argentina/Uruguay, pero este loco te baja terrible data sobre improvisación y te queda súper claro.
- Pedro Delloera: Este chabón tiene muchos videos, pero elegí esta playlist porque desarrolla temas que son medio dificíles de encontrar en español, por eso lo considero una información valiosa.
- How to improvise in Jazz Guitar: si bien está en inglés, estos tutoriales no son hablados, así que cualquiera lo puede entender
- Jens Larsen: ESTE CANAL ES ORO. Realmente tiene MUCHÍSIMOS videos sobre improvisación y Jamming en Jazz. De los canales expuestos anteriormente, lo considero sin duda el mejor. (ingles)
- Steve Gilson (ingles)

Canales de YouTube Piano
- Oído Musical: ideal para aprender a tocar el piano.
- Como improvisar Jazz
- NewJazz: Playlist de los videos recomendados para aprender a improvisar en jazz. (ingles)

Videos de YouTube Random (ingles):
(recomiendo visitar cada canal)
- Lofi Piano 지민도로시Jimindorothy
- Chord Personalities
- How to Make ANY Chord Progression Jazzy
- Jazz Funk Chords on Piano:
- 10 Levels of Emotional Chords
- 80's japanese city pop chords for guitar

PDF's de Aebersold (ingles):
- Jazz Handbook
- Jazz Nomenclature
- SCALE SYLLABUS
- How to play Jazz and improvise (con .mp3)

Espero que todo esto sea de ayuda para alguien, si piensan que falta alguna pagina/canal/pdf, no duden en aportar (si tienen ganas). Saludos.
submitted by MarcoTonietti to ArgentinaBenderStyle [link] [comments]


2020.07.28 18:55 aquele_inconveniente Porque cresce o Chega? [Republicação devido ao original ter sido removido pela moderação do r/Portugal]

Preâmbulo
Ao longo das últimas semanas tenho notado que quer eu, quer outros utilizadores que sei não serem apoiantes do Chega, começamos a defender com mais frequência certas acusações feitas contra esse partido ou o seu deputado. Não entendi porquê. Se não sou apoiante porque é que me vejo cada vez mais do lado de lá das trincheiras.
Notei também que o ataque na comunicação social e nas redes sociais contra esse partido é implacável e feroz. Entre as tácticas usadas encontram-se a seguinte:
Apesar disto tudo o Chega incha e sobe. As sondagens apontam para 7% e ainda nem um ano de legislatura ocorreu. Estes 7% são na gíria do marketing os early adopters. Aqueles que dão a massa crítica para que depois os restantes consumidores possam adoptar também esse produto ou tecnologia.
Penso haver dois grandes factores que contribuíram para um grande número de early adopters. A retórica contra o partido e a proliferação das redes sociais:

1. Retórica contra o partido

Se repararem com atenção, discute-se muito pouco o programa do Chega. Esse programa é paupérrimo em ideias concretas e contraproducente em muitas áreas mas poucos o leram e os poucos que tentaram avisar para isso foram abafados no resto de informação que circula sobre o partido.
O programa nunca foi verdadeiramente usado pela oposição. Toda a retórica está assente na acusação de racismo e/ou fascista ao André Ventura, e aos eleitores do Chega.
A chuva de acusações é tanta e de normalmente de forma tão exagerada e ridícula (lembram-se da saudação "nazi" na manifestação?) que a sociedade civil começa a não ligar às acusações. Aqueles que tentaram ver além dos títulos das notícias começaram a ver que afinal tudo não passava de uma caça-às-bruxas
Outros, como eu, apesar de terem lido o programa do partido e não concordarem com ele começaram a revoltarem-se contra a parcialidade da comunicação social e de certos utilizadores em redes sociais e começaram a defender o partido em prol da verdade. Essa defesa provavelmente criou outros que o defendam ou até mesmo verdadeiros apoiantes do partido.
Ou seja é o ataque é tão descarado que tem o efeito contrário de exacerbar o apoio naqueles que estariam susceptíveis a apoiar e não afectar aqueles que nunca votariam no partido de qualquer forma.
Pior, como se passa o dia nestas traquitanas, nunca se ouve o programa ou algo do partido, apenas alegações disto e daquilo e sempre com um foco no carácter do Ventura e não nas ideias que defende. Parecem os conservadores do pré 25 de Abril a dizerem que os comunistas eram maus, não porque tinham um teoria economica ridicula e oprimirem a liberdade das pessoas, mas porque comiam as criancinhas...

2. Redes Sociais

Como já não se precisa do telejornal para obter as noticias e perceber a opinião dos restantes portugueses a vida ficou mas dificil para quem quer controlar a "populaça" Quem vê TV ou ouve a rádio e depois vai ao facebook, reddit ou outra coisa percebe que há dois mundos muito diferentes.
As ideias que estavam escondidas e suprimidas pela progamática ideologica da comunicação social estão agora soltas. A conversa de café que se pensava ser só no "nosso café" e que no resto do país, pela televisão, não existiam, são agora comprovadas pelos comentários de centenas de pessoas que partilham a mesma opinião.
Ou seja, isto só tende a dar mais apoio a ideologias que estão na população e encontraram uma forma de terem a sua representação democrática por já não serem oprimidas.

O papel dos early adopters

Voltando ao tema da adopção, e tratando o Chega como algo um conjunto de ideias que se pode adoptar (por oposição a outros conjuntos de ideias no mercado vendidas por outros partidos) há cinco fases:
  1. Inovadores
  2. Adoptantes iniciais
  3. Maioria inicial
  4. Maioria tardia
  5. Atrasados
De forma muito simplista as etapas de adopção dependem em boa parte das etapas anteriories pois pode inibir ou potenciar o crescimento. Na minha opinião o Chega estará neste momento no ponto 2 mas com um número de adoptantes iniciais muito significativo. A quantidade de adoptantes iniciais tem um papel crucial no desenrolar futuro pois influencia as adopções seguintes. Ser 7% significa que à data a grande maioria de nós terá no seu círculo de amigos (assumindo que temos pelo menos um círculo de 15-20 pessoas) pelo menos um apoiante do Chega, sendo até mais relevante neste fórum já que o eleitor médio do Chega é mais novo do que o dos restantes partidos.
Isto significa que todos nós temos alguém que normaliza as ideias do partido. Essa pessoa vai ser geralmente alguém normal, que não tem a cabeça rapada, que não tem tatuagens e piercings, que trabalha numa PME ou na função pública. Alguém que parece igual a qualquer outra e que está longe de ser uma caricatura de extremistas (os skinheads da direita e os antifa da esquerda). Esta normalização vai retirar os tabu daquilo que o partido é. Perguntas políticas até agora proibidas socialmente passarão a ser normalizadas como os seguintes exemplos:
Esses early adopters que à vista de todos são pessoas normais, vão assim conquistar no seu seio de amigos os seguintes apoiantes.
Fica a questão para quem é contra o Chega. Ainda se vai a tempo de parar com a fantochada, trata-lo como um partido normal e deixar que o programa afaste eleitores, ou já conseguiram, por obra vossa, fazer deste partido a terceira força política do país?
submitted by aquele_inconveniente to portugueses [link] [comments]


2020.07.27 17:10 aquele_inconveniente Porque cresce o Chega?

Preâmbulo
Ao longo das últimas semanas tenho notado que quer eu, quer outros utilizadores que sei não serem apoiantes do Chega, começamos a defender com mais frequência certas acusações feitas contra esse partido ou o seu deputado. Não entendi porquê. Se não sou apoiante porque é que me vejo cada vez mais do lado de lá das trincheiras.
Notei também que o ataque na comunicação social e nas redes sociais contra esse partido é implacável e feroz. Entre as tácticas usadas encontram-se a seguinte:
Apesar disto tudo o Chega incha e sobe. As sondagens apontam para 7% e ainda nem um ano de legislatura ocorreu. Estes 7% são na gíria do marketing os early adopters. Aqueles que dão a massa crítica para que depois os restantes consumidores possam adoptar também esse produto ou tecnologia.
Penso haver dois grandes factores que contribuíram para um grande número de early adopters. A retórica contra o partido e a proliferação das redes sociais:

1. Retóricacontra o partido

Se repararem com atenção, discute-se muito pouco o programa do Chega. Esse programa é paupérrimo em ideias concretas e contraproducente em muitas áreas mas poucos o leram e os poucos que tentaram avisar para isso foram abafados no resto de informação que circula sobre o partido.
O programa nunca foi verdadeiramente usado pela oposição. Toda a retórica está assente na acusação de racismo e/ou fascista ao André Ventura, e aos eleitores do Chega.
A chuva de acusações é tanta e de normalmente de forma tão exagerada e ridícula (lembram-se da saudação "nazi" na manifestação?) que a sociedade civil começa a não ligar às acusações. Aqueles que tentaram ver além dos títulos das notícias começaram a ver que afinal tudo não passava de uma caça-às-bruxas
Outros, como eu, apesar de terem lido o programa do partido e não concordarem com ele começaram a revoltarem-se contra a parcialidade da comunicação social e de certos utilizadores em redes sociais e começaram a defender o partido em prol da verdade. Essa defesa provavelmente criou outros que o defendam ou até mesmo verdadeiros apoiantes do partido.
Ou seja é o ataque é tão descarado que tem o efeito contrário de exacerbar o apoio naqueles que estariam susceptíveis a apoiar e não afectar aqueles que nunca votariam no partido de qualquer forma.
Pior, como se passa o dia nestas traquitanas, nunca se ouve o programa ou algo do partido, apenas alegações disto e daquilo e sempre com um foco no carácter do Ventura e não nas ideias que defende. Parecem os conservadores do pré 25 de Abril a dizerem que os comunistas eram maus, não porque tinham um teoria economica ridicula e oprimirem a liberdade das pessoas, mas porque comiam as criancinhas...

2. Redes Sociais

Como já não se precisa do telejornal para obter as noticias e perceber a opinião dos restantes portugueses a vida ficou mas dificil para quem quer controlar a "populaça" Quem vê TV ou ouve a rádio e depois vai ao facebook, reddit ou outra coisa percebe que há dois mundos muito diferentes.
As ideias que estavam escondidas e suprimidas pela progamática ideologica da comunicação social estão agora soltas. A conversa de café que se pensava ser só no "nosso café" e que no resto do país, pela televisão, não existiam, são agora comprovadas pelos comentários de centenas de pessoas que partilham a mesma opinião.
Ou seja, isto só tende a dar mais apoio a ideologias que estão na população e encontraram uma forma de terem a sua representação democrática por já não serem oprimidas.

O papel dos early adopters

Voltando ao tema da adopção, e tratando o Chega como algo um conjunto de ideias que se pode adoptar (por oposição a outros conjuntos de ideias no mercado vendidas por outros partidos) há cinco fases:
  1. Inovadores
  2. Adoptantes iniciais
  3. Maioria inicial
  4. Maioria tardia
  5. Atrasados
De forma muito simplista as etapas de adopção dependem em boa parte das etapas anteriories pois pode inibir ou potenciar o crescimento. Na minha opinião o Chega estará neste momento no ponto 2 mas com um número de adoptantes iniciais muito significativo. A quantidade de adoptantes iniciais tem um papel crucial no desenrolar futuro pois influencia as adopções seguintes. Ser 7% significa que à data a grande maioria de nós terá no seu círculo de amigos (assumindo que temos pelo menos um círculo de 15-20 pessoas) pelo menos um apoiante do Chega, sendo até mais relevante neste fórum já que o eleitor médio do Chega é mais novo do que o dos restantes partidos.
Isto significa que todos nós temos alguém que normaliza as ideias do partido. Essa pessoa vai ser geralmente alguém normal, que não tem a cabeça rapada, que não tem tatuagens e piercings, que trabalha numa PME ou na função pública. Alguém que parece igual a qualquer outra e que está longe de ser uma caricatura de extremistas (os skinheads da direita e os antifa da esquerda). Esta normalização vai retirar os tabu daquilo que o partido é. Perguntas políticas até agora proibidas socialmente passarão a ser normalizadas como os seguintes exemplos:
Esses early adopters que à vista de todos são pessoas normais, vão assim conquistar no seu seio de amigos os seguintes apoiantes.
Fica a questão para quem é contra o Chega. Ainda se vai a tempo de parar com a fantochada, trata-lo como um partido normal e deixar que o programa afaste eleitores, ou já conseguiram, por obra vossa, fazer deste partido a terceira força política do país?
submitted by aquele_inconveniente to portugal [link] [comments]


2020.07.04 17:34 Natsu-Toswio Descrição das Atualizações do TownCenter - Versão 1.0 ao 1.9

Descrição das Atualizações do TownCenter - Versão 1.0 ao 1.9

https://preview.redd.it/szkj10c3uu851.png?width=534&format=png&auto=webp&s=25688a224a6014ebbf8f1ec8db637c3b28bf5cd4
Olá pessoas! Como estão?
Nesse post estarei fazendo uma descrição das atualizações importantes que foram feitos no protótipo TownCenter e sua data de lançamento ao lado. Com isso, vocês poderão compreender de forma precisa o andamento do jogo e no que foi trabalhado até o momento. Lembrando que se você era jogador(a) do SmallWorlds ativo(a) pelo menos por um ano antes do encerramento em 08 de abril de 2018 e não foi banido(a), pode importar sua conta e acessar a fase de desenvolvimento no site: https://www.towncenter.app/
No momento, contas do MiniMundos não podem ser importadas e não há uma previsão da liberação de novos registros. Fique atento(a) que divulgaremos aqui novas informações.

Lançamento do protótipo TownCenter - 18/12/18 \Momento de Nostalgia)
  • Importação de conta apenas para jogadores do SmallWorlds;
  • Visualização do avatar mais ativo;
  • Lista de amigos (amizades importadas da sua conta do SmallWorlds) sem a opção de chat no TownCenter;
  • Visualização dos itens que o usuário tinha no SmallWorlds (não é possível usar esses itens);

TownCenter 1.0 : CHAT - 22/05/19
https://preview.redd.it/sajrafz30v851.png?width=589&format=png&auto=webp&s=cd1e0699f5e4adfd06ce1189b59bc8fa8c0d9b75
  • É possível enviar mensagens para amigos existentes do SmallWorlds que também ingressaram ao TownCenter;
  • O campo de entrada do texto é HTML padrão (para que você possa copiacolaverificação ortográfica, etc!)
  • Mensagens offline são suportadas;
  • Histórico completo da conversa;
  • Os emojis são suportados dentro do chat, porém não há o seletor de emojis;
  • Você pode silenciar conversas sem o infrator saber;
  • É possível saber que a mensagem foi visualizada quando o circulo delineador se transforma em um circulo sólido azul;
  • A indicação de digitação também é suportada nessa atualização, para que você saiba quando seu amigo está digitando.

TownCenter 1.1 : ADICIONAR AMIGOS - 02/09/19
Adicione o nome do cidadão na caixa de texto e clique em Add Friends.
  • É possível adicionar amigos ilimitados na sua Lista de Amigos;

TownCenter 1.2 : CHAT EM GRUPO - 31/08/19
https://preview.redd.it/o9iuzgvsuu851.png?width=415&format=png&auto=webp&s=e834c31ec7b20c22bddf1c24bb5ed887b7257f73
  • Criação ilimitadas das salas de chat;
  • É possível adicionar 50 amigos no chat em grupo;
  • É possível editar e excluir as mensagens;
  • Sair do chat;
  • Remover os cidadãos do seu chat;
  • Lista de participantes;
  • Chat inicial - Possível conversar com você mesmo, salvar anotações, testar os emojis e etc.

TownCenter 1.3 : DRAG DROP - 10/10/2019
https://preview.redd.it/u6lp5wb60v851.png?width=598&format=png&auto=webp&s=2c4dcc8ff66ec6a2e2b7d014a1e3e8bbc5982ffa
  • Introdução ao Drag Drop ao jogo, conhecido por arrastar e soltar objetos.
    • Com esse recurso é possível reorganizar os menus do TownCenter, enviar cartões de amigos ao chat, adicionar amigos em um chat novo e/ou existente.

TownCenter 1.4 : SOBRE MIM, NOTIFICAÇÕES E APRIMORAMENTO NO BATE PAPO - 14/11/2019
https://preview.redd.it/0ns9207jvu851.png?width=501&format=png&auto=webp&s=c09e0ea64d4db6482f98423ae5609bcbac43d16d
  • Os avatares são visíveis no painel Lugares;
    • Com isso, é possível visualizar os avatares de outros jogadores nos bate-papos privados e em grupos.
  • Alteração no perfil e sobre mim do seu cidadão disponível;
    • Agora você pode incluir informações como: seu sexo, status de relacionamento, país, escolaridade, ocupação profissional, idioma e signo. Além de incluir uma área de texto livre na qual pode ser utilizado para descrever melhor o tipo de pessoa que você é e seus interesses.
https://preview.redd.it/wu5ck2bywu851.png?width=302&format=png&auto=webp&s=4beeeeccd7a7a6a4dc59ddea15982ce9b0cb6316
  • Visualizar o perfil de outros cidadãos;
  • Notificações;
    • Deixando o TownCenter em execução e alternar a guia do seu navegador, é possível receber notificações que alertam sobre mensagens recentes.

TownCenter 1.5 : SELETOR DE EMOJIS, DISPLAYNAME E FERRAMENTAS DE MODERAÇÃO PARA O CHAT - 18/12/2019
  • Seletor de Emojis disponível;
    • Esse painel pode ser encontrado clicando no simbolo do sorriso. Diante disso, é possível adicionar emojis que estão disponíveis no seletor (sem precisar copiar e colar de outro site), pesquisar por emoticons, usados recentemente, categorias, código ao passar o mouse sobre eles e futuramente será o lar dos emotes exclusivos do TownCenter que serão conectados ao sistema de coleção rara do jogo.
https://preview.redd.it/jjfq3wjmwu851.png?width=586&format=png&auto=webp&s=f8b232edaa5db40152c139919854031fe04f3786
  • Ferramentas de moderação no bate-papo:
    • Freeze chat (congelar bate-papo): bloqueia as conversas dentro do chat, fazendo com que apenas o usuário moderador possa enviar mensagens.
    • Remove Citizens (expulsar cidadãos): expulsa um ou mais cidadãos que estão causando problemas com apenas um clique do mouse. Você pode escolher o tempo determinado que esse jogadores estarão impedidos de entrar no chat.
    • Mute Citizens (silenciar cidadãos): semelhante ao remove citizens, porém apenas silencia os cidadãos sem a necessidade de expulsar.
  • Ao passar o mouse sobre um cidadão visível no painel Lugares, é possível visualizar o nome deste avatar dentro do jogo (DisplayName);

https://preview.redd.it/0xclnbwuvu851.png?width=290&format=png&auto=webp&s=80dd84e951689bcf1c28df7449ab5333a22d1532
  • Correção de pequenas falhas.

TownCenter 1.6 : SITE EM MOBILE, CHAT EM GRUPO PUBLICO E MELHORIAS DIVERSAS - 09/03/2020
https://preview.redd.it/jostb3490v851.png?width=596&format=png&auto=webp&s=f5f92e53947482cdb3420a99a43024232f0885a9
  • Melhorias para acessos ao TownCenter em aparelho mobile;
    • O TownCenter agora funciona muito melhor em smartphones. Não é perfeito e não possui suporte a arrastar e soltar, mas usá-lo é muito mais fácil.
  • Chat em grupo público e melhorias disponíveis:
    • Privado/Público: Criar um bate-papo agora oferece duas opções: privado ou público. Isso permite que você crie bate-papos que apenas o administrador pode adicionar cidadãos. O modo público permitirá que os cidadãos convidem outras pessoas para o seu espaço.
    • Renomear o chat do espaço: Agora você pode atribuir um Nome e Descrição de sua escolha ao chat do espaço!
    • Promover Cidadãos: Admin, Moderador, Comerciante e Cidadão. Se você criar um bate-papo, você é o administrador, o que permite controlar tudo. Você pode atribuir moderadores, que podem excluir mensagens, silenciar e remover cidadãos, congelar o bate-papo e atribuir comerciantes. Os comerciantes eventualmente permitirão que os cidadãos tenham permissão para vender colecionáveis ​​dentro dos quartos.
    • Recolorir cidadãos no menu: para ajudar na visualização dessas diferentes funções, o Citizens será codificado por cores no menu. Admin = Vermelho, Moderadores = Laranja, Comerciantes = Verde, Cidadãos = Azul.
    • Mensagens de convites de bate-papo: Para ajudar com os novos recursos de bate-papo público, você pode simplesmente arrastar e soltar um bate-papo no Painel de Contatos e soltá-lo no Bate-papo para compartilhar com outras pessoas.
  • Indicador de Chat no painel de contatos;
  • É possível visualizar balões de falas durante a digitação e quando uma mensagem é enviada nos espaços.
  • Status offline disponível;
    • Os cidadãos offline aparecem com um círculo cinza escuro.
  • Agora é possível visualizar quando os seus amigos estiveram online pela última vez no TownCenter.

TownCenter 1.7 : COMPARTILHAR CHAT - 25/03/2020
https://preview.redd.it/z3ltn2eb0v851.png?width=594&format=png&auto=webp&s=3830d107b53c45e846399b5f1529a2522fed8c34
  • Links de convites para bate-papos disponíveis;
    • É possível criar links de convite que podem ser colados em suas redes sociais que permitem acesso instantâneo ao seu chat (isso é apenas para cidadãos válidos no TownCenter). Experimente e compartilhe seu próprio lugar usando o menu do CHAT > opção Add/Invite Citizen. Ex.: https://towncenter.app/Chat/fvSoe9W-Centro
  • É possível reduzir cidadãos;
    • Quando os chats ficarem cada vez maiores, os administradores e moderadores desejarão ter ferramentas para permitir a remoção/redução do tamanho dos participantes. Essa ferramenta permitirá que os administradores mantenham seus Comerciantes e Moderadores, mas removem grandes quantidades de cidadãos inativos com base em uma porcentagem.
  • Twimoji no painel do cidadão;
  • Cidadãos dentro de convites de bate-papo ;
    • Os convites exibirão o número atual de cidadãos dentro do local de bate-papo.

TownCenter 1.8 : ESPAÇOS EM DESTAQUES - 05/05/2020
https://preview.redd.it/b2di1rnevu851.png?width=501&format=png&auto=webp&s=bbba87144622ae1781f1144b8cc187002142fb5e
  • Índice;
    • Semelhante à janela de espaços do MiniMundos/SmallWorlds, o TownCenter possui uma lista de salas em destaque. Você pode encontrar isso no canto superior esquerdo do painel Place & Chat.
  • Espaços em Destaques;
    • Foi disponibilizado nesta atualização uma versão básica de como será os mundos no TownCenter. Os espaços lançados foram: Cue Club, Center, Rachel's Tea Room, Smallwear, Trading Post, Scoops e Find Friends.
https://preview.redd.it/4y3mej0avu851.png?width=1205&format=png&auto=webp&s=242b6eec1fb864087d76b64eea5e4632cdb87710
  • Melhorias na Interface do Usuário;
    • UI do TownCenter recebeu uma atualização para animar de forma mais natural, melhorar seu desempenho e parecer bem legal (especialmente em smartphones!)
  • Detalhes do Chat;
    • Agora você pode verificar os participantes, nome, descrição, data de criação e futuras tags na nova opção Detalhes, que pode ser encontrada no menu Bate-papo e local!

TownCenter 1.9 : STREAM CHAT - 24/06/2020
  • Stream Chat disponível;
    • Os locais de bate-papo do TownCenter agora suportam até 500 cidadãos - e isso é apenas o começo. Num futuro próximo, queremos permitir que um número muito maior de vocês participem de um hangout em cada bate-papo (a próxima atualização será de 2000 e 20.000, se tudo correr bem).Isso também está disponível não apenas em nossos locais em destaque, mas em todos os locais com pelo menos 150 participantes. Depois de ter uma sala de bate-papo próspera, o switch Stream Chat estará disponível, o que permitirá até 500 convidados ao mesmo tempo.
  • Agora aparece somente cidadãos ativos no TownCenter nos espaços;
  • Melhorias de velocidade;
    • O TownCenter agora possui menus mais rápidos e carregamento do local. Também incorporamos um sistema de rampa gradiente para pessoas com conexões mais lentas. Esse sistema de rampa é carregado rapidamente antes que os gráficos visuais estejam prontos para exibição, permitindo feedback imediato ao pular bate-papos. Esse recurso também permitirá ocultar a eventual otimização de cenários (planos de fundo de lugares) para facilitar as compras, a verificação de roupas e o tempo de economia / carregamento de dados para aqueles que usam 4G.
Com isso fechamos a versão 1 do TownCenter e estaremos avançado para a versão 2.0 que se concentrará mais no design.
submitted by Natsu-Toswio to MiniMundos [link] [comments]


2020.06.29 20:20 throwaway2159861 Fracassei em todos os aspectos da minha vida

Boa tarde, estou precisando desabafar e resolvi contar aqui grande parte da minha história e talvez fazer uma auto-análise. Imagino pelo que vi e vivenciei que é possível que muitas pessoas se identifiquem com os assuntos que eu vou falar, então pode até ser uma leitura interessante.
Antes de começar, recomendo essa música pra quem por ventura vier a ler o texto abaixo. Ela não tem nada de especial, mas eu gosto bastante dela.
https://www.youtube.com/watch?v=7NLvmr7zpso
Pois bem, atualmente tenho 28 anos, quase fazendo 29 e estou terminando a minha segunda faculdade. Provavelmente algumas coisas em relação a datas serão confusas pois além da minha memória ser bastante ruim, ela se restringe aos últimos 5 anos da minha vida. Então, as últimas memórias que eu tenho são da copa de 2014 no Brasil onde consegui assistir a alguns jogos. Eu não sei se isso é neurológico, mas estou pra ver isso tem alguns anos já. Antes que perguntem, eu tenho memórias de situações anteriores, mas em vez de lembrar do fato em si eu me lembro de alguma outra pessoa me contando, então é uma espécie de memória de segunda mão.
Enfim, quando eu tinha cerca de 10 anos eu tive depressão crônica e comecei a tomar medicamentos para tratar isso. Por volta dos 13~14 além do tratamento da depressão, eu comecei a ter ataques de pânico intensos, de modo que eu tive que abandonar o colégio por cerca de 6 meses pois eu não conseguia sair de casa. Também desenvolvi um distúrbio de personalidade esquizóide. Felizmente acabei não perdendo o ano pois a direção entendeu a minha situação e eu tinha boas notas, esporadicamente eu arrumava a matéria do colégio e lia em casa pra tentar aprender alguma coisa. Curiosamente um amigo meu me contou anos depois que a minha mãe por volta dessa época pediu pra ele e alguns outros amigos tentarem me convencer de ir numa excursão do colégio que seria durante um feriado prolongado.
Avançando um pouco, por volta dos 17 anos e perto de prestar o vestibular, eu não tinha a menor idéia de qual curso eu deveria escolher. Cheguei a perguntar para o meu pai se ele poderia me dar mais um ano pra escolher a carreira enquanto eu fazia um cursinho mas ele só riu e achou que eu estivesse de sacanagem. Por fim, acabou falando pra eu fazer Direito pois ele sempre achou que todo mundo deveria saber o básico das leis, além do fato de ter trocentos concursos públicos disponíveis pros graduados. Nesta época, eu já estava de saco cheio de estar indo no psicólogo e no psiquiatra com regularidade, além de ter que tomar os medicamentos todo dia. Pra ser sincero, comecei a tomar os medicamentos em dias alternados em vez de diariamente e cada vez mais fui espaçando, até o ponto de achar que eu não precisava tomar mais. Não notei mudança nenhuma no meu comportamento, apenas uma grave insônia. Depois de um tempo então revelei que eu não estava mais tomando os medicamentos para os médicos e para os meus pais e como aparentemente não fazia diferença nenhuma porque ninguém percebeu, eu só parei de frequentar o psicólogo e psiquiatra de um dia pro outro.
Como eu não sabia pra qual curso prestar vestibular, acabei acatando a idéia do meu pai, só que eu não tinha motivação nenhuma pra estudar. Aliás, eu nunca tive e sempre fiz parte da grande maioria dos alunos que estudam apenas na véspera. Para a minha grande surpresa, acabei passando no vestibular e só fiquei sabendo aos 45 do segundo tempo, no penúltimo dia da pré-matrícula quando um amigo meu veio me dar parabéns. Foi uma conversa engraçada, ele me deu parabéns mas eu não sabia pelo quê, já que eu não tinha acompanhado o resultado do vestibular pelo fato deu não ter estudado durante o ano. Foi uma grande sorte, que aliás é um tema recorrente na minha vida. Dei sorte do meu colégio dar o conteúdo inteiro durante o 1º e 2º anos do ensino médio, deixando o 3º ano apenas pra revisão da matéria toda, então querendo ou não, eu assistindo as aulas acabei fazendo uma revisão sem querer. Dei muito mais sorte do meu amigo ter me avisado, já que sem ele eu perderia a matrícula e só deus sabe o que aconteceria. Talvez eu conseguisse o meu sonhado ano pra descobrir o que eu queria fazer da vida, mas me conhecendo, acho que eu apenas procrastinaria por mais um ano.
Já no começo da faculdade eu percebi que as carreiras legais não eram pra mim. Na verdade, analisando friamente, tenho certeza de que eu seria um bom juiz, devido à minha personalidade e jeito de ser. Infelizmente nasci sem a motivação necessária para traçar objetivos de longo prazo e perseguí-los. É bem verdade que eu considero que não se nasce com isso e que é tudo uma questão de disciplina, mas não me vejo mudando isso na minha personalidade no curto, médio ou longo prazo. Talvez seja um mecanismo de defesa pra me prevenir do fracasso, afinal de contas, ninguém pode dizer realmente que fracassou se nem tentou.
Enfim, apesar de achar a área da advocacia algo bastante chato, passei a me interessar moderadamente pela área acadêmica, mais especificamente pelo jusnaturalismo. Na época da faculdade comecei a ler um pouco sobre religião comparada e sempre achei que o direito sem uma base metafísica não passa de um jogo de poder onde quem possui mais faz a lei e quem não possui apenas obedece. Até hoje tenho vontade de realizar uma pesquisa acadêmica sobre isso, mas as chances beiram a zero pois a vida acontece.
Também durante a faculdade eu comecei a ter recaídas da depressão, mas como eu já conhecia os sintomas, eu sempre tomava medidas contra a minha própria vontade para tratar o problema no início. Eu tinha que manter um horário de sono regular, fazer algum tipo de exercício físico diariamente e ter uma alimentação mais saudável. Isso realmente funciona, então se alguém estiver passando por isso, recomendo fazer isso antes de partir para algo mais radical. O problema é que isso é chato demais e eu não conseguia manter essa disciplina por muito tempo, então eu ficava alternando períodos bons e ruins. Na verdade, isso acontece até hoje, mas aos poucos fui aprendendo a lidar com isso.
Vou abrir um parêntese aqui pois pelos anos de experiência, percebo que muitas pessoas passam pelo mesmo problema que eu, sobretudo aqui que é um lugar para desabafos anônimos. Também não é um assunto fácil de conversar com as pessoas, a não ser que você tenha ótimos amigos ou uma família bem estruturada que se importa realmente com você. A minha família sempre me deu essa abertura, mas por conta da minha personalidade eu nunca fui capaz de falar nada disso com eles. Aliás, não sei nem se adiantaria alguma coisa falar com eles. Acredito que o melhor meio mesmo seja apenas ler relatos na internet de pessoas que passam por uma situação semelhante pra saber que isso não acontece só com você. Acho que isso foi o grande motivador pra eu escrever este texto.
Gostaria de falar sobre sentimentos. É bastante paradoxal, visto que eu sou literalmente analfabeto em matéria de sentimentos e não sinto quase nada devido à minha TPE. Ainda sim, acredito que ajuda bastante saber que alguém tem a mesma sensação que você, pois é algo difícil de colocar em palavras. A pior delas é justamente esse algo que não tem nome. É como se fosse alguma coisa queimando, mas não queimando num sentido físico. Está mais para uma dor na alma, ainda que paradoxalmente a dor pareça física. Desde pequeno eu sinto isso e não consigo imaginar a minha vida sem sentir isso. A melhor forma que eu encontrei de descrever essa sensação até hoje foi como se existisse um buraco negro em algum lugar aqui dentro e que ele estivesse sugando tudo, até mesmo a tristeza, só que como ela está em maior quantidade, é o que acaba sobrando pra gente, ainda que essa tristeza não seja tão intensa quanto já foi em outros momentos.
Voltando, já no meio da faculdade eu sabia que teria problemas caso eu decidisse mudar de carreira pois seria bem mais difícil a minha entrada no mercado de trabalho sem experiência e com uma idade avançada, sem contar psicologicamente, já que os meus amigos estariam numa posição mais avançada da carreira profissional e consequentemente ganhando muito mais dinheiro que eu, o que é difícil pra qualquer pessoa, ainda que você não se importe muito com isso. Eu decidi não abandonar o curso no meio pois era um curso de renome numa excelente faculdade, então ainda tive que aturar mais 2,5 anos estudando algo que eu não gostava só pra pegar o diploma no final tendo certeza que eu não iria usá-lo.
Pois bem, prestei o enem no último ano da faculdade e consegui emendar um curso no outro. Não pra minha surpresa, descobri que o segundo curso que eu escolhi também era horrível e confesso que até cogitei em voltar pra advocacia. O problema é que eu não tive nenhuma experiência profissional em escritórios de advocacia e já esqueci o conteúdo da faculdade anterior, o que basicamente me impossibilita de voltar pra carreira anterior.
Ao menos arrumei um estágio e estou ganhando um salário mínimo por mês até eu me formar, que eu espero que seja daqui a dois meses. A parte ruim é que provavelmente não vão me contratar e eu vou ficar desempregado, a parte boa é que eu odeio o meu trabalho e provavelmente não vou aguentar nem mais 1 ano trabalhando lá.
Dito isto, vamos aos problemas e ao real motivo do desabafo. De uns tempos pra cá o negócio do meu pai está indo muito mal, de modo que tivemos que pegar alguns empréstimos com o banco e o coronavírus acabou forçando o negócio a ficar parado desde março. Então, já estamos numa situação periclitante.
Não bastasse isso, recentemente meu pai teve que operar para tirar um tumor e ao que tudo indica, provavelmente ele está com câncer. Além disso o meu pai está no limite de fazer parte do grupo de risco do covid e trabalha com atendimento ao público. Não sei como faremos pra tomar conta do negócio, já que ele provavelmente vai ter que parar de trabalhar pra fazer o tratamento.
A minha mãe por sua vez é aposentada por invalidez. A minha irmã tentou abrir um negócio também mas foi paralisado pelo coronavírus, sendo que ele já não ia bem. Desde o ano passado ela veio com uma proposta deu tomar conta da parte administrativa da coisa e tirar um dinheiro para mim do que entrar, mas a verdade é que ainda não consegui tirar sequer 1 real da coisa pois essa é a única fonte de sustento da minha irmã, então tudo o que eu consegui foi trabalhar de graça e um monte de dor de cabeça.
Eu por minha vez estou trabalhando entre 10 e 14h por dia ganhando um salário mínimo, fora o estresse e ainda tenho cerca de 5 semanas pra escrever o TCC que eu nem comecei pra me formar na faculdade daqui a 2 meses.
A única notícia boa que eu tive recentemente foi um conhecido meu ter me contado que só não se matou porque há uns anos atrás eu liguei e conversei com ele bem no dia em que ele tinha pretendido se suicidar.
Dada a minha situação é difícil não pensar em se matar constantemente. Não que isso seja algo novo, tenho esses pensamentos recorrentes desde os 13 ou 14 anos de idade, mas entre pensar e fazer existe um abismo infinito de modo que eu nunca cogitei seriamente fazer isso. Ainda sim, deixo sempre a opção aberta muito embora eu tenha me decidido a fazer isso só depois dos meus pais e da minha irmã morrerem.
Sendo bem sincero, motivos mesmo pra continuar vivendo eu não tenho nenhum. A única coisa que ameniza um pouco é eu tentar deixar a vida um pouco menos merda para os meus familiares, só que o fato é que eu tenho 28 anos na cara e não consigo nem me sustentar sozinho. Se o meu pai morrer, seja de câncer ou de coronavírus, imediatamente teremos que vender o apartamento e ir morar de aluguel ou com algum parente.
Eu acho que isso tudo é culpa minha, mas no fundo eu sei que não é, já que ninguém é capaz de prever o futuro. Também sei que a minha situação não é tão ruim quanto a de outros, já que eu ainda tenho um teto e comida, mas também sei que a coisa pode ficar feia muito rápido.
Acho que o maior agravante é que eu não tenho sequer 1 área da vida onde eu tenho um desempenho satisfatório. Fracassei economicamente, já que não consigo me sustentar; Fracassei amorosamente, visto que não tenho perspectiva nenhuma de constituir família; Fracassei socialmente pois o meu já pequeno círculo de amizades está se tornando cada vez menor muito pela perda de contato, já que eu não tenho mais como acompanhar os meus amigos com tanta frequência devido à falta de tempo e dinheiro; e a pior de todas, é a sensação de que fracassei como filho. Sim, é verdade, e eu tenho certeza que ninguém nunca vai falar isso, mas não existe nada mais natural que os filhos tomarem conta dos pais na velhice. Infelizmente pra mim, esse tempo chegou e eu não fui capaz de resolver esse problema à altura.
Quem não gostaria de bancar os pais para eles pararem de trabalhar, depois de uma vida inteira de trabalho? No meu círculo social já há pessoas que conseguiriam fazer isso, ao menos durante esse período de quarentena. É inevitável a comparação, mesmo sabendo que cada um é cada um. Eu sempre soube que seria difícil não ficar chateado com esse tipo de coisa quando eu escolhi mudar de carreira, mas está beirando o impossível. Não apenas no aspecto econômico, mas também no aspecto afetivo. Desde sempre a minha família soube que eu era praticamente um autista no quesito de relações sociais, ainda que eu esteja infinitamente melhor do que quando eu era mais novo. O que pega mais, é que no meu íntimo eu sequer considero a minha família como família propriamente dita. Eu entendo que eu tenho um dever moral para com eles, mas não vejo diferença entre eles e os outros seres humanos. É por isso que eu nunca falei eu te amo para eles e nem para ninguém. Não tenho certeza se eu vou chegar a falar isso pra alguém na minha vida, mas tudo indica que não.
Enfim, eu tinha mais coisas pra falar, mas infelizmente tenho que voltar a trabalhar. Desabafar aqui não foi ruim, eu deveria fazer isso mas vezes. Dito isto, eu estou juntando um dinheiro pra me consultar com um psicólogo online depois de quase 10 anos. Eu gostaria de ter dinheiro pra fazer pelo menos 2 meses, mas é difícil achar um psicólogo bom na faixa de preço que eu posso pagar.
Se possível, eu também gostaria de um feedback sobre o texto em si. Eu tenho uma conta anônima no medium e escrever lá, ainda que infrequentemente por falta de tema ou tempo, acabou se tornando uma das poucas diversões que eu tenho, muito embora eu ache que seja difícil alguém chegar a ler até o final, dado o tamanho imenso do texto.
É isso, excelente dia pra vocês.
submitted by throwaway2159861 to desabafos [link] [comments]


2020.06.06 03:16 Badutopia Leucementira

Olá Lubixco, editores, papelões, gatas maaaaravilhosas e turma que está a ver! Vim contar a melhor (ou pior) história de webnamoro que tive o desprazer de protagonizar.
Em meados de 2015/2016 conheci uma guria em certo jogo online, onde no início apenas fazia parte do mesmo círculo de amigos dentro do jogo. Essa mina tem um irmão mais velho, que também fazia parte da galera e interagia jogando o mesmo jogo. Após um tempo comecei a ter o famoso webnamoro com essa mina, aquela mesma história clichê de chamadas no Skype, ela me mandava nudes etc etc. Também falava bastante com o irmão dela que virou muito meu amigo. Porém essa guria sofria de uma doença em escala terminal de Leucemia, onde frequentemente tinha que ir consultar e o irmão mandava alguma foto dela descansando após essas consultas pra dizer que ela já estava melhor, e era total bad vibes pela constante preocupação com a saúde dela. Depois de meses nessa aparente luta dela contra essa doença, o irmão dela me mandou um áudio no WhatsApp chorando dizendo que ela havia falecido (vai vendo)
Neste dia eu estava no trabalho, e me retirei do setor muito mal, inclusive liguei para o meu chefe (ele ficava em um setor em uma cidade diferente) e pedi para me liberar pois uma pessoa importante tinha morrido. (Claro que não falei que era uma webnamorada que morava na puta que pariu do outro lado do país kkkk) Fui liberado e ganhei uns dias de folga. Após um luto de todo o pessoal que conhecia a menina, a vida seguiu e continuamos todos dando apoio e ajudando no que o irmão precisasse, afinal ele sempre estava junto com a irmã.
(Agora começam os plots Twist) Certo dia minha amiga, que fazia parte da galera, encontrou uma foto pelo Facebook, foto de antes da data dessa mina ter falecido, foto de casamento onde o irmão estava de terno e ela vestida de noiva.
O que passou na minha cabeça neste momento foi algo do tipo "ela conheceu alguém, e queria cortar contatos da internet, e forjou alguma desculpa junto com o irmão pra sumir" Porém fomos pesquisando mais, achamos até canal no YouTube dessa mina DEPOIS da data do falecimento Pedi ajuda há um amigo que entende mais de redes sociais e seria mais esperto do que eu pra encontrar mais sobre registros dessa mina na internet e sobre o irmão. Descobrimos o nome da mina (que era um nome diferente do que ela usava no perfil quando éramos webnamorados), descobrimos lugar onde trabalhava e, pasmem, ela era casada com esse cara que se dizia irmão dela.
O detalhe aqui é que, a mina nunca soube da existência dos nossos amigos e de mim, esse cara que se dizia irmão dela, na verdade era o esposo, e ele tinha um segundo perfil usando as fotos da esposa. O cara me mandava fotos da esposa nua pra me convencer que era tudo real, e usava fotos da esposa para convencer todo o círculo de amigos, tirava fotos junto com ela e depois nos mandava dizendo que estava passeando e blá blá blá,n as chamadas por Skype os dois tinham vozes diferentes, mas pra fazer a voz da mina ele usava algum Voice changer obviamente, mas ninguém nunca suspeitou de nada.
Conclusão, depois que descobrimos que o "irmão" na verdade era casado com a mina e usava as fotos dela pra enganar os outros com outro perfil, geral excluiu ele ok imediatamente do grupo de amigos, e ele ainda tentou se reconciliar dizendo coisas do tipo "mas isso não é bom? Quer dizer que aquela pessoa ainda está viva, que sou eu", mesmo depois de ter enganado todo mundo, e todo mundo falar da sua própria vida pessoal, ele considerava essa mentira uma coisa boa. Enfim, essa é minha história de webnamoro, onde namorei um cara casado que me mandava fotos nuas da esposa kkkk forte abraço e sucesso.
submitted by Badutopia to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.27 23:36 DataPrivacyCoalition No olvides de tu sombra

No olvides de tu sombra

https://preview.redd.it/azp9pve5jfv41.jpg?width=900&format=pjpg&auto=webp&s=528428b29b475fe7cf963fea2747de52e619fbc8

Al leer este material, ya ha dejado su huella en la historia. La información sobre su ubicación actual o sistema operativo utilizado se almacena en la matriz de datos global y se puede utilizar tanto para buenos propósitos como para molestos anunciantes o intrusos.
Admitamos de inmediato, hoy en día permanecer completamente "inadvertido" sin dejar huellos digitales es imposible. Haga lo que haga usando su teléfono smart o computadora portátil, sus movimientos se registran constantemente. Además, la fuente de información importante puede ser no solo a priori "dispositivos inteligentes": "estación de Yandex" o "reloj inteligente", sino también, por ejemplo, un refrigerador "inteligente", un rastreador de ejercicios o una tarjeta del metro. El número de sus huellas digitales personales crece con cada día vivido, formando colectivamente tu "sombra digital" - el "retrato" digital de su personalidad. El retrato que se parece bastante al original.
Big data
Su "sombra digital" y sus huellas digitales son la fuente y el componente principal de Big Data, una parte integral de la sociedad de consumo en la era de las tecnologías modernas de TI, las redes sociales y los medios masivos. Big Data es un conjunto de tecnologías para recibir, almacenar y procesar información, tanto estructurada como no estructurada, en primer lugar, esas mismas huellas de información. El uso comercial de Big data comenzó hace unos 10 años y los primeros en dominar el uso de esta tecnología fueron, por supuesto, las compañías tecnológicas: Google, Yandex, Yahoo, y luego Facebook, Ebay, Amazon, Vkontakte, etc. La capacidad de procesar huellas digitales ha permitido a estas empresas alcanzar un nuevo nivel de conciencia sobre las necesidades de los clientes y compradores, a menudo superando incluso las capacidades de los servicios de inteligencia.
Las fuentes de información para Big Data son prácticamente todas las operaciones hechas por un humano en un entorno de información. Entorno de información es navegadores y sistemas de análisis (Google Analytics, Yandex, Métrica), redes sociales, puntos de captura de datos de contacto (sitios, aplicaciones móviles, etc.), datos almacenados en cash, Internet de las cosas (Internet-of-things, o datos compartidos por varios dispositivos inteligentes) y mucho más.
Los Big data son utilizados por las agencias gubernamentales, en investigación y previsión estratégica, por las empresas para construir una estrategia de ventas o campaña publicitaria correcta. Sus huellas digitales y Big data resultantes en la salida proporcionan, por ejemplo, soluciones comerciales como la personalización de ofertas de productos en la red, contenido en sitios o aplicaciones y el boletín informativo por correo electrónico. A medida que se mejoren, estas tecnologías se aplicarán aún más en esferas como la salud, la infraestructura y la seguridad del transporte, la agricultura, etc.
Huella digital
Big data también facilita nuestras vidas en línea y se deshace del tormento de las elecciones de los consumidores y parte del ruido de la información. Sin embargo, nuestra huella digital se usa no solo para construir algoritmos útiles para buenos propósitos. Sus detractores, competidores, intrusos o entidades gubernamentales pueden acceder fácilmente a su "sombra digital". Al tomar posesión de esta información que no está disponible en la recopilación de información habitual, pueden causarle grandes problemas. Una vez en la red mundial, sus fotos, comentarios y correspondencia sin cifrar permanecerán allí para siempre, y las personas interesadas encontrarán cualquier información que necesiten sobre usted: dónde vive, dónde trabaja y cuánto gana, cómo pasa su tiempo libre, dónde le gusta descansar, qué productos compra, qué le gusta beber y comer, qué música escucha, casi cualquier cosa.
Tomemos, por ejemplo, la situación de sus transacciones o pagos con tarjeta bancaria. En primer lugar, muchos bancos regalan el Servicio de SMS a terceros que recopilan datos sobre sus ingresos y montos y artículos de gastos. En segundo lugar, en el curso de las transacciones, el banco recibe de la tienda muchos datos adicionales sobre la operación: fecha, hora, tipo de bienes, etc. Y con estos datos se puede calcular dónde vive, qué tiendas visita, dónde trabaja, dónde viven sus familiares, su horario de trabajo, un mapa de movimientos e incluso si tiene una amante o una enfermedad crónica. Digamos que por la mañana hizo una compra en la tienda de la casa (horario del día, preferencias de compra), llenó el automóvil en el camino al trabajo (mapa de movimientos), realizó transacciones en el trabajo (lugar de trabajo), después del trabajo se entró en la farmacia cerca de la casa para comprar medicamentos y pañales (horario de trabajo, enfermedad, presencia de un niño pequeño). O puede gastar más en compras de lo que ingresa a la tarjeta salarial, lo que indica que tiene ingresos no declarados, etc.
Reconozca que es la información completa. Posteriormente, estos datos a menudo se fugan a los hombros de paja, se transmiten o se venden. Y es bueno si caen en manos de comercializadores y anunciantes, en lugar de agencias de inteligencia, servicio de impuestos o estafadores.
Otro ejemplo es determinar su círculo social en función de las huellas digitales en las redes sociales. Incluso si no especifica, digamos, su escuela o el lugar de trabajo, las personas interesadas aún pueden rastrear sus conexiones sociales a través de una tarjeta de amigos (30% de sus amigos son de la escuela X y 40% trabajan en el banco Y, respectivamente, esta información sugiere dónde estudió y trabaja) y, nuevamente, usar esa información para sus propios fines egoístas.
“Higiene” de la red
¿Es posible escapar de tales escenarios o al menos minimizar su probabilidad? Es posible, pero parcialmente. El principio es simple: cuanto menos deje huellas digitales en línea, y sea menos "interesante" para los forasteros, mayor será su seguridad. Esto es lo que puede hacer para mantener su identidad intacta:
• cuando se registre en redes sociales, sitios web y aplicaciones, use un número de teléfono y una dirección de correo electrónico temporales o creados específicamente para este propósito; • no revele en las fuentes abiertas el correo electrónico que utiliza al registrar cuentas en las redes sociales; • si es posible, cierre sus perfiles y listas de amigos; • limpie la caché de los navegadores; • inhabilite el almacenamiento de cookies (con ellas se puede rastrear el historial de navegación web); • use diferentes navegadores para diferentes tareas (para correo, para compras por Internet, etc.)); • use bloqueadores de anuncios (protege parcialmente contra programas ocultos); • utilice para la correspondencia personal y el intercambio de información mensajeros con cifrado permanente de extremo a extremo en vez de las redes sociales; • utilice servicios de correo electrónico con cifrado seguro; • use un servicio VPN o un navegador con VPN incorporada para conectarse a Internet; • use la red anónima Tor para navegar por la web; • use antivirus (protege no solo contra virus, sino también contra keyloggers, que le permiten obtener" huellas digitales " de contraseñas y correspondencia ingresadas e incluso conectarse a la cámara web); • use efectivo en lugar de tarjetas y minimice las compras en línea.
Todos estos métodos son útiles y reducen la posibilidad de uso no autorizado de sus datos, pero no garantizan el 100% del resultado. La única opción para evitar esto es deshacerse de la computadora y del teléfono y eliminar completamente la interacción con la red mundial. Debe admitir que el camino es radical y está lejos de ser adecuado para todos.
Es mucho más lógico usar las reglas enumeradas de "higiene" de la red, pero no intente deshacerse por completo de su sombra digital, sino crear su imagen positiva y usarla por el bien. La verdad es que una parte importante de los empleadores modernos, instituciones educativas, competidores, o simplemente sus futuros socios en su vida personal, realizan un llamado análisis de reputación antes de tratar con usted. Se examinan sus perfiles sociales, comentarios, sus actividades y se les pide a los empleadores que incluyan enlaces a sus cuentas de redes sociales.
Además, los órganos estatales y los los servicios secretos se han estado moviendo de manera sistemática hacia lo que se puede llamar arbitrariamente un sistema de perfiles sociales: este es un expediente a gran escala para cada ciudadano, creado precisamente a partir de las bases de datos existentes y huellas digitales. Acepte que, en ambos ejemplos, la ausencia total de la sombra digital o su naturaleza negativa no le agregará ventajas.
Por lo tanto, es mejor crear su imagen positiva gradualmente y constantemente en el universo digital. Con cualquier operación en la red, piense en las consecuencias, actúe de forma anónima donde la lógica lo indique, haga hincapié en sus cualidades positivas, vigile su reputación. Corregir su imagen negativa en la red no es fácil, eso significa que crear su imagen positiva en la red, su 'sombra digital' brillante es mejor desde los primeros pasos en la red de información global.
submitted by DataPrivacyCoalition to CoalicionPrivacidad [link] [comments]


2020.01.26 00:37 Marx_Phoenix Não estou conseguindo mais lidar com a minha solidão

Gente, sendo bem direto: Preciso que vcs me deem sugestões de lugares bacanas para se conhecer pessoas. Além disso, quero dicas de como realmente fazer amigos atualmente, nesse mundão regido {alerta de clichê} pelas relações líquidas e sem muito significado. Sério, não aguento mais ficar em casa todo sábado e domingo depois de uma semana inteira trabalhando, estudando, resolvendo meus problemas (e as vezes dos outros) no mundo afora etc. Como o título do post já disse, não tô conseguindo mais conviver com essa minha solidão (que já é de longa data). Antigamente eu até conseguia tolerar sem pirar o cabeção, até pq eu tinha mais contato com os meus amigos daquela época. Mas agora eu preciso renovar meu círculo de amizades, quero voltar a ser realmente feliz na presença de amigos, e não permanecer nesse meu atual estado de inércia que configura as minhas atuais relações.
Que esse post ajude não só a mim, mas como todos aqueles que querem mudar sua realidade, mas não sabe muito bem como.
submitted by Marx_Phoenix to desabafos [link] [comments]


2019.12.14 18:16 JairBolsogato Dados são o novo Petróleo: num futuro próximo, seu histórico online vai destruir sua liberdade (não só para Chineses)

Todos os dias você voluntariamente fornece centenas de items de dados para empresas gigantes de bilhões de dólares.

No pior cenário possível, como todos esses dados poderiam ser usados ​​contra você se alguma empresa ou talvez o governo tivesse motivação para fazê-lo? A resposta pode ser aterradora.
Vamos dar uma olhada onde já estão usando os dados das pessoas para testar os limites dos direitos humanos: China.
A China é dirigida por um partido comunista e eles começaram a mostrar ao mundo o quão distópico um país pode se tornar na era digital. Você já deve ter ouvido falar sobre o sistema de crédito social atualmente sendo testado em toda a China. Essa idéia existe desde 2001 e espera-se que esteja totalmente operacional em toda a China continental até 2020, afetando e controlando 1,4 bilhão de pessoas.
Caso você não tenha ouvido falar disso, aqui está uma rápida descrição: cada cidadão recebe uma pontuação de crédito social que é semelhante à pontuação de crédito financeiro que temos no Ocidente que aria de 350 a 950. O cidadão pode aumentar sua pontuação de crédito social realizando boas ações, como denunciando crimes, doando sangue e executando feitos heróicos (e o que eles consideram heróico?).
Mas a pontuação cairá se o cidadão passar a cometer crimes, atravessar o cruzamento com sinal vermelho, falar alto em público ou jogar pontas de cigarro ou fruta no chão. Mas isso fica ainda mais assustador ao vermos que o objetivo é que todo o sistema seja automatizado e a China está trabalhando com empresas privadas para desenvolver ativamente sistemas de Inteligência Artificial que monitoram cidadãos 24 horas por dia online e offline.
A China atualmente possui a maior rede de câmeras do mundo, com mais de 200 milhões de câmeras atualmente instaladas em todo o país e o governo diz que pretende aumentar para 600 milhões até 2020. Mas esse sistema de câmeras da China tem uma diferença perturbadora, pois é alimentado por inteligência artificial. O sistema na China pode reconhecer rostos em uma fração de segundo e combiná-lo com um enorme banco de dados de mais de um bilhão de pessoas.
Ele pode até reconhecer o que as pessoas estão fazendo em tempo real, se estão atravessando a rua ilegalmente, se eles estão discutindo com alguém que a câmera reconhece e, se detectar tal atividade, pode deduzir automaticamente alguns pontos da pontuação de crédito social dos indivíduos. As câmeras são capazes de reconhecer os números das placas e podem fazer exatamente o mesmo por mau comportamento ao dirigir.
O sistema de crédito também abrange processadores de pagamento chineses, como o Ali Pay, que ajudaram o governo a desenvolver algoritmos que podem ajustar automaticamente a pontuação de crédito social de um indivíduo com base no seu padrão de consumo, por exemplo, se alguém compra regularmente cerveja e pode indicar que é alcoólatra. Assim, os pontos também serão deduzidos pela compra de muitos videogames e cerveja se forem uma grande parte do gasto mensal (isso me deixaria completamente ferrado!)
Se uma mulher comprar fraldas, de acordo com o governo, isso indica personalidade responsável e, assim, sua pontuação de crédito social receberá um impulso automático. Se um indivíduo se casa com alguém com uma pontuação de crédito social mais baixa do que ele, a pontuação mais alta é puxada para baixo.
Como você pode imaginar, esse sistema aterrorizante atua no mundo on-line. O governo chinês monitora as postagens de mídia social e a atividade de navegação na web de todos os seus cidadãos. Se eles postarem algo negativo sobre a China ou o Partido Comunista, sua pontuação será reduzida da mesma forma que qualquer atividade on-line que a China julgue negativa, como enviar posts com raiva ou simplesmente visitar os vários sites, isso colocará marcas negras nos registros com baixa pontuação.
As pessoas com classificações de crédito social baixas são expostas e envergonhadas em grandes outdoors digitais públicos em shopping centers, nas estações de trem. Eles mostram os nomes dos rostos dos residentes locais com as pontuações mais baixas. Existe até um aplicativo móvel que mostra os nomes e os locais de qualquer pessoa com uma pontuação baixa. Na sua vizinhança em tempo real, os chamados cidadãos-modelo serão venerados em outdoors nas praças da cidade.
Se a pontuação de crédito social cai abaixo de um certo limite, o cidadão é automaticamente colocado em uma lista negra. Esses indivíduos são proibidos de comprar bilhetes de trem ou avião. Eles não podem solicitar um empréstimo ou alugar um apartamento. Talvez nem consigam mais serviço de telefone e mídias sociais pois as contas são fechadas.

Eles são efetivamente forçados para fora da sociedade e se tornam prisioneiros dentro de sua própria casa, geralmente sem cometer nenhum crime.

Outra parte assustadora do sistema de crédito social da China não é o sistema em si, mas como o povo da China parece aceitar isso abertamente. Sempre que jornalistas ocidentais entrevistaram cidadãos chineses tudo o que eles faziam era elogiar o quanto isso melhorou suas vidas e a comunidade. Chineses que escaparam do sistema contam uma história completamente diferente e ainda mais distópica. Falar negativamente sobre o sistema é motivo para represálias.
Todo esse sistema naturalmente parece mais totalitário para qualquer ocidental, porque somos criados com liberdades genuínas e uma mentalidade individualista, enquanto a China tem uma história do estado governando com punho de ferro e o povo é criado com uma mentalidade coletivista onde o estado é priorizado sobre qualquer indivíduo.
Não se sabe se um sistema de crédito social seria ou não implementado no Ocidente por causa dos direitos humanos básicos. Todos esperamos que não seja, mas...

...a quantidade de dados que você entrega voluntariamente para as empresas do Vale do Silício todos os dias significa que eles têm um retrato digital de quem você é prontinho para ativar um sistema de crédito social.

Amanhã, se eles ou o governo desejarem, o Google conhece seus movimentos, o que você procura e que tipo de vídeo você gosta de assistir. O Facebook sabe quem são seu amigos e familiares, os sites que você visita, seus gostos e o que você detesta, suas esperanças e temores. Google, Apple e Facebook conhecem seus hábitos exatos de consumo, dependendo de você ter vinculado seu cartão a qualquer um dos serviços deles e isso é apenas a superfície do problema.
Algoritmos complexos de IA podem ser usados por essas empresas para extrair dados sobre você que nem mesmo você sabe sobre si mesmo. Eles podem prever quando as mulheres estão grávidas com base nas compras recentes, às vezes antes que a mãe saiba. Podem prever onde você está indo de férias antes mesmo de pensar em fazer uma reserva.
A China difere ideologicamente do Ocidente por usar todos esses dados pessoais para dar ao Estado maior controle sobre o povo, mas os EUA e a maior parte da Europa usam esses mesmos dados para vender produtos para pessoas, o que eu acho que é um pouco melhor do que colocar pessoas na maior prisão a céu aberto do mundo.
Você deve ter notado como os chamados anúncios personalizados seguem você pela web. Se você assistir a um vídeo no YouTube sobre o smartphone mais recente, será bombardeado com anúncios desse telefone durante a próxima semana. Os anúncios podem ter anunciantes assustadoramente específicos - se quiserem podem optar por segmentar os anúncios para donas de gatos com excesso de peso que moram em uma determinada rua e de idades entre 50 e 54 anos e têm uma preferência secreta pelos MCs Jhowzinho & Kadinho.
Acredite ou não, essa é apenas a ponta do iceberg nas próximas décadas. A publicidade se tornará mais direcionada a você e mais integrada ao longo de sua vida cotidiana, chegando ao ponto em que não dá pra saber o que é e o que não é um anúncio no caminho do seu trabalho. Se você comeu cereal da marca X de manhã, o anúncio saberá disso e, amanhã, vai sugerir você experimentar o cereal da marca Y.
Além disso, seu SmartWatch continuará coletando pistas biométricas para saber como você se sentiu e onde quer que você tenha respondido positiva ou negativamente. Essas informações serão automaticamente transmitidas para que eles saibam se devem ou não mostrar um anúncio ou anúncios semelhantes novamente no futuro. Não importará o que você deseja, mas serão baseados em suas emoções e em como você se sente dia após dia, minuto a minuto.
A tecnologia inteligente e vestível provavelmente será capaz de dizer quando você está tendo um bom dia e quando você você está se sentindo um pouco desanimado e seu humor afetará a publicidade que você recebe em tempo real. Se você estiver otimista e extrovertido, poderá receber anúncios de espetáculos teatrais locais, mas se não estiver com disposição para sair naquela noite, provavelmente receberá anúncios de um novo filme que você pode alugar na sua Smart TV, talvez ao lado de outro anúncio de pizza.
Mas e se seus dados forem usados ​​para mais do que anúncios?

A primeira maneira que seus dados poderiam ser - e já estão sendo - usados ​​contra você é no sistema judicial.

Os depoimentos de testemunhas oculares estão repletos de questões que comprovadamente não são confiáveis ​​por vários motivos, mas o que é extremamente confiável é que a polícia de dados digitais está cada vez mais usando dados coletados de telefones de pessoas e vários dispositivos inteligentes para coletar evidências.
Em um caso judicial recentemente uma mulher na Pensilvânia acusou um homem de estuprá-la durante o sono, mas quando a polícia examinou os registros de dados de sua pulseira Fitbit, revelou que ela estava acordada e passeava no momento em que relatou que o estupro aconteceu. Em vez de o homem ser acusado a mulher foi acusada de falsas denúncias e adulteração de provas. Se não fosse por seu Fitbit, ela poderia ter se safado.
No Ocidente, os bancos e várias empresas financeiras já usam um sistema de pontuação de crédito para decidir se empresta ou não dinheiro a um indivíduo, mas é bastante unidimensional. Ele verifica seu histórico de endereços, seu histórico de votação e o quão bom você tem sido em pagar empréstimos no passado.
Mas há uma nova agência de referência de crédito aos credores, uma empresa sediada em Cingapura que atualmente opera apenas em economias emergentes como o México, Filipinas e Colômbia. Se for um modelo mais lucrativo que o das indústrias tradicionais de pontuação de crédito, será difícil impedir que ele entre nos demais mercados.
Em vez de analisar seus empréstimos, ele analisa seu círculo social, olha de quem você é amigo, o que eles fazem, vê seus hobbies e comportamentos. A idéia é que, se você se cerca de pessoas de "mau viver" (de má reputação, envolvidos em crimes, etc), é menos provável que você seja financeiramente responsável e pague seu empréstimo e assim receberá uma pontuação de crédito baixa.
Mas se o seu círculo de amizades consistir de médicos e advogados que se reúnem no fim de semana, você receberá as melhores notas e a maior pontuação de crédito. Esse tipo de Big Data social continua a entrar no mundo da tecnologia financeira.
Ficará cada vez mais difícil diferenciar do que a China está fazendo agora e aqueles que sofrerão mais serão os jovens de hoje, a próxima geração.
Todos que passaram a maior parte de sua infância no milênio anterior (antes de 2000) só começaram a usar as mídias sociais depois de atingirem a idade adulta. Portanto, a maioria dos dados que eles inseriram na nuvem ameaçadora foi depois da adolescência e esse é o grande problema.
A grande maioria dos dados nunca desaparece. É possível ver os seus tweets e posts no Facebook e e-mails de há mais de 10 anos. Mesmo que você exclua suas contas, elas geralmente permanecem em um servidor em algum lugar do mundo sempre à espreita de sua vida.

A idade em que você começou a publicar on-line importa na questão dos seus dados serem usados ​​contra você por um simples motivo: todos somos bastante idiotas quando adolescentes.

Quando você tem 15 anos e acha que sabe tudo, cada publicação de mídia social sua, aos seus olhos é uma obra-prima para as massas. Então você chega aos 20 anos, olha para trás em todas essas postagens e se encolhe dolorosamente ao ver seu antigo eu.
Agora as mídias sociais e a Internet se tornaram uma parte tão intrínseca da sociedade que é quase impossível que uma criança cresça sem estar um pouco imersa nelas. Hoje, os jovens vivem toda a infância on-line, todas as conversas e atos desde a infância, idade adulta e além estão conectados à esfera dos dados por toda a eternidade, ao contrário da prévia geração.

Os jovens de hoje vão crescer com uma enciclopédia de material embaraçoso e condenador, que eles ou qualquer outra pessoa pode olhar para trás com uma simples pesquisa na Internet.

Isso já está sendo usado agora. Algumas empresas de seguros de saúde estão vasculhando a mídia social das pessoas para verificar se alguma vez postaram sobre ou aludiram a problemas de saúde mental. Mesmo que tenham feito um tweet negativo 10 anos atrás sobre seu estado mental, poderão ter recusada cobertura d​​o seguro de saúde ou serão cobradas uma taxa extra pesada.
Já há pesquisas revelando que pelo menos 70% dos empregadores usam as mídias sociais para selecionar candidatos a emprego. Você poderia recusar um emprego simplesmente porque você fez um post que poderia ter sido considerado racista quando você tinha 14 anos, mesmo que aquela pessoa fosse uma mera sombra da pessoa que você é hoje adulto.
A parte mais assustadora é que esse processo de triagem se tornou completamente automatizado usando a IA. Algumas startups desenvolveram esses algoritmos e já têm serviços on-line que os empregadores podem usar para fazer uma verificação abrangente dos antecedentes sociais de qualquer pessoa simplesmente digitando seu nome. O relatório ainda inclui uma pontuação de confiança gerada por computador.
Isso não apenas lembra da pontuação de crédito social da China, mas é só uma amostra do que é possível usando seus dados e ficará mais intenso e mais controlado à medida que os algoritmos melhorarem e os tesouros de dados se aprofundarem nos próximos anos.
Dados são o novo petróleo. Mais legislação pode ser necessária para transferir a propriedade dos dados das corporações para os indivíduos que os fornecem, mas até isso acontecer (se é que vai acontecer), cabe a você e a si próprio proteger seus próprios dados e decidir se é realmente importante postar fotos das suas refeições mais recentes.

Daqui a cinco anos você poderá estar lutando para limpar seu registro online.

submitted by JairBolsogato to brasil [link] [comments]


2019.12.14 18:13 JairBolsogato Dados são o novo Petróleo: num futuro próximo, seu histórico online vai destruir sua liberdade (não só para Chineses)

Todos os dias você voluntariamente fornece centenas de items de dados para empresas gigantes de bilhões de dólares.

No pior cenário possível, como todos esses dados poderiam ser usados ​​contra você se alguma empresa ou talvez o governo tivesse motivação para fazê-lo? A resposta pode ser aterradora.
Vamos dar uma olhada onde já estão usando os dados das pessoas para testar os limites dos direitos humanos: China.
A China é dirigida por um partido comunista e eles começaram a mostrar ao mundo o quão distópico um país pode se tornar na era digital. Você já deve ter ouvido falar sobre o sistema de crédito social atualmente sendo testado em toda a China. Essa idéia existe desde 2001 e espera-se que esteja totalmente operacional em toda a China continental até 2020, afetando e controlando 1,4 bilhão de pessoas.
Caso você não tenha ouvido falar disso, aqui está uma rápida descrição: cada cidadão recebe uma pontuação de crédito social que é semelhante à pontuação de crédito financeiro que temos no Ocidente que aria de 350 a 950. O cidadão pode aumentar sua pontuação de crédito social realizando boas ações, como denunciando crimes, doando sangue e executando feitos heróicos (e o que eles consideram heróico?).
Mas a pontuação cairá se o cidadão passar a cometer crimes, atravessar o cruzamento com sinal vermelho, falar alto em público ou jogar pontas de cigarro ou fruta no chão. Mas isso fica ainda mais assustador ao vermos que o objetivo é que todo o sistema seja automatizado e a China está trabalhando com empresas privadas para desenvolver ativamente sistemas de Inteligência Artificial que monitoram cidadãos 24 horas por dia online e offline.
A China atualmente possui a maior rede de câmeras do mundo, com mais de 200 milhões de câmeras atualmente instaladas em todo o país e o governo diz que pretende aumentar para 600 milhões até 2020. Mas esse sistema de câmeras da China tem uma diferença perturbadora, pois é alimentado por inteligência artificial. O sistema na China pode reconhecer rostos em uma fração de segundo e combiná-lo com um enorme banco de dados de mais de um bilhão de pessoas.
Ele pode até reconhecer o que as pessoas estão fazendo em tempo real, se estão atravessando a rua ilegalmente, se eles estão discutindo com alguém que a câmera reconhece e, se detectar tal atividade, pode deduzir automaticamente alguns pontos da pontuação de crédito social dos indivíduos. As câmeras são capazes de reconhecer os números das placas e podem fazer exatamente o mesmo por mau comportamento ao dirigir.
O sistema de crédito também abrange processadores de pagamento chineses, como o Ali Pay, que ajudaram o governo a desenvolver algoritmos que podem ajustar automaticamente a pontuação de crédito social de um indivíduo com base no seu padrão de consumo, por exemplo, se alguém compra regularmente cerveja e pode indicar que é alcoólatra. Assim, os pontos também serão deduzidos pela compra de muitos videogames e cerveja se forem uma grande parte do gasto mensal (isso me deixaria completamente ferrado!)
Se uma mulher comprar fraldas, de acordo com o governo, isso indica personalidade responsável e, assim, sua pontuação de crédito social receberá um impulso automático. Se um indivíduo se casa com alguém com uma pontuação de crédito social mais baixa do que ele, a pontuação mais alta é puxada para baixo.
Como você pode imaginar, esse sistema aterrorizante atua no mundo on-line. O governo chinês monitora as postagens de mídia social e a atividade de navegação na web de todos os seus cidadãos. Se eles postarem algo negativo sobre a China ou o Partido Comunista, sua pontuação será reduzida da mesma forma que qualquer atividade on-line que a China julgue negativa, como enviar posts com raiva ou simplesmente visitar os vários sites, isso colocará marcas negras nos registros com baixa pontuação.
As pessoas com classificações de crédito social baixas são expostas e envergonhadas em grandes outdoors digitais públicos em shopping centers, nas estações de trem. Eles mostram os nomes dos rostos dos residentes locais com as pontuações mais baixas. Existe até um aplicativo móvel que mostra os nomes e os locais de qualquer pessoa com uma pontuação baixa. Na sua vizinhança em tempo real, os chamados cidadãos-modelo serão venerados em outdoors nas praças da cidade.
Se a pontuação de crédito social cai abaixo de um certo limite, o cidadão é automaticamente colocado em uma lista negra. Esses indivíduos são proibidos de comprar bilhetes de trem ou avião. Eles não podem solicitar um empréstimo ou alugar um apartamento. Talvez nem consigam mais serviço de telefone e mídias sociais pois as contas são fechadas.

Eles são efetivamente forçados para fora da sociedade e se tornam prisioneiros dentro de sua própria casa, geralmente sem cometer nenhum crime.

Outra parte assustadora do sistema de crédito social da China não é o sistema em si, mas como o povo da China parece aceitar isso abertamente. Sempre que jornalistas ocidentais entrevistaram cidadãos chineses tudo o que eles faziam era elogiar o quanto isso melhorou suas vidas e a comunidade. Chineses que escaparam do sistema contam uma história completamente diferente e ainda mais distópica. Falar negativamente sobre o sistema é motivo para represálias.
Todo esse sistema naturalmente parece mais totalitário para qualquer ocidental, porque somos criados com liberdades genuínas e uma mentalidade individualista, enquanto a China tem uma história do estado governando com punho de ferro e o povo é criado com uma mentalidade coletivista onde o estado é priorizado sobre qualquer indivíduo.
Não se sabe se um sistema de crédito social seria ou não implementado no Ocidente por causa dos direitos humanos básicos. Todos esperamos que não seja, mas...

...a quantidade de dados que você entrega voluntariamente para as empresas do Vale do Silício todos os dias significa que eles têm um retrato digital de quem você é prontinho para ativar um sistema de crédito social.

Amanhã, se eles ou o governo desejarem, o Google conhece seus movimentos, o que você procura e que tipo de vídeo você gosta de assistir. O Facebook sabe quem são seu amigos e familiares, os sites que você visita, seus gostos e o que você detesta, suas esperanças e temores. Google, Apple e Facebook conhecem seus hábitos exatos de consumo, dependendo de você ter vinculado seu cartão a qualquer um dos serviços deles e isso é apenas a superfície do problema.
Algoritmos complexos de IA podem ser usados por essas empresas para extrair dados sobre você que nem mesmo você sabe sobre si mesmo. Eles podem prever quando as mulheres estão grávidas com base nas compras recentes, às vezes antes que a mãe saiba. Podem prever onde você está indo de férias antes mesmo de pensar em fazer uma reserva.
A China difere ideologicamente do Ocidente por usar todos esses dados pessoais para dar ao Estado maior controle sobre o povo, mas os EUA e a maior parte da Europa usam esses mesmos dados para vender produtos para pessoas, o que eu acho que é um pouco melhor do que colocar pessoas na maior prisão a céu aberto do mundo.
Você deve ter notado como os chamados anúncios personalizados seguem você pela web. Se você assistir a um vídeo no YouTube sobre o smartphone mais recente, será bombardeado com anúncios desse telefone durante a próxima semana. Os anúncios podem ter anunciantes assustadoramente específicos - se quiserem podem optar por segmentar os anúncios para donas de gatos com excesso de peso que moram em uma determinada rua e de idades entre 50 e 54 anos e têm uma preferência secreta pelos MCs Jhowzinho & Kadinho.
Acredite ou não, essa é apenas a ponta do iceberg nas próximas décadas. A publicidade se tornará mais direcionada a você e mais integrada ao longo de sua vida cotidiana, chegando ao ponto em que não dá pra saber o que é e o que não é um anúncio no caminho do seu trabalho. Se você comeu cereal da marca X de manhã, o anúncio saberá disso e, amanhã, vai sugerir você experimentar o cereal da marca Y.
Além disso, seu SmartWatch continuará coletando pistas biométricas para saber como você se sentiu e onde quer que você tenha respondido positiva ou negativamente. Essas informações serão automaticamente transmitidas para que eles saibam se devem ou não mostrar um anúncio ou anúncios semelhantes novamente no futuro. Não importará o que você deseja, mas serão baseados em suas emoções e em como você se sente dia após dia, minuto a minuto.
A tecnologia inteligente e vestível provavelmente será capaz de dizer quando você está tendo um bom dia e quando você você está se sentindo um pouco desanimado e seu humor afetará a publicidade que você recebe em tempo real. Se você estiver otimista e extrovertido, poderá receber anúncios de espetáculos teatrais locais, mas se não estiver com disposição para sair naquela noite, provavelmente receberá anúncios de um novo filme que você pode alugar na sua Smart TV, talvez ao lado de outro anúncio de pizza.
Mas e se seus dados forem usados ​​para mais do que anúncios?

A primeira maneira que seus dados poderiam ser - e já estão sendo - usados ​​contra você é no sistema judicial.

Os depoimentos de testemunhas oculares estão repletos de questões que comprovadamente não são confiáveis ​​por vários motivos, mas o que é extremamente confiável é que a polícia de dados digitais está cada vez mais usando dados coletados de telefones de pessoas e vários dispositivos inteligentes para coletar evidências.
Em um caso judicial recentemente uma mulher na Pensilvânia acusou um homem de estuprá-la durante o sono, mas quando a polícia examinou os registros de dados de sua pulseira Fitbit, revelou que ela estava acordada e passeava no momento em que relatou que o estupro aconteceu. Em vez de o homem ser acusado a mulher foi acusada de falsas denúncias e adulteração de provas. Se não fosse por seu Fitbit, ela poderia ter se safado.
No Ocidente, os bancos e várias empresas financeiras já usam um sistema de pontuação de crédito para decidir se empresta ou não dinheiro a um indivíduo, mas é bastante unidimensional. Ele verifica seu histórico de endereços, seu histórico de votação e o quão bom você tem sido em pagar empréstimos no passado.
Mas há uma nova agência de referência de crédito aos credores, uma empresa sediada em Cingapura que atualmente opera apenas em economias emergentes como o México, Filipinas e Colômbia. Se for um modelo mais lucrativo que o das indústrias tradicionais de pontuação de crédito, será difícil impedir que ele entre nos demais mercados.
Em vez de analisar seus empréstimos, ele analisa seu círculo social, olha de quem você é amigo, o que eles fazem, vê seus hobbies e comportamentos. A idéia é que, se você se cerca de pessoas de "mau viver" (de má reputação, envolvidos em crimes, etc), é menos provável que você seja financeiramente responsável e pague seu empréstimo e assim receberá uma pontuação de crédito baixa.
Mas se o seu círculo de amizades consistir de médicos e advogados que se reúnem no fim de semana, você receberá as melhores notas e a maior pontuação de crédito. Esse tipo de Big Data social continua a entrar no mundo da tecnologia financeira.
Ficará cada vez mais difícil diferenciar do que a China está fazendo agora e aqueles que sofrerão mais serão os jovens de hoje, a próxima geração.
Todos que passaram a maior parte de sua infância no milênio anterior (antes de 2000) só começaram a usar as mídias sociais depois de atingirem a idade adulta. Portanto, a maioria dos dados que eles inseriram na nuvem ameaçadora foi depois da adolescência e esse é o grande problema.
A grande maioria dos dados nunca desaparece. É possível ver os seus tweets e posts no Facebook e e-mails de há mais de 10 anos. Mesmo que você exclua suas contas, elas geralmente permanecem em um servidor em algum lugar do mundo sempre à espreita de sua vida.

A idade em que você começou a publicar on-line importa na questão dos seus dados serem usados ​​contra você por um simples motivo: todos somos bastante idiotas quando adolescentes.

Quando você tem 15 anos e acha que sabe tudo, cada publicação de mídia social sua, aos seus olhos é uma obra-prima para as massas. Então você chega aos 20 anos, olha para trás em todas essas postagens e se encolhe dolorosamente ao ver seu antigo eu.
Agora as mídias sociais e a Internet se tornaram uma parte tão intrínseca da sociedade que é quase impossível que uma criança cresça sem estar um pouco imersa nelas. Hoje, os jovens vivem toda a infância on-line, todas as conversas e atos desde a infância, idade adulta e além estão conectados à esfera dos dados por toda a eternidade, ao contrário da prévia geração.

Os jovens de hoje vão crescer com uma enciclopédia de material embaraçoso e condenador, que eles ou qualquer outra pessoa pode olhar para trás com uma simples pesquisa na Internet.

Isso já está sendo usado agora. Algumas empresas de seguros de saúde estão vasculhando a mídia social das pessoas para verificar se alguma vez postaram sobre ou aludiram a problemas de saúde mental. Mesmo que tenham feito um tweet negativo 10 anos atrás sobre seu estado mental, poderão ter recusada cobertura d​​o seguro de saúde ou serão cobradas uma taxa extra pesada.
Já há pesquisas revelando que pelo menos 70% dos empregadores usam as mídias sociais para selecionar candidatos a emprego. Você poderia recusar um emprego simplesmente porque você fez um post que poderia ter sido considerado racista quando você tinha 14 anos, mesmo que aquela pessoa fosse uma mera sombra da pessoa que você é hoje adulto.
A parte mais assustadora é que esse processo de triagem se tornou completamente automatizado usando a IA. Algumas startups desenvolveram esses algoritmos e já têm serviços on-line que os empregadores podem usar para fazer uma verificação abrangente dos antecedentes sociais de qualquer pessoa simplesmente digitando seu nome. O relatório ainda inclui uma pontuação de confiança gerada por computador.
Isso não apenas lembra da pontuação de crédito social da China, mas é só uma amostra do que é possível usando seus dados e ficará mais intenso e mais controlado à medida que os algoritmos melhorarem e os tesouros de dados se aprofundarem nos próximos anos.
Dados são o novo petróleo. Mais legislação pode ser necessária para transferir a propriedade dos dados das corporações para os indivíduos que os fornecem, mas até isso acontecer (se é que vai acontecer), cabe a você e a si próprio proteger seus próprios dados e decidir se é realmente importante postar fotos das suas refeições mais recentes.

Daqui a cinco anos você poderá estar lutando para limpar seu registro online.

submitted by JairBolsogato to brasilivre [link] [comments]


2019.09.14 21:52 otanerpt Relato dos responsáveis do projeto "Política Para Todos" da dificuldade em, a 22 dias das Eleições Legislativas, obter as listas dos candidatos a deputado

Publicado na página de Facebook do projeto Política Para Todos, que pretende promover a participação activa dos cidadãos nos processos eleitorais em Portugal.
𝗔𝗳𝗶𝗻𝗮𝗹 𝗾𝘂𝗲𝗺 𝘀𝗲 𝗰𝗮𝗻𝗱𝗶𝗱𝗮𝘁𝗮 𝗮 𝗱𝗲𝗽𝘂𝘁𝗮𝗱𝗼? (PARTE 2)
Depois de um primeiro post sobre a dificuldade em encontrar a lista de candidatos a deputados, mesmo depois de ligar à Comissão Nacional de Eleições (CNE), visitar o Tribunal Constitucional e a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna (MAI), ontem foi dia de follow up.
Para relembrar: estamos a reunir toda a informação relevante sobre as eleições legislativas e procuramos uma lista com todos os candidatos por cada partido/coligação em cada círculo eleitoral. A nosso entender, saber quem são os deputados nas listas é o mínimo para se exercer um voto informado numa eleição de deputados para a assembleia da república.

Os últimos dois dias

Na quarta-feira disseram-nos na CNE que a secretaria Geral do MAI era a responsável pela publicação dessa lista. Visitamos nesse mesmo dia a secretaria geral do MAI, onde nos disseram que estavam à espera de uma comunicação de um tribunal para publicar a lista. Foi-nos dito que isso iria acontecer no dia seguinte (dia 12), pois seria essa a data limite para essa comunicação por parte dos tribunais.
Estivemos atentos nos últimos dois dias ao site do MAI mas não apareceu a lista.
Entretanto soubemos pelos leitores do nosso primeiro post, que a data limite segundo o calendário eleitoral para o MAI publicar a lista de candidatos é 14 de setembro (ver aqui no site da CNE: http://www.cne.pt/…/de…/files/dl/mapa_calendario_ar-2019.pdf 😞
" No prazo referido no número anterior [14.09.2019], a administração eleitoral da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna procede à divulgação na Internet das candidaturas admitidas "

1a chamada para o MAI - 13 Set.

Decidimos então hoje ligar para a Secretaria Geral do MAI (para o contacto que nos facultaram na visita de quarta-feira) para saber o que se passava com a publicação da lista:
  • SG MAI - Estamos à espera que a lista nos seja comunicada pelo tribunal.
  • PPT - Ok, ficamos a aguardar. Segundo o calendário, ainda têm até ao dia 14 para a publicação (amanhã). Com quem podemos falar na segunda-feira se ainda não estiver publicado?
  • SG MAI - Terão de enviar email para [email protected] endereçado a "Exmo Senhor Secretário Geral Adjunto da Área da Administração Eleitoral e depois escreve o que pretende"
  • PPT - facepalm

2a chamada para o MAI 13 Set. - Falamos diretamente com o Exmo Senhor Secretário Geral Adjunto da Área da Administração Eleitoral

Frustrada a primeira tentativa, decidimos voltar a ligar, desta vez pedindo para falar diretamente com o secretário geral adjunto da área da administração eleitoral:
  • SG MAI- É a segunda vez que liga pelo mesmo assunto. Qual é o artigo que refere esse prazo de dia 14?
  • PPT - (Lemos o artigo que se encontra no calendário disponível pela CNE)
  • SG MAI - Correcto, é esse o artigo. Mas no nosso entendimento, a disponibilização das candidaturas não é a lista completa de nomes mas sim o nome da candidatura [partido/coligação]. Inclusive, no dia 16 vão começar a votar doentes, presos e residentes fora da Europa.
  • PPT - Então, vão começar a votar já daqui a três dias pessoas sem saber em quem?
Conclusão, depois nos dizerem que estavam à espera de informação do tribunal, afinal não é entendimento do MAI que tenham de fazer a divulgação dessa lista. E mais, é do conhecimento desta secretaria geral que eleitores vão começar a votar, sem que a lista completo de candidatos seja divulgada online.
Acordámos deixar o nosso contacto para o caso de terem mais informações.

Recebemos uma chamada da Secretaria Geral do MAI

Algumas horas depois, recebemos nós uma chamada da secretaria geral do MAI. Há novidades sobre o nosso pedido. Foi-nos esclarecido que:
  • Não há departamento nenhum no governo que publique a lista completa de candidatos porque a lei não o exige.
  • A CNE já fez esta publicação noutras eleições. No entanto, a lei foi alterada em 2018 e a CNE deixou de ser responsável pela divulgação da listagem de candidatos. Agora não há nenhuma instituição responsável por esta divulgação.
  • Na secretaria geral do MAI só publicam aquilo que os tribunais lhes enviam, não alteram nada. Se o que recebem tiver informação sensível, como não podem retirar, não é publicada.
  • Os dados são da origem dos tribunais, que foram referidos como sendo a fonte dos problemas porque eles é que têm de enviar a informação certa, com os detalhes certos, de forma a não ficar bloqueado noutro lado.
  • Para termos acesso a esta informação teremos de nos dirigir a cada tribunal onde foram afixadas as listas.
𝗖𝗼𝗻𝗰𝗹𝘂𝘀𝗮̃𝗼: 𝗮 22 𝗱𝗶𝗮𝘀 𝗱𝗮𝘀 𝗲𝗹𝗲𝗶𝗰̧𝗼̃𝗲𝘀 (não contando os votos antecipados), 𝗮𝗶𝗻𝗱𝗮 𝗻𝗮̃𝗼 𝗰𝗼𝗻𝗵𝗲𝗰𝗲𝗺𝗼𝘀 𝗮𝘀 𝗹𝗶𝘀𝘁𝗮𝘀 de candidatos
Nós não queremos culpar ninguém. Ainda nem percebemos se o responsável final é a secretaria geral do MAI, a CNE ou os próprios partidos que na alteração da lei em 2018 não acautelaram esta situação, agradecemos as tentativas de nos prestar esclarecimentos, mas sabemos isto:
  • Todas estas instituições deviam saber responder imediatamente a qualquer cidadão sobre quem é responsável e onde está a informação para ele se informar para votar;
  • Estamos muito perto das eleições e ainda não sabemos quem são os candidatos a representar-nos na Assembleia da República. Está ferida uma parte importante do processo democrático: o escrutínio público dos candidatos.
Da nossa parte continuaremos a fazer perguntas. Como alternativa, estamos a investir o nosso tempo voluntário a recolher as listas de candidatos pelos sites dos vários partidos, de forma a publicar a informação centralizada na nossa página. 💪
submitted by otanerpt to portugal [link] [comments]


2019.09.09 12:32 IntraCampos Eleições 2019 - Resultados Previstos 09/09

Aqui apresento os resultados projetados a dia 9.
PS: 36.16% 103 Deputados
PSD: 26.36% 75 Deputados
BE: 10.18% 22 Deputados
CDS: 7.32% 12 Deputados
CDU: 6.05% 12 Deputados
PAN: 3.66% 4 Deputados
A: 1.53% 1 Deputado
IL: 1.35% 1 Deputado
CH: 0.90%
LIVRE: 0.79%
NC: 0.72%
Todos os outros não alcançam os 0.70%
A única solução à esquerda é PS+BE ou PS+CDU+PAN (esta muito pouco provável).
As principais mudanças são:
PS +0.23% Psd +2.99% Be +0.06% CDS -0.91% CDU -0.52% PAN -0.39% A -0.14% IL +0.26% CH -0.22%
Esta mudança brusca de resultados deve-se à entrada das sondagens Online que estou a realizar, alterando o paradigma político Português. Comparativamente a Maio, data da ocorrência das antigas sondagens Online ocorreram algumas mudanças como a subida do PSD em 8 dos 10 meios analisados (são 12 no total mas em 2 não tenho ainda respostas suficientes para comparação) se bem que PS e BE pouco tenham mudado. É pouco provável voltarmos a ter uma mudança destas em tão pouco tempo.
O mapa mostra o PSD a ganhar mais alguns distritos como Viseu, Vila Real, Bragança, Leiria e Aveiro.
Continuem a participar na sondagem que estou a realizar em 12 sites diferentes.
https://s.surveyplanet.com/VsVpr1Jie
Já quanto aos círculos eleitorais temos os seguintes resultados nos que decidi destacar :
Lisboa:
PS - 20 PSD - 12 BE - 5 CDU - 4 CDS - 4 PAN - 2 A - 1
Porto:
PS - 16 PSD - 12 BE - 5 CDS - 3 CDU - 2 PAN - 1 IL - 1
https://i.ibb.co/0jsB21X/5a497d6c77b15967b339755692613297-0.png
submitted by IntraCampos to portugal [link] [comments]


2019.08.07 15:50 lanaSouza “Bullying “nas relações conjugais - palavras que machucam!

Artigo publicado há 5 ANOS no JusBrasil , pela própria autora deste Blog, mas com antigo perfil do Jus (sucesso por lá, editado aqui pelas alterações da Maria da Penha em 2019)
Há alguns anos, poucos após a entrada em vigor da Lei Maria da Penha(11.340/2006), uma senhora me procurou, em meu antigo escritório em Cuiabá, para contar o que se passava consigo, na verdade, com o seu relacionamento conjugal.Dizia ela estar casada havia 3 anos e meio e há muito já não sabia o que era ouvir uma palavra carinhosa do marido, ao contrário disso, só ouvia frases depreciativas à respeito de sua aparência, suas vestes, sua inteligência, sua formação profissional, etc.
*Este texto está disponível também AQUI
Aliás, ela não sabia dizer se algum dia teria ouvido um elogio do marido sobre algo relacionado a ela, mesmo antes de casarem.
A senhora em questão havia me procurado para saber se tinha algo que ela pudesse fazer acerca do assunto, uma vez que também considerava aquilo como um tipo de violência doméstica. Ela estava certa. A violência porquê passava no dia a dia, dentro do lar, é considerada pela Lei 11.340/2006 como sendo Violência Psicológica, e vem prescrita nos artigos 5º “caput” e 7º, inciso II da referida Lei.
Art. 5o Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial: (Vide Lei complementar nº 150 de 2015);
Art. 7o São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:
(…)
II - a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação.
Hoje (2019), entretanto, a antiga Lei já conta com as mudanças acrescentadas pela Lei 13.827/2019, com as seguintes alterações:
Art. 2º O Capítulo III do Título III da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), passa a vigorar acrescido do seguinte art. 12-C:
“Art. 12-C. Verificada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher em situação de violência doméstica e familiar, ou de seus dependentes, o agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência com a ofendida:I - pela autoridade judicial;II - pelo delegado de polícia, quando o Município não for sede de comarca; ouIII - pelo policial, quando o Município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
§ 1º Nas hipóteses dos incisos II e III do caput deste artigo, o juiz será comunicado no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas e decidirá, em igual prazo, sobre a manutenção ou a revogação da medida aplicada, devendo dar ciência ao Ministério Público concomitantemente.
§ 2º Nos casos de risco à integridade física da ofendida ou à efetividade da medida protetiva de urgência, não será concedida liberdade provisória ao preso.”
Art. 3º A Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), passa a vigorar acrescida do seguinte art. 38-A:
“Art. 38-A. O juiz competente providenciará o registro da medida protetiva de urgência.
Parágrafo único. As medidas protetivas de urgência serão registradas em banco de dados mantido e regulamentado pelo Conselho Nacional de Justiça, garantido o acesso do Ministério Público, da Defensoria Pública e dos órgãos de segurança pública e de assistência social, com vistas à fiscalização e à efetividade das medidas protetivas.”
Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 13 de maio de 2019; 198o da Independência e 131o da República. JAIR MESSIAS BOLSONARODamares Regina Alves
A violência em questão é quase tão grave quanto a física, podendo ser inclusive pior, vai depender do “estado emocional” de cada mulher e da constância da agressão!A pessoa da história acima passou a sofrer depressão com o decorrer do tempo. Frequentava o psiquiatra e tomava remédios controlados; não conseguia mais trabalhar e fazer as atividades da casa como antes pois vivia mais acamada do que disposta.
Engordou, deixou de fazer coisas que antes gostava, coisas normais e consideradas necessárias para uma mulher como: pintar as unhas, depilar-se, fazer exercícios, ir ao cinema, falar e encontrar com amigas e parentes; isolou-se em seu mundo – passou a ser tão“agressiva” com os demais que acredita ter se igualado ao agressor (marido); a vida dentro de casa transformou-se em “elogios” mútuos.
De pessoa “doce”, carinhosa, gentil e amável, em especial com os romances que já havia tido anteriormente, passou a ser amarga e tratar esse companheiro da mesma forma que ele a tratava pois, segundo ela, “é dando que se recebe”; “quem oferece flores receberá flores, mas quem só dá espinhos é isso que conseguirá” (palavras dela). No entanto, quanto mais agressiva (com palavras) se tornava, mas culpada e infeliz, vivia!O que fiz por essa senhora?
A Lei ainda era considerada “experimental”, estava em vigor há pouco mais de um ano, todavia era novidade, inclusive em se tratando de violência psicológica – no que tive de estudar o assunto para dar uma melhor resposta. Acredito que ela somente aguardou a resposta porque eu era indicação de uma amiga sua.
Diz ela que contar o caso que se passava em sua vida já era difícil e vergonhoso por demais para me contar, sair relatando a dois ou três Advogados era impossível.Assim fui “estudar” a lei mais a fundo para saber se o caso dela haveria solução.Percebi que, pelo fato de NÃO estar disposta à separação, nem tinha vontade de vê-lo preso, pois era ele quem mantinha a casa com o “bom salário” que recebia; (estava desempregada) e, na época sem condições psicológicas para tal; não haveria muito o que fazer a não ser indicar acompanhamento psicológico para ele também – até porque, como já dito, a lei era muito nova e não havia precedentes ou algo que se pudesse valer como “exemplo” para resolver a situação.Acredito que minha explicação não lhe tenha caído muito bem, pois ela insistia que àquilo era crime, já que havia lido a lei antes de ir me consultar. Um tipo difícil de cliente, pois acha que sabe tudo; não aceita conclusões e explicações que não seja do agrado. Mas qual seria a resposta que ela gostaria de ouvir se não queria se separar do marido nem vê-lo preso?- Já não sei, nunca entendi!Só sei que se a vida dela não estava fácil, a minha também não ficou nada agradável depois dessa consulta. Essa senhora estava muito impaciente, amarga e intolerante. Chorava com facilidade e perdia a paciência por qualquer coisa.
Realmente estava doente devido ao relacionamento perturbado que tinha com o marido, segundo ela, já tinha até pensamentos suicidas. Confesso que fiquei atormentada por não “conseguir” fazer nada.O esposo dessa cliente transformou a vida dela num inferno ao se aproveitar de sua fragilidade e dependência econômica!Chamá-la de preguiçosa, burra, gorda e inútil era comum, isso fez com que a auto estima dela se perdesse por completo. Era por isso que não desejava a separação, acreditava que não encontraria mais ninguém e muito menos um emprego para seguir vivendo – ele fazia questão de dizer, também, que ninguém a iria querer.
A atitude dele parecia a de um sádico; só se sentia feliz quando a fazia chorar – muitas vezes chegou a pensar que ele poderia ser um psicopata, já que não sentia nada por ela, nem por ninguém; totalmente desalmado e descompassivo – o pior de tudo é que ele deixava claro que gostava de ser assim!O relato que acabo de transcrever é bastante comum. Acredito que hoje a facilidade em lidar com tais situações é bem maior que há 13 (doze) anos, quando essa senhora me procurou.
Hoje existem delegacias especializadas em defesa da mulher em qualquer cidade, há ajuda psicológica oferecida pelo próprio Estado e apoio incondicional à mulher vítima de qualquer violência que venha descrita no artigo 7º da Lei Maria da Penha, e as alterações inseridas pela nova Lei (a de 2019 - citada acima).Um dos motivos que me fez recordar dessa infeliz Senhora foi a leitura de um artigo publicado na revista Marie Clarie de outubro de 2014, que entrevistou a Psicóloga Adelma Pimentel sobre o lançamento do livro em que é autora, denominado“Violência Psicológica nas relações conjugais” (da Summus Editorial).A obra fala do efeito devastador que uma violência desse gênero poderá acarretar nas relações conjugais.Preferi, no entanto, nomear este artigo como “Bullying” nas relações conjugais, pois a violência psicológica é partida, quase sempre, de um membro que se acha superior direcionada a outro que se encontra, segundo quem pratica, em relação de inferioridade.

Veja o que diz o artigo da Marie Claire:

Protegida pelo silêncio, incorporada aos costumes, herança da cultura patriarcal, ela se instala nos lares desde muito cedo, levando os casais a estabelecer relações pobres e, muitas vezes, doentias.
Estudiosa do assunto e militante da causa da prevenção e da erradicação da violência, Adelma apresenta um retrato dos embates psicológicos que acometem parceiros das mais diversas origens e classes sociais. No livro, ela faz uma análise profunda sobre o tema, propõe a nutrição psicológica de cada membro do casal para que diminuam os conflitos e oferece elementos indicativos para romper o ciclo de violência e restabelecer os vínculos afetivos do casal.Apesar da grande incidência nas relações conjugais, a agressão geralmente não é reconhecida pelos cônjuges, sobretudo pela mulher. Entre suas manifestações estão o deboche, a humilhação e o isolamento.
Na avaliação da psicóloga, famílias são organizações complexas, dialéticas e ambíguas. Campo de diversos choques, ódios e de trânsito voraz de rápidas, variadas e múltiplas emoções que podem coexistir no mesmo dia, conforme os atores e seus atos. “Dentro delas, os embates atravessados pela violência psicológica podem contribuir para forjar casamentos precipitados, uniões estáveis e até mesmo namoros que perpetuam o círculo vicioso de aprisionamento dos sujeitos”, complementa.
Num mundo totalmente reconfigurado, em que os papéis de gênero sofrem mudanças a cada dia, o livro é um referencial para discutir antigos modelos familiares e novos caminhos de expressão, baseados no autoconceito, na autoestima e na autoimagem nutridos psicologicamente desde a infância. “O objetivo é cooperar com os esforços coletivos para atualizar e renovar nossa humanidade, tão fragilizada pela supressão de valores éticos”, afirma a autora. Para ela, o diálogo é o nutriente imprescindível de uma relação afetiva amorosa. Ele é mediador do fortalecimento dos vínculos e do não enraizamento das violências privadas, sobretudo a psicológica.
Fonte: gruposummus. Com por Marie Claire
Autoria /Comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B
Foto/Créditos: pixabay grátis *Às vezes, como no caso apresentado, a única solução viável é o Divórcio; aproveito para indicar um sistema online, EFICAZ e mais barato do Brasil para se divorciar (funciona para ambos os sexos e quaisquer outra forma de relacionamento conjugal homossexual).
submitted by lanaSouza to DivulgueDireito [link] [comments]


2019.04.20 23:39 Samuel_Skrzybski STEEL HEARTS - INTRODUÇÃO (PARTE 1)

Infelizmente, eu já vi que o sub de escritores brazucas não é lá muito populoso. Eu não sei se um dia alguém vai chegar a ler a introdução da minha narrativa, mas se você está aqui, lendo a minha nota pré-texto, eu peço humildemente o seu feedback. No meu círculo social, rigorosamente NINGUÉM tem tempo e paciência para ler tudo e me dizer o que achou - e eu entendo perfeitamente kkkkkk. E, se me permite um segundo pedido: se for me dar um toque, seja na gramática, seja na minha forma de decorrer a história, faça críticas construtivas, por favor.
E sobre a introdução: se um dia a minha história porventura se tornar um livro - e eu não faço nenhuma questão que isso aconteça - ele se iniciaria após todos os fatos que eu vou narrar abaixo - e estes fatos iriam se revelando no decorrer dos capítulos. Essa introdução tem o único e exclusivo objetivo de dar um entendimento melhor ao leitor atual - você! - sobre o "universo Steel Hearts": contexto histórico da trama, histórico das personagens, eventos que moldam a narrativa e afins. Em um eventual livro, essa introdução seria inexistente e ele se iniciaria no prólogo - o qual eu já escrevi e vou postar aqui também, ainda hoje ou amanhã. E até o momento atual, o prólogo é onde a minha história está empacada :{
Enfim, sem mais delongas: boa leitura! :)
[EDIT: Eu vou ter que dividir a introdução em duas partes, para conseguir postar - eu não sabia que o Reddit tinha um limite de caracteres. Eu vou postar a Parte 1 agora e a Parte 2 eu posto em alguns minutos, logo na sequência.]
Cronologicamente, a trama se inicia em 1412.
Dois jovens oficiais do Reino da Catalunha se perdem no interior de uma floresta de mata densa em uma patrulha rotineira e descobrem uma reserva imensa de ferro, cobre e bronze no interior de uma caverna - esta, batizada de Madriguera de Sán José. Todos estes citados, minérios primordiais para a construção de equipamentos de combate e, no auge da Idade Média, eram de extremo valor. Após apurações mais profundas, foi descoberto que a reserva era muito maior do que se imaginava e se estendia por todo um território, conhecido como Península de Acqualuza. Naturalmente, os olhos de toda a Europa Medieval se voltaram para as terras de Acqualuza, que era território da Catalunha - região onde atualmente se localiza a Espanha - por direito, comandada desde 1383 pelo rei Carlos Villar. O que antes era só mais um pedaço de terra passou a ser visto por Carlos Villar como um trunfo para instalar o seu reinado como a maior potência militar e econômica da Europa e, por tabela, do mundo.
Entretanto, alguns anos mais tarde, o rei da Catalunha foi assassinado por sua própria filha primogênita, Alice Azcabaz Villar, movida pela ganância e pelo poder. Após assumir o trono em 1414, Alice, sem nenhuma experiência como governanta em seus 19 anos recém-formados e se vendo incapaz de colocar ordem em um reino inteiro sozinha, firmou uma aliança com a família Winchestter, uma tradicional linhagem nobre da Inglaterra, que se instalou na Península de Acqualuza e passou a governar a mesma.
É importante ressaltar que Acqualuza não se resumia apenas a ferro, cobre e bronze. Existia um povo vivendo naquela região. Uma civilização. Pessoas que se instalaram naquele lugar por gerações, muito antes de descobrirem que a península, na verdade, era uma verdadeira "galinha dos ovos de ouro". Os Winchestter foram protagonistas de um governo totalmente corrupto, que durou dois anos. Exportaram minérios, espadas, lanças, escudos, armaduras e afins da mais alta qualidade para os quatro cantos da Europa e enriqueceram de uma maneira rápida e efetiva. Mas, em contrapartida, o povo de Acqualuza vivia na miséria, na pior crise socioeconômica de sua história. A verdade é que a família Winchestter, juntamente de Alice Azcabaz, visavam somente os seus interesses pessoais. Enquanto a fortuna pessoal dos Winchestter decolava, a Península de Acqualuza entrava em rota de colisão, mergulhada na pobreza extrema. Os cidadãos acqualuzenses viravam quarteirões e quarteirões em filas intermináveis para a distribuição gratuita de pães velhos e mofados, para que não simplesmente morressem de fome. E por mais que a educação, saúde, segurança e desenvolvimento social da região fossem precários, o povo parecia anestesiado. Como se estivesse tão fraco e oprimido que sequer conseguisse levantar a voz para questionar os seus governantes.
Era nítido que o governo acqualuzense era instável, o que chamou a atenção dos ingleses. Talvez a maior potência econômica e militar da Europa no momento, a Inglaterra, conduzida por seu renomado exército imperial e pelo jovem e controverso rei Sabino III, estudava maneiras de depor o governo dos Winchestter e tomar as ricas terras de Acqualuza para si - o que soava como justo para os ingleses, afinal, os atuais governantes do território acqualuzense eram dos seus. A carta na manga dos ingleses era o povo de Acqualuza e as condições desumanas nas quais estes viviam. A estratégia, inicialmente, era enviar soldados ingleses travestidos de cidadãos acqualuzenses para o território dominado pelos Winchestter e forçar uma revolta contra o governo vigente. Os forasteiros organizaram tumultos, passeatas e até fizeram ameaças aos nobres, em uma tentativa de fazer o próprio povo fazer o trabalho sujo de derrubar os monarcas do poder por eles, evitando um ataque direto e um consequente e nefasto atrito entre Inglaterra e Catalunha, com quem mantinham uma cordial relação diplomática. Os cidadãos da península até esboçaram uma reação com os primeiros protestos, mas logo adormeceram novamente. Vendo o comodismo que o governo imoral da família Winchestter instalou nas terras de Acqualuza, Sabino III optou por uma solução mais radical: a criação da CAJA.
A CAJA nada mais era do que uma organização secreta, patrocinada pelo governo da Inglaterra e composta por militares do mais alto escalão do Exército Nobre Inglês e por assassinos de aluguel de elite. O objetivo? A princípio era, durante uma noite, impedir que os postes de lamparinas a óleo vegetal fossem acesos na Península de Acqualuza. E assim, na escuridão total, um pelotão seria responsável por invadir, saquear e depredar o castelo dos Winchestter e outro grupo realizaria a maior chacina já vista na Europa Medieval: estes invadiriam casas de cidadãos comuns e matariam a sangue frio qualquer ser vivo que encontrassem pela frente. E, como cereja do bolo, deixariam os corpos ensanguentados expostos nas ruas de Acqualuza para que todos os sobreviventes se deparassem com a tragédia ao nascer do sol. Um mar de sangue inocente que os ingleses julgavam como necessário: com a carnificina, a Inglaterra esperava que o traumático choque de realidade mostrasse ao povo acqualuzense de uma vez por todas que os Winchestter eram incapazes de proteger, tanto os cidadãos, quanto a eles próprios, e enfim compreender todas as consequências da péssima administração dos nobres ingleses em suas terras. A matança tinha data e hora para acontecer: 10 de Novembro de 1415, a partir das 18h30.
E neste contexto, somos apresentados a Constantin Saravåj Mandragora - ou simplesmente Saravåj. Nascido na Iugoslávia, na região dos Bálcãs e a 1200 km de Londres, era filho de uma família de camponeses extremamente pobre e sem perspectiva nenhuma de ter uma qualidade de vida minimamente digna. Todavia, desde os primórdios de sua vida, era uma criança criativa, inteligente e escandalosamente diferente das demais. Assim como seus pais e toda a Europa Medieval, acompanhava pelos jornais o drama do povo de Acqualuza, que ganhou notoriedade internacional. Lendo jornais de origem britânica, Saravåj aprendeu o inglês por conta própria. E foi por intermédio desses folhetos estrangeiros que o menino ficou sabendo da existência de Dúbravska. Um sábio monge acqualuzense que se isolou da civilização em meados de 1360 e passou a viver sozinho em cordilheiras, em um estado infinito de meditação. Era considerado pelos cidadãos de Acqualuza como o mais próximo de Deus que tinha-se na Terra - havia quem dissesse que ele tinha contato direto com o Todo-Poderoso. Quando ficou nítido que não existia nenhum panorama de melhora para o povo acqualuzense da situação de calamidade em que se encontravam, os mais importantes homens da Península de Acqualuza começaram a procurar por Dúbravska, na esperança de que este tivesse a fórmula perfeita para contornar todo sofrimento de seu povo. Quando contatado por meros cidadãos comuns, o monge afirmou que a Península de Acqualuza tinha um período de guerras incessantes pela frente, onde a paz seria impossível e seus governantes seriam seus maiores inimigos. E profetizou que, após o período de trevas, somente uma criança de coração puro e livre de maldade seria capaz de liderar um reinando que enfim devolveria a paz para Acqualuza. Algumas horas mais tarde, no pôr-do-sol, Dúbravska entregou sua alma para Deus e realizou a sua assunção aos céus, e nunca mais foi avisado por ninguém. Quando terminou a sua leitura, Saravåj sentiu um arrepio que correu todo o seu corpo e não teve dúvidas: era ele próprio a criança da profecia.
Alguns anos mais tarde, inconformado com a sua situação e de sua família e revoltado com a forma com a qual os nobres engoliam as classes inferiores, Saravåj foi para a Inglaterra incentivado por sua mãe em busca de mais oportunidades assim que se tornou um homem adulto, em uma árdua caminhada, onde cruzou a Europa em 25 dias até chegar em Cherbourg-Octeville, na Gália, de onde seguiu de balsa para a Inglaterra. Na terra da rainha, pela primeira vez na vida a sorte sorriu para ele - e em dose dupla: o garoto de até então 18 anos entrou e cresceu rapidamente no exército inglês e também apaixonou-se reciprocamente por Camilly Shaw, sem um pingo de dúvidas, uma das mulheres mais atraentes de todo o Reino da Inglaterra: o seu cabelo lembrava os radiantes raios solares, de tão loiro. Também era dona de claros olhos azuis cor-de-mar. A garota era membro e a natural herdeira de uma respeitada família de militares de elite. Pela primeira - e única - vez, Saravåj descobriu o amor. Saravåj filiou-se como peão ao Exército Nobre Inglês em 1413 e à CAJA em 1415. Sua mãe, em uma das cartas que mandava da Iugoslávia semanalmente para Saravåj, foi totalmente contra a ideia de saber que o seu próprio filho derramou o sangue de pessoas inculpadas e encorajou Saravåj a trilhar os seus caminhos longe do militarismo. Sugeriu que mudasse o seu foco para ler livros e adquirir conhecimento, como era o sonho dela. Saravåj sabia que era utopia. Prometeu para sua progenitora que seria a primeira e última vez. O garoto iugoslavo, idealizando o seu futuro com Camilly acima de qualquer coisa, tinha medo da ameaça que os Winchestter poderiam vir a se tornar um dia, sem conhecer o maquiavélico plano do governo inglês de usar a tirania dos Winchestter como justificativa para aumentar as suas riquezas com as terras de Acqualuza.
No dia 10 de Novembro daquele mesmo ano, Saravåj invadiu de surpresa na calada da noite o imenso castelo da família Winchestter, junto de colegas de esquadrão e de assassinos profissionais em uma noite que deveria ser de comemoração para os monarcas, com as suas típicas e corriqueiras festas regadas à música clássica e todo tipo de bebida alcoólica. No saldo final, o garoto, que sempre se destacou com espadas em punhos, assassinou Diógenes Dionisi, o próprio patriarca da família Winchestter. Foram incontáveis as baixas de membros dos Winchestter naquela madrugada. Do outro lado da moeda, o morticínio foi um sucesso: o nascer do sol foi acompanhado pelo choro de homens e mulheres abraçados com os ensanguentados corpos sem vida de seus entes queridos. O vermelho-sangue banhava todas as ruas de Acqualuza, em um cenário tão surreal que sequer parecia realidade. Esta noite ficou marcada por toda eternidade na história como "O Domingo Sangrento".
Com a morte de diversos membros da família Winchestter e com a desestabilização total dos mesmos, o povo de Acqualuza, enfim, despertou. Passeatas violentas que levavam como slogan a frase "OS MONARCAS NÃO NOS AJUDAM!" eram diárias na Península de Acqualuza. Zoey Deschamps, a viúva de Diógenes Dionisi, assumiu o mandato de seu ex-marido juntamente de Alice Azcabaz, em uma diarquia frágil e que sofria forte desaprovação do povo, em um período de seis meses que ficou conhecido como "Caveirão". A gota d'água foi o suicídio da rainha Alice Azcabaz, a própria pioneira da tomada de Acqualuza, que se enforcou após não suportar a pressão e as ameaças que vinham de seus próprios compatriotas. Com a morte de Alice, Zoey abdicou do trono, fazendo com que a Península de Acqualuza caísse em anarquia total.
Sem o exercício nenhum tipo de governo nas desejadas terras acqualuzenses, a Inglaterra tinha o cenário perfeito bem à sua frente. Contudo, optou por agir com cautela. Sabino III, sabendo que o povo de Acqualuza ficaria acuado e com um pé atrás após a péssima experiência com um governo gringo - e inglês - em suas terras, enviou seus mais competentes diplomatas para a Península de Acqualuza, na intenção de negociar a almejada anexação das terras de ferro, cobre e bronze com os representantes do povo acqualuzense, em um consenso bilateral, que fosse benéfico para ambos os lados, e pouco a pouco, foi colocando os seus oficiais dentro de Acqualuza, na esperança de criar raízes inglesas na península. Na teoria, a Península de Acqualuza se tornaria parte e dependente do Reino da Inglaterra em troca de estabilidade governamental. O povo sabia que eles precisavam de um rei e que a anarquia só iria levá-los ao fundo do fundo do poço. Não haviam muitas saídas que não fosse aceitar o acordo proposto por Sabino III.
Entretanto, havia uma maçã podre neste cesto que atendia por nome e sobrenome: Matiza Perrier. Um prepotente e irreverente gênio nato, inglês descendente de iugoslavos, membro do Exército Nobre da Inglaterra e que participou do saqueamento do castelo da família Winchestter ao lado de Constantin Saravåj no 10 de Novembro. Porém, paralelamente aos seus serviços prestados ao Reino da Inglaterra, Matiza liderava uma organização de interesses sombrios conhecida como Pasárgada. Os pasargadanos tinham um objetivo em comum com os imperiais ingleses: tomar as ricas terras da Península de Acqualuza para si. Mas utilizavam meios diferentes - e mais inteligentes - para isto. A Pasárgada era o grande ventríloquo por trás de cada atitude do reino inglês. Era quem mexia as peças no tabuleiro: manipulou o governo da Inglaterra para que este manipulasse os cidadãos acqualuzenses para que estes derrubassem os Winchestter do poder. No fim das contas, quem se beneficiaria da ausência de um rei na península e sentaria no trono seria Matiza Perrier - e ele tinha meios indefectíveis para isto. Tanto que, subitamente, como um raio que cai sem nenhum aviso prévio, as negociações entre a Inglaterra e o povo de Acqualuza pararam. Quando os nobres, oficiais e diplomatas ingleses se deram conta e olharam para o alto, só puderam assistir estáticos e de camarote a coroação de Matiza Perrier como rei de Acqualuza, que a partir daquele momento passou a ser um reino independente dos catalães, nomeado de "Pasárgada". Zoey Deschamps - agora noiva de Matiza Perrier - arquitetou por trás das cortinas as condições necessárias para que a Pasárgada atravessasse as negociações entre a Inglaterra e o povo acqualuzense e tomasse a península para si. Os cidadãos acreditaram com toda inocência do mundo que um governo novo e, acima de tudo, não-inglês, era o ideal para eles naquele momento.
Quando a notícia de que uma desconhecida oposição havia vencido a disputa pelo trono chegou aos ouvidos de Sabino III, ele ordeu a retirada imediata de todas as suas tropas das terras de Acqualuza. Muitos conseguiram fugir para regiões vizinhas - entre estes, Constantin Såravaj - mas muitos mais jamais puderam voltar para suas casas. No dia 10 de Julho de 1416, a Pasárgada assumiu oficialmente a Península de Acqualuza e o agora rei Matiza fez o seu primeiro discurso ao seu povo. O comandante da Pasárgada proferiu palavras bonitas e se mostrou um defensor ferrenho dos direitos humanos e da inclusão social das classes menos favorecidas, ganhando como recompensa uma salva de palmas ensurdecedora do povo e a simpatia dos mesmos. Mas contradisse-se quando ordenou que seus oficiais, de modo acaçapado, executassem sem dó nem piedade todo homem que tivesse um brasão inglês no peito nos limites de seu território. Saravåj assistiu imóvel muitos companheiros sendo brutalmente esquartejados durante o tumulto, mas foi bem-sucedido em sua fuga. Se instalou, assim como a grande maioria dos ingleses sobreviventes, na pequena vila camponesa de Balistres, pertencente ao Reino da Gália (onde atualmente se localiza a França) e que fazia fronteira direta com a Península de Acqualuza.
Em Balistres, Constantin Saravåj enfim pôde encontrar-se com sua amada após sua fracassada e última missão militar. Após uma longa conversa, Camilly convenceu Saravåj a deixar o Exército Nobre da Inglaterra e se instalar na vila de terras férteis de Balistres juntamente a ela. Muitos ex-oficiais ingleses seguiram o mesmo caminho e colocaram o seu uniforme imperial na gaveta para se dedicar a uma vida pacata em Balistres. Entretanto, o nobre guerreiro iugoslavo ainda se preocupava muito com o que acontecia em Acqualuza. Em seus pensamentos, sentia muito pelo povo daquele lugar. A Pasárgada era uma ameaça muito maior do que os Winchestter. Tanto para a Europa Medieval quanto aos seus próprios cidadãos. Seria uma mentira dizer que a qualidade de vida do povo da península não melhorou muito com o governo da Pasárgada. Mas a corrupção continuava - a diferença é que, desta vez, acontecia de uma maneira inteligente. O grande coringa de Matiza Perrier era o próprio governo anterior à Pasárgada: os pasargadanos não erradicaram a corrupção. Apenas a diminuíram. Ainda assim, muitos recursos que deveriam ser destinados ao povo acqualuzense eram usados visando somente os interesses pessoais de Matiza Perrier e de seus aliados mais próximos. Em uma comparação inevitável com o governo descaradamente ilícito dos Winchestter, a impressão era a de que Matiza estava tirando leite de pedra e levantando a Península de Acqualuza da lama. A astuta ideia era, além de roubar, alienar o povo. Sem instrução econômica, os acqualuzenses idolatravam Matiza, que aumentava a sua popularidade com seus periódicos discursos infestados de falso moralismo. No balanço geral, uma minoria do povo enriqueceu e a grande maioria apenas se tornou menos pobre. Uma sociedade cada vez mais segregada entre ricos e plebeus. Tudo ocorria da forma mais perfeita possível para que Matiza Perrier enfim começasse a colocar as suas peças no campo adversário para dar início a um temível império pasargadano.
Saravåj, um dos pivôs da agora extinta CAJA, até queria fazer algo para que o povo de Acqualuza abrisse os seus olhos mais uma vez. Mas era totalmente desencorajado por Camilly. A garota queria que Saravåj se concentrasse na vida a dois. Camilly afirmou que para ela, pouco importava passar os seus próximos setenta anos como mera camponesa. Que não reclamaria se comesse cenoura, couve e batata todos os dias. A única coisa que realmente importava era estar ao lado de Saravåj. Juntos, vivos e seguros. Os seus futuros filhos poderiam viver uma infância alegre, brincando no campo e longe das guerras e de toda crueldade do mundo, realidade rara na Era das Trevas da Idade Medieval. A imagem de uma família perfeita e unida, mesmo que ainda somente na imaginação e muito longe de ser concretizada, era linda. Sendo assim, tanto Sabino III quanto Constantin Saravåj desistiram das terras da Península de Acqualuza, reconhecendo finalmente, que agora estas mesmas eram de domínio da Pasárgada. A paz reinou em Balistres durante alguns meses. Saravåj e Camilly residiram felizes naquela vila e fizeram inúmeros planos para os próximos anos. As colheitas foram um sucesso. A segurança, estruturada por antigos e competentes soldados do escalão de elite do exército da Inglaterra, era impecável. As crianças tinham acesso à educação de qualidade, tanto militar quanto acadêmica. Após muito esforço de seus residentes, Balistres via em seu horizonte uma década próspera e abundante.
Até que, durante um pôr-do-sol, a Pasárgada, faminta por ampliar os seus domínios, invadiu o vilarejo gaulês. Constantin Saravåj e seus companheiros bem que tentaram defender as suas terras com unhas e dentes, mas em vasta desvantagem numérica, foram facilmente reprimidos. Por mais uma vez, a Pasárgada patrocinou um massacre. Muitas pessoas, leigos e militares, foram mortas. A maioria delas, jovens que partiram deste plano sem concretizar os seus sonhos. Nesse ínterim do ataque do reino de Matiza Perrier ao vilarejo de Balistres, Camilly Shaw feriu-se com gravidade. Após ter uma lança atravessada em seu peito, a garota começou a perder muito sangue. Os remanescentes que restaram da investida pasargadana transcorreram para a metrópole de Nice, uma das maiores cidades da Gália e uma das pouquíssimas que contavam com assistência médica especializada. Novamente, a Pasárgada venceu e incorporou a terra de Balistres aos seus territórios.
Em Nice, Camilly foi uma das primeiras a receber atendimento dos paramédicos. Após uma rápida e sucinta análise, o iátrico afirmou a Saravåj que a hemorragia de sua dulcinéia era um quadro clínico irreversível para a medicina da época. Camilly Shaw deveria ter, na melhor das hipóteses, algumas horas de vida. E como se não bastasse, o médico ainda constatou que a garota estava grávida há algumas semanas e teria o infeliz destino cruel de falecer juntamente de seu bebê. Foram as palavras mais duras que já entraram pelos ouvidos de Saravåj. O garoto sentiu que estavam arrancando-lhe brutalmente a parte mais importante de sua essência. Camilly era motivo pelo qual Constantin Saravåj realizou atrocidades pela CAJA. Pelo qual desistiu da carreira militar. E, acima de qualquer outra coisa, a garota era o motivo pelo qual Saravåj estava disposto a matar e a morrer, se fosse necessário. Durante a caminhada até Nice, Camilly fez com que Saravåj prometesse que, independentemente do que viesse a acontecer dali em diante, ele não iria derramar uma lágrima sequer. Nem por ela, nem por ninguém. Mas o garoto iugoslavo foi incapaz de cumprir a sua promessa quando soube que iria perder a mulher da sua vida e seu primeiro filho de uma só vez. "Se Camilly morrer, por que ou por quem eu tanto matei?", pensava Saravåj, entre lágrimas e soluços. Matrimônio. Sonhos. Planos. Tudo virou pó de um instante para o outro. Em pouco tempo, o garoto estaria sozinho no mundo. Soava injusto, mas já não havia tempo para prantos. Durante a trágica notícia, inúmeros mensageiros da Gália chegaram aos berros em Nice, gritando pelas ruas de maneira histérica para quem quisesse ouvir que a Pasárgada estava invadindo a Gália de modo feroz. As tropas da grande metrópole gaulesa precisavam se organizar para um provável combate e os cidadãos daquela localidade eram jogados à deriva, sendo obrigados a se refugiar como pudessem.
Por mais uma vez, os sobreviventes do morticínio de Balistres teriam que fugir de seus algozes. Até a metade do caminho, Saravåj levou Camilly em seus braços, com a estúpida esperança de que Deus, se de fato se fizesse existente, oniconsciente, bondoso, justo e misericordioso, operasse um famigerado milagre. Até que, nos arredores de Paris, tornou-se inviável continuar carregando uma mulher que havia recebido uma sentença de morte. A consciência de Camilly estava por um fio. Os braços de Saravåj já há muito eram humanamente incapazes de continuar carregando um corpo tão pesado. Os retirantes precisavam se apressar, afinal, eles não sabiam o quão rapidamente a Pasárgada estava avançando. Não havia mais como adiar a despedida.
O garoto, afastando-se do grupo de Balistres, encostou Camilly em uma grande figueira. O casal, na escuridão da noite, era iluminado somente pela luz da lua cheia. A garota, em um último e doce ato, colocou nas mãos de Saravåj um colar dourado, que continha um pequeno pingente em formato de coração. E feito isso, fechou os olhos. Aos poucos, a sua respiração pesada cessou. E, por fim, o seu coração deu a sua última batida - um último "eu te amo" à Constantin Saravåj. Após a morte de Camilly Shaw, que sequer teve a oportunidade de ter um velório digno, os que restaram do vilarejo de Balistres continuaram a sua jornada durante toda madrugada. E só pararam quando alcançaram a cidade de Baden-Wüttenberg no nascer do sol, já no território da Germânia (nos dias de hoje, a Alemanha). Em solo germânico, todos os ex-soldados do Exército Nobre Inglês, entre eles, um abalado Constantin Saravåj, fizeram uma última continência à bandeira da Inglaterra, se despediram e trilharam seus respectivos caminhos.
"Olha bem, mulher. Eu vou te ser sincero. Eu sabia que ia dar errado. Esse mundo está corrompido e a felicidade aqui não passa de uma utopia. Nós vamos ficar longe um do outro por um tempo, mas ainda vamos nos reencontrar. Eu não posso te prometer, mas eu juro que anseio por isso do fundo da minha alma"
Após este calamitoso ocorrido, Saravåj nunca mais foi o mesmo. Tornou-se uma pessoa amargurada. Cheio de ódio no coração, admitiu para si mesmo que a criança da profecia não passava de um delírio. Também se convenceu de que todo o amor que ele podia dar em vida terrena, ou qualquer sentimento positivo que fosse, foram para o túmulo juntamente de Camilly Shaw. O garoto iugoslavo passou a dedicar a sua vida a tecer um planejamento suficientemente perfeito para derrubar a Pasárgada - e em especial, Matiza Perrier - já que estes haviam tirado tudo o que ele tinha de mais importante. Suas terras. Seu povo. Seu filho. O grande amor de sua vida. Dizimar a Pasárgada. Concretizar a sua vingança. É para isso que Saravåj passou a viver. Afinal, tudo o que era lindo. Tudo o que era bom. Tudo o que era perfeito. A Pasárgada destruiu.
submitted by Samuel_Skrzybski to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.04.08 12:29 NoMeVoyMeQuedo Por qué los barrios pobres no van a votar: la abstención en las zonas más excluidas duplica a la de las más ricas

El barrio sevillano de 'las 3.000 Viviendas', uno de los más empobrecidos de España, fue el que más se abstuvo en las elecciones generales de 2016. Los que más participaron fueron los vecinos del acomodado barrio del Pla del Remei, en Valencia "Es un pez que se muerde la cola: como no votan, los políticos no se interesan por ellos, ellos no se sienten escuchados y vuelven a abstenerse en las siguientes elecciones", explica el investigador Manuel Trujillo BUSCADOR Busca entre las 16 mayores ciudades españolas y comprueba cuál es la renta media del barrio y cuántos votantes se abstuvieron en 2016 Raúl Sánchez 07/04/2019 - 21:37h Compartir en Facebook Compartir en Twitter Norte y sur, este y oeste, centro y periferia o costa e interior pueden marcar las fronteras invisibles de una ciudad. Muchas veces, esos límites no solo señalan las desigualdades económicas sino también políticas. Vivir en un barrio rico o pobre influye de manera determinante en las probabilidades de que una persona acuda a votar a su colegio electoral o se quede en casa en unas elecciones generales.
Por ejemplo, una brecha de casi 90.000 euros de ingresos por hogar separa al barrio de 'las 3.000 Viviendas' en Sevilla, el segundo más empobrecido de España, y El Viso en Madrid, el más rico. La desigualdad económica también se convierte en desigualdad electoral: en el primero, el 55% de los residentes no acudieron a votar en las elecciones generales de 2016; en el segundo, el 18%.
¿Una casualidad? Los datos analizados por eldiario.es muestran que los barrios con menos renta se abstuvieron el doble en las elecciones generales de 2016 que las zonas más acomodadas en las 16 mayores ciudades españolas. Mientras que la abstención alcanzó el 42% en los barrios con una renta media por debajo de los 20.000 euros, solo el 20% de los residentes de las zonas con ingresos superiores a los 50.000 euros renunciaron a votar.
Este es el resultado del análisis de eldiario.es de los datos del proyecto estadístico Urban Audit, publicados por el Instituto Nacional de Estadística, y los resultados electorales de las elecciones generales del 26J. Ver metodología
"Esto no es nuevo, siempre ha habido agujeros negros electorales que han sido los barrios más pobres", explica Braulio Gómez, doctor en Ciencia Política de la Universidad de Deusto y autor de varios trabajos sobre la relación entre abstención y renta. "Si en tu casa no tienes la nevera en condiciones para mantener tu vida cotidiana, es más difícil que tengas ese tiempo para buscar información política", comenta Gómez.
La tendencia se repite en los 16 municipios más poblados de España: cuanto más pobre es el barrio, más se abstuvieron sus residentes en las elecciones generales de 2016. Sin embargo, este fenómeno se agrava en las ciudades con mayor brecha entre barrios humildes y zonas acomodadas. Es decir, áreas metropolitanas más desiguales.
Pero, ¿por qué los residentes de barrios como El Raval (Barcelona), San Cristóbal (Madrid), Los Pajaritos (Sevilla) o Palma-Palmilla (Málaga) acuden menos a votar? Los expertos lo achacan a un alejamiento total de la política y una sensación de exclusión por su situación económica.
"Es un tipo de cultura que es lejana a ellos, que no les representa no participan porque no es su juego político", argumenta Miguel Alhambra, sociólogo de la Universidad Complutense de Madrid y autor de un estudio académico sobre desigualdad social y abstención electoral en Madrid y Barcelona. "Es un efecto de la propia desigualdad: si para tener voz y voto tienes que tener capital cultural, al final te callas", comenta.
'Las 3.000 Viviendas' y la zona de Juan XXIII en Alicante son los barrios que más se callaron en las elecciones del 26J. Alrededor de la mitad de los residentes decidieron no ejercer su derecho al voto en 2016. "Aunque realmente digamos que no hace falta gran cosa (para votar), coger tu DNI y acercarte al colegio electoral, algo que nos parece sencillo, no lo es para muchas personas", explica la doctora en psicología social Cristina Cuenca.
Para Cuenca, es complicado decir "que vaya a votar" a una persona que esté en "una situación de desempleo cronificado, una familia afectada porque el padre o la madre tenga un problema de adicción o una persona sin hogar".
Pero, ¿cómo y a qué partidos votan los barrios de renta más bajas y mayores problemas derivados de esta desigualdad? Para comprobarlo, analizamos los datos de 509 barrios de las mayores ciudades españolas.
Fuente: Urban Audit, INE, Ministerio de InteriorMade with Flourish
Los investigadores alertan de las consecuencias políticas de la segregación entre barrios humildes de baja participación y zonas acomodadas con alta participación. "Es un pez que se muerde la cola: como no votan, los políticos no se interesan por ellos, ellos no se sienten escuchados y vuelven a abstenerse en las siguientes elecciones", argumenta Manuel Trujillo, investigador del Instituto de Estudios Sociales del CSIC.
Precisamente, el estudio Urnas Vacías en los suburbios de las ciudades, realizado por Trujillo y Braulio Gómez para el Observatorio Social de La Caixa, identificó una correlación "altísima" entre vivir en una zona caracterizada por la carencia de todo tipo de recursos y la abstención electoral en las municipales de 2015.
"A nivel electoral, cuando se agudiza este fenómeno, la izquierda pierde muchísimos votos", afirma Trujillo, que pone como ejemplo las pasadas elecciones autonómicas en Andalucía. Tal y como publicó eldiario.es, la abstención se disparó el 2D en los barrios más pobres de Sevilla, Málaga y Córdoba, donde Podemos y sobre todo el PSOE tenían más poder electoral.
Los datos de las generales del 26J, en 2016, también señalan esta tendencia: los partidos de izquierda son mucho más fuertes en los suburbios de las grandes ciudades y las candidaturas de derecha consiguen más votos en las zonas más ricas. Un voto de clase que se agudiza en los extremos: la izquierda promedia el 67% de las papeletas en los barrios que ingresan menos de 20.000 euros y la derecha se lleva el 74% de los sufragios en las zonas con una renta media superior a los 50.000 euros por hogar.
Manuel Buñuel, politólogo e investigador de la relación entre abstención y renta en la ciudad de Sevilla, asegura que existe una sensación en las zonas más marginadas de que la clase política solo va a esos barrios durante la campaña electoral y que después están "cuatro años sin aparecer". "Se ha luchado tanto tiempo para que el voto se ampliara a más capas de la población y los que más lucharon por ampliarlo son los que más se abstienen actualmente", reflexiona Buñuel.
Un fenómeno que apenas ha variado con el surgimiento de formaciones políticas como Podemos o Ciudadanos, según concluye el estudio Urnas Vacías. "Esto genera una concentración de poder político: si los ricos siempre votan, tendrán más poder en sus manos para que se tengan en cuenta sus intereses", explica el investigador Braulio Gómez.
La renta media de los diez barrios que más se abstuvieron en las generales de 2016 era de 19.000 euros por hogar. Entre los diez que más participaron, la cifra sube hasta los 68.000. Para Manuel Trujillo, "esto se acaba convirtiendo en un déficit democrático porque hay cierta población que no se siente representada y que no acaba siendo escuchada".
Más de una treintena de barrios de las grandes áreas urbanas registraron porcentajes de abstención por encima del 40% de los residentes en 2016. Si resides en alguna de las 16 mayores ciudades españolas, puedes buscar tu barrio.
BUSCADOR: ¿cuántos vecinos se abstuvieron en cada barrio en las elecciones del 26J? Busca un municipio o barrio y descubre el porcentaje de abstención o a qué candidaturas votaron los barrios más pobres y ricos. Solo se incluyen 509 barrios de las 16 ciudades más pobladas
Flourish logoA Flourish data visualisation Fuente: Urban Audit, INE, Ministerio del Interior
Para contextualizar la desigualdad política de las ciudades españolas, analizamos los datos de abstención y renta media en los barrios que representan el 20% más rico y el 20% más pobre de diez de las mayores áreas urbanas en España. Haz click en alguna de las siguientes ciudades para leer cada apartado.
Barcelona Gijón Bilbao Sevilla Las Palmas de G.C. Madrid Valencia Córdoba Zaragoza Vigo 1. La segregación económica de Barcelona
Tres factores unen a los barrios de El Raval, El Besòs, el Maresme y Nou Barris. Son los barrios que más se abstienen, más empobrecidos y con mayor población extranjera de Barcelona. Frente a ellos, el distrito de Sarrià-Sant Gervasi agrupa las zonas de mayor renta, menor abstención y más población nativa.
Una segregación económica, racial y social que divide a Barcelona entre la ciudad de Convergencia y PP frente a la de En Comú y el PSOE.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
CDC
En Comú
PP
PSOE
Cs
ERC 20% más pobre
AbstenciónRenta media41,1%24.410€ 20% más rico
AbstenciónRenta media28,3%55.712€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Las Mil Quinientas viviendas de Gijón
En 1953, el Instituto Nacional de la Vivienda recibe el encargo de realizar un proyecto para alojar a los obreros que procedían del ámbito rural de Gijón en el Pumarín. Así es como se desarrollaron las Mil Quinientas viviendas que transformaron el barrio en una zona obrera. Todavía hoy, el Pumarín es la segunda zona más pobre de Gijón (23.591€) y en la que más se abstuvieron sus votantes (33,7%).
La zona residencial de urbanizaciones de Las Mestas es la más rica y también la que más participación registró en las elecciones del 26J.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
PSOE
UP 20% más pobre
AbstenciónRenta media34,3%22.895€ 20% más rico
AbstenciónRenta media27,5%35.186€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Vivir al lado del Guggenheim en Bilbao
Más de 20.000 euros conforman la brecha entre Abando, el distrito más rico y que más participa de la ciudad de Bilbao, y el resto de zonas de la ciudad. "En Bilbao hay una alta desigualdad pero no llega a los niveles que se llegan en Sevilla, Málaga o Badajoz aunque dentro de Euskadi sí que llama la atención", afirma Braulio Gómez, doctor en Ciencia Política de la Universidad de Deusto.
La desigualdad de Bilbao se manifiesta entre los que viven al lado del Guggenheim, que apenas se abstienen y votan principalmente a PP y PNV, y la zona sur de Errekalde, la más pobre donde Unidos Podemos fue el más votado en 2016.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PNV
PP
UP 20% más pobre
AbstenciónRenta media35,7%27.304€ 20% más rico
AbstenciónRenta media27,2%48.514€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Urnas vacías en 'las 3.000 Viviendas'
La abstención consiguió la mayoría absoluta en 'las 3.000 Viviendas' de Sevilla en las elecciones generales de 2016. El 55% de los votantes decidió abstenerse en un barrio en el que PSOE y UP se llevan el casi el 80% de los votos. Frente a ellos, menos del 20% de los votantes se abstuvieron en el barrio más rico de Sevilla, Santa Clara, donde PP y Cs son opciones mayoritarias.
"Si lo que se lleva al debate es lo que opina un votante de los Remedios o de Triana, no se van a tener en cuenta los problemas de las 3.000 Viviendas", afirma el politólogo Manuel Buñuel.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PSOE
PP
UP 20% más pobre
AbstenciónRenta media40,9%17.648€ 20% más rico
AbstenciónRenta media20,3%42.911€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Las barriadas de Las Palmas, carne de abstención
La brecha económica entre el barrio que más se abstuvo en las elecciones de 2016, las barriadas de la Vega de San José, y el que más participó, la céntrica zona de Arenales-Lugo, es de casi 20.000 euros por hogar. Una diferencia que señala la desigualdad entre el centro histórico construido alrededor del Puerto de Las Palmas y las barriadas periféricas del sur, asentadas en pendiente sobre la ladera de la montaña.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
PSOE
UP 20% más pobre
AbstenciónRenta media40,2%21.281€ 20% más rico
AbstenciónRenta media30,7%38.264€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Madrid, una brecha de norte a sur
La capital madrileña presenta los mayores índices de desigualdad de las grandes ciudades españolas, una brecha que se dibuja de sur a norte. Los barrios más pobres del sur, como San Cristóbal (Villaverde) o San Diego (Puente de Vallecas), se abstienen casi el triple que las lujosas zonas más ricas del norte como El Viso (Chamartín) o Piovera (Hortaleza).
Un mapa que dibuja los feudos del PP que siempre votan en las generales frente a los dominios abstencionistas de Unidos Podemos y el PSOE.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
PSOE
UP
Cs 20% más pobre
AbstenciónRenta media34,2%24.541€ 20% más rico
AbstenciónRenta media18,6%66.586€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Centro frente a periferia en Valencia
Los residentes del lujoso barrio de El Pla del Remei, en el centro de Valencia, fueron los más entusiastas de las elecciones del 26J. Con solo un 14% de abstención, es el barrio que más participó de las grandes ciudades españolas. Casualmente, es el más rico de la capital y la zona en la que el PP consiguió más porcentaje de voto (61%).
Los mayores índices de abstención se concentran en los barrios pobres de las zonas periféricas como En Corts, El Grau o Tres Forques - La Fontsanta.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
Pod. - Comp. 20% más pobre
AbstenciónRenta media28,4%23.640€ 20% más rico
AbstenciónRenta media19,0%39.736€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. El sur obrero se abstiene en Córdoba
Más de la mitad del suelo en el barrio de El Naranjo-Brillante, el más rico de Córdoba, está destinado a urbanizaciones, chalets y viviendas unifamiliares. En el Sector Sur, el más pobre de la capital de provincia, las zonas industriales y comerciales acaparan la mitad del suelo, según los datos del INE.
Casi 20 puntos separan los niveles de abstención de ambos barrios en las generales de 2016.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
PSOE
UP 20% más pobre
AbstenciónRenta media39,4%19.254€ 20% más rico
AbstenciónRenta media21,3%39.228€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. La frontera invisible de Zaragoza
Apenas 3 kilómetros separan las urbanizaciones con piscina de Casablanca, en Zaragoza, con el barrio obrero de Delicias. Aunque no tienen una frontera física, sí existe una simbólica que los separa: los hogares de Casablanca ingresan 30.000 euros más y se abstienen casi la mitad que sus vecinos de Delicias.
Una brecha que se traslada a la perspectiva de voto de los principales partidos. PP y Ciudadanos son mayoría en Casablanca, el barrio más rico de la capital aragonesa, y PSOE y Unidos Podemos son primera fuerza en el más pobre, Delicias.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
PSOE
UP
Cs 20% más pobre
AbstenciónRenta media32,1%24.806€ 20% más rico
AbstenciónRenta media22,0%43.153€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
  1. Astilleros frente a centro histórico en Vigo
El barrio de Teis en Vigo, el más pobre de la ciudad gallega, fue el que registró el mayor porcentaje de abstención (32%) el 26J. Los principales astilleros de la ciudad y gran parte del puerto comercial señalan un barrio de marcado perfil obrero e industrial donde la candidatura de En Marea fue primera fuerza.
Una zona que se contrapone al centro histórico de Vigo, el barrio más rico de la ciudad gallega, el que más participó (un 26%). El PP fue el partido más votado.
Partido más votado en cada sección censal en las elecciones generales de 2016
PP
En Marea
PSOE 20% más pobre
AbstenciónRenta media29,7%27.838€ 20% más rico
AbstenciónRenta media27,9%34.394€ Fuente: Urban Audit, Ministerio de Interior
Metodología
Para esta información, se han cruzado los datos por secciones censales de las elecciones generales de 2016 con los de renta media por hogar de la operación estadística de Indicadores Urbanos Urban Audit referentes al año 2016, que divide las ciudades en áreas suburbanas (SCD). Estas separaciones no siempre coinciden con divisiones administrativas de distritos o barrios. Solo se han incluido las 16 ciudades más pobladas de España ya que son los únicos municipios que tienen datos de renta desglosados por barrio.
En cada área suburbana, se ha calculado el porcentaje de votos de cada candidatura y el nivel de abstención en las elecciones del 26J a partir de las secciones censales que la componen. Se han descartado los datos de 9 secciones censales de las divisiones realizadas por Urban Audit no existían en las elecciones generales de 2016.
Se han identificado a PSOE, Unidos Podemos y sus confluencias, ERC, Bildu, PACMA y BNG como partidos de izquierda y a PP, Ciudadanos, CDC, PNV, CC, UPyD y Vox como partidos de derecha.
07/04/2019 - 21:37h 0 Compartir en Facebook Compartir en Twitter Enviar a Menéame Imprimir Detrás de esta noticia... Podemos publicar esta noticia gracias a las cuotas que pagan nuestros más de 34.000 socios y socias. Ellos garantizan nuestra independencia editorial y económica. Pero necesitamos más socios para seguir contratando periodistas y publicar más contenidos como este. Si tú también crees en un periodismo libre y de calidad hazte socio, hazte socia. ENLACES PATROCINADOS Jaime González, irreconocible en su reaparición televisiva Jaime González, irreconocible en su reaparición televisiva La Vanguardia La inspección de 120.000km de tu Audi A3 por 299€. Solicita cita. La inspección de 120.000km de tu Audi A3 por 299€. Solicita cita. formularios.audi.es Polen de abeja. Propiedades, cómo tomarlo, para qué usarlo. Polen de abeja. Propiedades, cómo tomarlo, para qué usarlo. universomiel.es El nuevo Kia Ceed Tourer está diseñado para el conductor. DescúbreloEl nuevo Kia Ceed Tourer está diseñado para el conductor. Descúbrelo El nuevo Kia Ceed Tourer está diseñado para el conductor. Descúbrelo Kia Semana Crossover & SUV de Ford, del 8 al 17 de abril Semana Crossover & SUV de Ford, del 8 al 17 de abril Ford Hipoteca NARANJA de ING. Con cero, cero posibilidades de equivocarte Hipoteca NARANJA de ING. Con cero, cero posibilidades de equivocarte ING Más en eldiario.es De dónde viene la extrema derecha: un obispo ultra y la familia de Barberá De dónde viene la extrema derecha: un obispo ultra y la familia de Barberá Podemos se postula en su programa para el 28A como la alternativa al "trío de Colón" y al "temblor de piernas" del PSOE Podemos se postula en su programa para el 28A como la alternativa al "trío de Colón" y al "temblor de piernas" del PSOE La Comunidad de Madrid exige a 70.000 jóvenes pagar un impuesto desconocido para deducirse el alquiler en la declaración La Comunidad de Madrid exige a 70.000 jóvenes pagar un impuesto desconocido para deducirse el alquiler en la declaración recomendado por Los comentarios de nuestros socios 1 luiscor1221 los ricos votan todos, los curas votan todos, los policias,guardias civiles y militares votan ... 2 quijotesco Siempre me he preguntado como es posible que el inconformismo ciudadano sea tan grande pero ... 3 Paubcn Creo que mas que el factor económico interviene el factor cultural, aunque un alto nivel ... 4 Artero No, no es casual, se debe en primer lugar al analfabetismo o simple alfabetización, lo cual ... 5 Cuyobai Los 'problemas' de la legislación electoral quedan sin resolver. Casualmente. 8 DONGUIDO Aquí unas explicaciónes muy bien fundamentadas de por qué los pobres, los obreros, votan a la ... 9 Huge_Head la brecha económica da como resultado la brecha cultural ,que se podría evitar mucho mas fácil ... 11 pepeespuche22 Lleváis toda la razón en El Palmar (Murcia) una pedanía de 24.000 habitantes en los barrios ... 13 Mr.Spock El neoliberalismo persigue la creación de una inmensa clase trabajadora solo preocupada por ... 14 JRG Buenísimo artículo de análisis de datos. En mi opinión shí está una de las bolsas de abstención. ... 15 jjrs50 El gran logro de la derecha es que muchos ciudadanos voten en contra de sus propios intereses. 16 Davex Votar no solo es un derecho, es una responsabilidad y por tanto debería ser una obligación. Pero ... Hazte socioComenta tú también20 comentarios
Apúntate a nuestros boletines Adelanto para socios/as The Guardian en español Cultura Desalambre Economía Cuarto Propio Consumo claro
He leído y acepto el Aviso Legal y la Política de Privacidad
lo +LeídoComentado Los hijos de Pablo Iglesias e Irene Montero reciben el alta médica Una cámara instalada en el chalet de Pablo Iglesias e Irene Montero difundía imágenes en directo a través de una web eldiario.es - Agencias Fragmento del informe pericial Un exmando de Scotland Yard ve "una multitud pacífica" el 20-S en Economía y descarta que los 'Jordis' llamaran a la violencia Oriol Solé Altimira HISTORIAS DEL ALQUILER "El casero nos dice que con Airbnb ganaría 1.500 euros al mes, que tiene que cobrarnos lo mismo que por el alquiler turístico" Xurxo Pablo Casado acusa a Pedro Sánchez de "rendir al Estado" a los secesionistas Casado vaticina que Iglesias, Otegi y Puigdemont serán ministros si Pedro Sánchez gana las elecciones Marcos Pinheiro
ZONA CRÍTICA Política de serie B Antón Losada El evangelio de San Pablo El evangelio de San Pablo Bernardo Vergara Foto de familia de la jura de la XVIII promoción de comisarios. Rodeado con un círculo Gómez Gordo. En el centro, el director general de la Policía, Francisco Pardo, rodeado de su Junta de Gobierno Un único policía ha sido apartado del servicio de los seis expedientados por el caso Villarejo Pedro Águeda
ZONA CRÍTICA ¿Hasta cuándo? Javier Pérez Royo
ED Creativo El sueño de mala calidad puede potenciar la obesidad infantil. SALUD Cambio horario: por qué los niños con obesidad lo sufren más La alimentación de las embarazadas en España presenta insuficiencias y desequilibrios que se traducen en ingestas inadecuadas de algunos nutrientes esenciales. CONSUMOCLARO ¿Buscas quedarte embarazada? Te damos una alternativa a la pastilla de ácido fólico Más del 80% de los desechos marinos son plásticos de un solo uso. ECONOMÍA Santander Brasil será el primer banco ‘plastic free’ del mundo Fernando Ónega. HISTORIAS CON ALMA El fin de la soledad, por Fernando Ónega Imagen del nuevo Mazda3 en Lisboa. MOTOR Por qué el nuevo Mazda3 en un regalo para los sentidos (en especial para el oído)
En ConsumoClaro 10 precauciones para alquilar un coche de forma segura. Diez cosas a tener en cuenta si vamos a alquilar un coche esta Semana Santa Jordi Sabaté
SOBRE eldiario.es eldiario.es DESCUBRE NUESTRAS APPS Android Apple VIVIMOS EN REDES Facebook
Twitter
Telegram Youtube RSS COLABORA Necesitamos tu apoyo económico para hacer un periodismo riguroso y con valores sociales. HAZTE SOCIO MÁS INFO ¿Qué es eldiario.es? El equipo Creative commons Aviso legal Política de privacidad Política de cookies Mis cookies FAQs Contacto
🍪 ¿Por qué y para qué utilizamos cookies? Como cualquier otro medio o página web, utilizamos cookies para que todo funcione correctamente, desde las estadísticas globales de las noticias hasta la publicidad personalizada. ¿Qué datos usamos? ¿Con qué finalidad? Saber más Aceptar y continuar navegando
submitted by NoMeVoyMeQuedo to podemos [link] [comments]


2019.01.08 03:21 jhung86 Add to Cart and Product Description has Disappeared on my product pages after Zoom Magic was installed

Hi I installed Zoom Magic, and uninstalled it on Shopify.
Now all descriptions and cart payments of my product pages have disappeared! I tried a installing a different theme "Debut" which had a inbuilt zoom function. This seems to work.. but I am afraid there are some Zoom Magic App residual code which could cause issues in the future
How do I fix this problem? Is there a way to revert to an older version? below is the product.quide code...
----------Code starts below:


{% case section.settings.add_to_cart_width %}
{% when 'small' %}
{%- assign btn_class = 'btn--wide' -%}
{%- assign productform_class = 'product-form--wide' -%}
{% when 'medium' %}
{%- assign btn_class = 'btn--wide' -%}
{%- assign productform_class = 'product-form--wide' -%}
{% when 'large' %}
{%- assign btn_class = 'btn--full' -%}
{%- assign productform_class = 'product-form--full' -%}
{% endcase %}

{% if section.settings.add_to_cart_width != 'small' %}

{% endif %}





{% include 'breadcrumb' %}






{% if section.settings.product_thumbnails_position == 'below' or product.images.size < 2 %}


{% assign featured_image = product.selected_or_first_available_variant.featured_image default: product.featured_image %}

{% for image in product.images %}
{% capture img_id %}ProductImage-{{ image.id }}{% endcapture %}
{% capture img_wrapper_id %}ProductImageWrapper-{{ image.id }}{% endcapture %}
{%- assign img_url = image img_url: '1x1' replace: '_1x1.', '_{width}x.' -%}
{% include 'image-style' with image: image, small_style: false, width: 700, height: 1024, wrapper_id: img_wrapper_id, img_id: img_id %}



class="product-single__image lazyload{% unless featured_image == image %} lazypreload{% endunless %}"
{% if featured_image == image %}src="{{ image img_url: '300x300' }}"{% endif %}
data-src="{{ img_url }}"
data-widths="[180, 370, 540, 740, 900, 1080, 1296, 1512, 1728, 2048]"
data-aspectratio="{{ image.aspect_ratio }}"
data-sizes="auto"
{% if section.settings.product_image_zoom_type == 'zoom-in' %} data-zoom="{{ image img_url: '1024x1024', scale: 2 }}"{% endif %}
alt="{{ image.alt escape }}">


{% endfor %}




{% if product.images.size > 1 %}


    {% for image in product.images %}


  • {{ image.alt escape }}


  • {% endfor %}


{% endif %}

{% else %}




{% assign featured_image = product.selected_or_first_available_variant.featured_image default: product.featured_image %}

{% for image in product.images %}
{% capture img_id %}ProductImage-{{ image.id }}{% endcapture %}
{% capture img_wrapper_id %}ProductImageWrapper-{{ image.id }}{% endcapture %}
{%- assign img_url = image img_url: '1x1' replace: '_1x1.', '_{width}x.' -%}
{% include 'image-style' with image: image, small_style: false, width: 700, height: 1024, wrapper_id: img_wrapper_id, img_id: img_id %}



class="product-single__image lazyload{% unless featured_image == image %} lazypreload{% endunless %}"
{% if featured_image == image %}src="{{ image img_url: '300x300' }}"{% endif %}
data-src="{{ img_url }}"
data-widths="[180, 370, 540, 740, 900, 1080, 1296, 1512, 1728, 2048]"
data-aspectratio="{{ image.aspect_ratio }}"
data-sizes="auto"
{% if section.settings.product_image_zoom_type == 'zoom-in' %} data-zoom="{{ image img_url: '1024x1024', scale: 2 }}"{% endif %}
alt="{{ image.alt escape }}">


{% else %}
{{ featured\_image.alt escape }}
{% endfor %}







    {% for image in product.images %}


  • {{ image.alt escape }}


  • {% endfor %}






{% endif %}

{% if section.settings.product_image_zoom_type == 'lightbox' %}

{% endif %}



{% if section.settings.product_vendor_enable %}
{{ product.vendor }}
{% endif %}

{{ product.title }}




{% assign variant = product.selected_or_first_available_variant %}





{{ 'products.product.regular_price' t }}

{{ product.price money }}


{% if product.compare_at_price > product.price %}
{{ 'products.product.sale_price' t }}

{{ product.compare_at_price_max money }}

{% else %}


{{ product.compare_at_price_max money }}

{% endif %}


{%- if shop.taxes_included or shop.shipping_policy.body != blank -%}

{%- if shop.taxes_included -%}
{{ 'products.general.include_taxes' t }}
{%- endif -%}
{%- if shop.shipping_policy.body != blank -%}
{{ 'products.general.shipping_policy_html' t: link: shop.shipping_policy.url }}
{%- endif -%}

{%- endif -%}

{% form 'product', product, class:productform_class %}








{% if section.settings.enable_payment_button %}
{{ form payment_button }}
{% endif %}
{% endform %}

{% unless section.settings.show_extra_tab == false or pages[section.settings.extra_tab_content] == empty %}




{{ product.description }}




{{ pages[section.settings.extra_tab_content].content }}



{% else %}

{{ product.description }}

{% endunless %}

{% if section.settings.social_sharing %}


{{ 'products.general.share_title' t }}


{% include 'social-sharing' %}
{% endif %}






{% if section.settings.product_related_enable %}
{% include 'related-products' %}
{% endif %}



{% unless product == empty %}

{% endunless %}



{% schema %}
{
"name": {
"de": "Produktseiten",
"en": "Product pages",
"es": "Páginas de productos",
"fr": "Pages de produits",
"it": "Pagine di prodotto",
"ja": "商品ページ",
"pt-BR": "Páginas de produtos"
},
"settings": [
{
"type": "checkbox",
"id": "product_vendor_enable",
"label": {
"de": "Produktverkäufer anzeigen",
"en": "Show product vendor",
"es": "Mostrar proveedor del producto",
"fr": "Afficher le distributeur du produit",
"it": "Mostra fornitore prodotto",
"ja": "商品の販売元を表示する",
"pt-BR": "Exibir o fornecedor do produto"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "product_quantity_enable",
"label": {
"de": "Quantitäts-Auswahl anzeigen",
"en": "Show quantity selector",
"es": "Mostrar selector de cantidad",
"fr": "Afficher le sélecteur de quantité",
"it": "Mostra selettore quantità",
"ja": "数量セレクターを表示する",
"pt-BR": "Exibir seletor de quantidade"
}
},
{
"type": "select",
"id": "product_image_zoom_type",
"label": {
"de": "Bildzoomtyp",
"en": "Image zoom type",
"es": "Tipo de zoom de imagen",
"fr": "Type de zoom sur image",
"it": "Tipo di zoom immagine",
"ja": "画像のズームタイプ",
"pt-BR": "Tipo de zoom da imagem"
},
"options": [
{
"value": "lightbox",
"label": {
"de": "Leuchtkasten",
"en": "Lightbox",
"es": "Lightbox",
"fr": "Visionneuse d'image",
"it": "Lightbox",
"ja": "Lightbox",
"pt-BR": "Lightbox"
}
},
{
"value": "zoom-in",
"label": {
"de": "Heranzoomen",
"en": "Zoom-in",
"es": "Acercar",
"fr": "Zoom avant",
"it": "Zoom avanti",
"ja": "ズームイン",
"pt-BR": "Mais zoom"
}
},
{
"value": "no-zoom",
"label": {
"de": "Nicht zoomen",
"en": "No zoom",
"es": "Sin zoom",
"fr": "Pas de zoom",
"it": "Nessun zoom",
"ja": "ズームなし",
"pt-BR": "Sem zoom"
}
}
]
},
{
"type": "select",
"id": "product_thumbnails_position",
"label": {
"de": "Position der Miniaturansicht des Produkts",
"en": "Product thumbnail position",
"es": "Posición de imagen miniatura del producto",
"fr": "Position de la vignette du produit",
"it": "Posizione anteprima prodotto",
"ja": "商品サムネイルの位置",
"pt-BR": "Posição da miniatura de produto"
},
"options": [
{
"value": "right",
"label": {
"de": "Rechts vom Hauptbild",
"en": "Right of main image",
"es": "A la derecha de la imagen principal",
"fr": "À droite de l'image principale",
"it": "A destra dell'immagine principale",
"ja": "メイン画像の右",
"pt-BR": "À direita da imagem principal"
}
},
{
"value": "below",
"label": {
"de": "Unter dem Hauptbild",
"en": "Below main image",
"es": "Debajo de la imagen principal",
"fr": "Sous l'image principale",
"it": "Sotto l'immagine principale",
"ja": "メイン画像の下",
"pt-BR": "Abaixo da imagem principal"
}
}
]
},
{
"type": "header",
"content": {
"de": "Beschreibung",
"en": "Description",
"es": "Descripción",
"fr": "Description",
"it": "Descrizione",
"ja": "説明",
"pt-BR": "Descrição"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "show_extra_tab",
"label": {
"de": "Ein Tab neben Ihrer Produktbeschreibung anzeigen",
"en": "Show a tab next to your product description",
"es": "Mostrar una pestaña al lado de la descripción de tu producto",
"fr": "Afficher un onglet en regard de la description de votre produit",
"it": "Mostra una scheda accanto alla descrizione del prodotto",
"ja": "商品説明の横にタブを表示する",
"pt-BR": "Exibir uma guia ao lado da descrição do seu produto"
},
"default": false
},
{
"type": "page",
"id": "extra_tab_content",
"label": {
"de": "Tab-Inhalt",
"en": "Tab content",
"es": "Contenido de la pestaña",
"fr": "Contenu de l'onglet",
"it": "Contenuto della scheda",
"ja": "タブのコンテンツ",
"pt-BR": "Conteúdo da guia"
},
"info": {
"de": "Der Inhalt dieser Seite wird auf der zusätzlichen Registerkarte angezeigt.",
"en": "This page content will appear in the extra tab.",
"es": "El contenido de esta página aparecerá en la pestaña adicional.",
"fr": "Le contenu de cette page s'affichera dans l'onglet supplémentaire.",
"it": "Il contenuto di questa pagina verrà visualizzato nella scheda aggiuntiva.",
"ja": "このページのコンテンツは追加のタブに表示されます。",
"pt-BR": "O conteúdo dessa página aparecerá na guia extra."
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "social_sharing",
"label": {
"de": "Teilen von Produkten aktivieren",
"en": "Enable product sharing",
"es": "Habilitar compartir productos",
"fr": "Activer le partage de produits",
"it": "Permetti condivisione del prodotto",
"ja": "商品の共有を有効にする",
"pt-BR": "Habilite o compartilhamento de produtos"
}
},
{
"type": "header",
"content": {
"de": "Ähnliche Produkte",
"en": "Related products",
"es": "Productos relacionados",
"fr": "Produits associés",
"it": "Prodotti simili",
"ja": "関連商品",
"pt-BR": "Produtos relacionados"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "product_related_enable",
"label": {
"de": "Ähnliche Produkte aktivieren",
"en": "Enable related products",
"es": "Habilitar productos relacionados",
"fr": "Activer les produits associés",
"it": "Abilita prodotti simili",
"ja": "関連商品を有効にする",
"pt-BR": "Ativar produtos relacionados"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "vendor_enable",
"label": {
"de": "Lieferanten anzeigen",
"en": "Show vendor",
"es": "Mostrar proveedor",
"fr": "Afficher le distributeur",
"it": "Mostra fornitore",
"ja": "販売元を表示する",
"pt-BR": "Exibir fornecedor"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "show_sale_circle",
"label": {
"de": "Kreis für Sonderangebot anzeigen",
"en": "Show sale circle",
"es": "Mostrar el círculo oferta",
"fr": "Afficher la vignette réduction",
"it": "Mostra cerchio \"In Offerta\"",
"ja": "丸で囲んだセールを表示する",
"pt-BR": "Exibir círculo de oferta"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "show_sold_out_circle",
"label": {
"de": "Kreis für ausverkaufte Produkte anzeigen",
"en": "Show sold out circle",
"es": "Mostrar el círculo agotado",
"fr": "Afficher la vignette épuisé",
"it": "Mostra cerchio \"Esaurito\"",
"ja": "丸で囲んだ売り切れを表示する",
"pt-BR": "Exibir círculo de esgotado"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "center_grid_link",
"label": {
"de": "Text unter Produktbildern zentrieren",
"en": "Center text below product images",
"es": "Centrar el texto debajo de las imágenes del producto",
"fr": "Centrer le texte sous les images des produits",
"it": "Centra il testo sotto le immagini di prodotto",
"ja": "商品画像下のテキストを中央に寄せる",
"pt-BR": "Centralizar texto abaixo das imagens do produto"
}
},
{
"type": "header",
"content": {
"de": "Produktoptionsformular",
"en": "Product options form",
"es": "Formulario de opciones de producto",
"fr": "Formulaire d'options de produit",
"it": "Modulo delle opzioni di prodotto",
"ja": "商品オプションのフォーム",
"pt-BR": "Formulário de opções de produtos"
}
},
{
"type": "checkbox",
"id": "enable_payment_button",
"label": {
"de": "Dynamischen Checkout Button anzeigen",
"en": "Show dynamic checkout button",
"es": "Mostrar botón de pago dinámico",
"fr": "Afficher le bouton de passage à la caisse dynamique",
"it": "Mostra pulsante di check-out dinamico",
"ja": "ダイナミックチェックアウトボタンを表示する",
"pt-BR": "Exibir botão dinâmico de checkout"
},
"info": {
"de": "Jeder Kunde sieht seine bevorzugte Zahlungsmethode aus den in Ihrem Shop verfügbaren Zahlungsmethoden wie PayPal oder Apple Pay. [Mehr Infos](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"en": "Each customer will see their preferred payment method from those available on your store, such as PayPal or Apple Pay. [Learn more](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"es": "Cada cliente verá su forma de pago preferida entre las disponibles en tu tienda, como PayPal o Apple Pay. [Más información](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"fr": "Chaque client verra son moyen de paiement préféré parmi ceux qui sont proposés sur votre boutique, tels que PayPal ou Apple Pay. [En savoir plus](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"it": "Ogni cliente vedrà il suo metodo di pagamento preferito tra quelli disponibili nel tuo negozio, come PayPal o Apple Pay. [Maggiori informazioni](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"ja": "PayPalやApple Payなど、ストアで利用可能な希望の決済方法がお客様に表示されます。[もっと詳しく](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)",
"pt-BR": "Cada cliente verá seu método de pagamento preferido dentre os disponíveis na loja, como PayPal ou Apple Pay. [Saiba mais](https://help.shopify.com/manual/using-themes/change-the-layout/dynamic-checkout)"
},
"default": true
},
{
"type": "select",
"id": "add_to_cart_width",
"label": {
"de": "Variantenauswahl und Schaltflächengröße",
"en": "Variant picker and button size",
"es": "Selector de variantes y tamaño del botón",
"fr": "Sélecteur de variante et taille du bouton",
"it": "Dimensione selettore variante e pulsante",
"ja": "バリエーションピッカーとボタンサイズ",
"pt-BR": "Seletor de variantes e tamanho do botão"
},
"options": [
{
"value": "small",
"label": {
"de": "Klein",
"en": "Small",
"es": "Pequeño",
"fr": "Petite",
"it": "Small",
"ja": "小",
"pt-BR": "Pequeno"
}
},
{
"value": "medium",
"label": {
"de": "Mitte",
"en": "Medium",
"es": "Mediano",
"fr": "Moyenne",
"it": "Medium",
"ja": "中",
"pt-BR": "Médio"
}
},
{
"value": "large",
"label": {
"de": "Groß",
"en": "Large",
"es": "Grande",
"fr": "Grande",
"it": "Large",
"ja": "大",
"pt-BR": "Grande"
}
}
]
}
]
}
{% endschema %}


How do I prevent something like this from happening again - is there a way I can backup files without using apps?

Thanks
submitted by jhung86 to shopify [link] [comments]


2018.11.30 16:21 NobleAzorean Ribeiro e Castro quer pôr os portugueses a escolherem os seus deputados

https://4men.pt/atualidade/ribeiro-e-castro-quer-por-portugueses-escolherem-os-seus-deputados/
"petição já reúne mais de 3.700 assinaturas, à data da publicação desta notícia, sendo que a meta das quatro mil permitem que o documento seja entregue aos deputados da Assembleia para que se dê início à discussão. E o político gostaria de efetuar a entrega a 19 de janeiro de 2019, por “uma questão simbólica” já que “é quando faz um ano da primeira reunião”, conta à 4MEN.
O antigo líder do CDS explica que a sugestão de reforma se inspira em sistemas eleitorais já existentes, como os casos da Alemanha, da Nova Zelândia e da Bolívia. “Aquele [sistema] que propomos é mais equilibrado, mais sério e em conformidade com a constituição. O que se encontra mais próximo da nossa proposta é o da Alemanha, que é um modelo que está bem experimentado desde 1949”.
Ribeiro e Castro esclarece que esta não é uma ideia nova e que já está até inserida na revisão da Constituição Portuguesa de 1997: “A constituição que regula o sistema eleitoral foi revista [para um sistema misto] e o artigo foi modificado, mas nós continuamos na mesma”, refere acrescentando que “temos um sistema eleitoral proporcional, simples e, no artigo 149.º, estão lá previstos círculos uninominais e plurinominais, assim como também a possibilidade de um círculo nacional”. E essa reforma nunca passou para a lei, embora tenha sido lançada há duas décadas.

O que muda no momento de votar?

Quando chega à cabine de voto, está habituado a colocar a cruz num dos diferentes partidos. Depois, consoante a percentagem que cada um arrecada, são eleitos os deputados correspondentes das suas listas. É desta forma que funcionam os chamados círculos plurinominais, atualmente em vigor em Portugal. Estes círculos, permitem eleger vários deputados, mas muitas vezes são representantes que os eleitores nem conhecem.
A petição quer alterar o sistema para que os cidadãos possam escolher diretamente os deputados que os vão representar. Pede, por isso, a introdução de um sistema misto, onde no boletim de voto seja possível, além da escolha dos partidos, também eleger candidatos individuais – e não apenas colocando uma cruz no partido, ficando sujeitos à organização das listas que é sempre decidida internamente.
Aliás, o que está previsto na nossa Constituição desde 1997 é precisamente um sistema misto, mas na composição global da Assembleia da República apenas-se aplica a representação proporcional, ou seja, a que equivale à percentagem de votos conquistada pelos partidos. Por exemplo, a Alemanha tem um sistema que é proporcional, mas também tem círculos uninominais. “É o melhor de dois mundos, porque, por um lado, a composição da assembleia é percentual, mas é também composta, em larga medida, por deputados que foram eleitos individualmente”.
“Imaginemos que o círculo de Lisboa teria 40 deputados. De acordo com a nossa proposta [do sistema misto], haveria um círculo plurinominal de 20 deputados e os partidos receberiam essas listas com 20 nomes em todos os distritos – e todo o território também seria dividido em 20 círculos uninominais –, em que o eleitorado elegeria um deputado, ou seja, no círculo de Torres de Vedras um, outro do Cadaval. Ppelas nossas contas, cada círculo teria mais ou menos 90 mil eleitores. E se atualmente um eleitor tem apenas uma opção de voto no seu boletim, passaria a ter duas – uma para o partido e a segunda para escolher o deputado ou deputada”.
Na simulação, à semelhança do projeto lei proposto, Ribeiro e Castro sugere que em cada cidade “os eleitores poderiam escolher o partido e, no segundo voto, eleger um deputado específico para representar o município”. Ressalva ainda que não terá necessariamente de ser alguém do mesmo partido em que votaram. No entanto, o voto que conta para a competição percentual da assembleia é o voto partidário.
📷

Mais representatividade, menos abstenção

Ribeiro e Castro explica que o sistema irá totalmente “mudar o funcionamento dos partidos” e que os tornaria “mais representativos”. Estes passariam a funcionar melhor, porque “iriam apresentar, tantos nos uninominais como nas listas (círculos plurinominais), as escolhas do eleitorado”.
Existirá sempre um círculo nacional que irá assegurar que a proporcionalidade é respeitada, à semelhança do círculo regional dos Açores, onde “os candidatos das listas são repescados”. O autor da petição sublinha que segundo a experiência, a maioria das pessoas votam no candidato do seu partido, mas “podem não o fazer”.
Com esta proposta também o sistema eleitoral mudaria completamente: “As pessoas poderiam escolher o seu deputado, as listas passariam a ser mais bem feitas, passaria a haver campanhas em todo o território, porque agora a campanha eleitoral resume-se ao líder do partido com a televisão atrás”, refere.
Em tempos onde a abstenção chega a números que rondam os 45%, Ribeiro e Castro acredita que, “na primeira eleição que se seguisse à reforma, a abstenção baixaria para menos de 30%”.
Aliás, “o sistema degradou-se e as pessoas não se sentem representadas por aqueles que estão nas listas”. E como passaríamos a ter 105 círculos uninominais, cada território teria “uma campanha à séria, o eleitorado estaria mais envolvido, criava mais vínculos e passaríamos a ter um parlamento mais representativo”.
Com este sistema em funcionamento, os partidos deixariam de “ter tiques autoritários no seu funcionamento interno” e “os deputados passariam a ser como um pastor ou um maestro” escolhido pelo eleitorado, conclui."

Muito bom, mas acho que nunca vai avançar. Não convinha a muita gente e os seus tachos.
submitted by NobleAzorean to portugal [link] [comments]


2018.10.28 08:45 lulydelmar1 PESTE, PÁNICO MORAL Y REDES El rol de las nuevas aplicaciones en el irresistible ascenso de Bolsonaro

El rol de las redes sociales y las aplicaciones de mensajes directos (básicamente WhatsApp) en la campaña electoral de Jair Messias Bolsonaro es uno de los temas centrales de las nuevas formas de configuración política en Latinoamérica. Las noticias falsas, la propaganda, la construcción de un sentido común acrítico y la siembra de odio no son prácticas innovadoras ni en la historia política ni en la guerra. El intento de configurar sujetos pasivos y maleables ha sido estudiando desde hace siglos como sustrato de las luchas ideológicas orientadas a captar la voluntad social colectiva y dirigirla en provecho de intereses corporativos. Lo que ha cambiado es el canal de su propagación, su direccionalidad y el territorio donde se hacen más efectivas la circulación de mitos, versiones y consignas convincentes y sensibilizadoras.
La viralidad y la interactividad han suplantado la histórica verticalidad del discurso político. Estas han sustituido la característica direccionalidad descendente de los contenidos propuestos por el partido, el programa y el candidato. La campaña de Bolsonaro se sostuvo con gestualidades brutales y se apoyó en mitologías presentes en los miedos sociales acumulados, mucho más que en propuestas y proyectos. Para una gran parte de la población brasileña, sobre todo a aquella que posee menos capacidad crítica de evaluación de contenidos, la complejidad intrínseca de las políticas públicas es percibida como una entelequia enrevesada e incomprensible. Lula, un obrero metalúrgico, ha dejado su lugar a un brillante académico paulista. Bolsonaro es la retórica desnuda y brutal del cuartel. El PT endosó la simplicidad en un militar.
Los brasileños han cambiado las formas de interacción comunicacional y el acceso a la información. El celular ha pasado a ser el receptor prioritario de los intercambios noticiosos y sus habitantes acceden a novedades a partir de WhatsApp que cuenta con 120 millones de usuarios jóvenes y adultos, integrados en redes de afinidad que brindan una significativa pátina de confiabilidad sobre lo que envían y reciben. Dichos usuarios representan el 80 por ciento de todos los votantes brasileños y la campaña de Bolsonaro se efectivizó fundamentalmente por esa vía, sumada a la plataforma de cuatro redes sociales; Facebook, Twitter, Instagram y YouTube.
Según un informe elaborado por la Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica, (CELAG) la distribución entre receptores de redes sociales de Bolsonaro, Haddad y Lula muestra una clara preponderancia del primero sobre los otros dos, incluso en la sumatoria de ambos dirigentes petistas. La particularidad de estos datos es que el peso etario de los seguidores se asienta en los más jóvenes, los denominados millenials, que tienen limitada exposición a la TV, no escuchan radio de frecuencia sino de internet y que se informan únicamente a través de redes segmentadas por grupos de interés. [1]
Una gran parte de la campaña fue instrumentada por consultoras expertas en algoritmos y análisis de audiencias, capaces de detectar los miedos y rechazos emocionales más profundos que atraviesan la sociedad. Varios de esos temores fueron previamente inoculados con inusitada persistencia por los medios hegemónicos, y luego dirigidos a específicos segmentos detectados con precisión demográfica y estadística. Estos últimos terminaron constituyéndose en el activismo político central del capitán del ejército, exonerado en 1988, bajo la acusación de programar atentados con explosivos en la central de abastecimiento Adutora del Guandu, que proveía de agua potable al municipio de Río de Janeiro. El paso subsiguiente consistió en utilizar a miles de influencers de redes (previamente detectados por poseer gran cantidad de seguidores) para multiplicar geométricamente las amenazas, las mentiras y las ocasionales tergiversaciones que pudieran maximizarse en la campaña. El paso final incluyó el uso de aplicaciones robotizadas capaces de analizar la big data inicial (provista por los ensayos de recepción), y dispuestas a evaluar el éxito o fracaso de las fake-news. Con esa información, los analistas se reorientaban y reposicionaban de forma precisa y ajustada en los ejes más consentidos.
El círculo viral predispuesto para lograr una ola electoral positiva a los intereses de la derecha brasileña se configuró a partir de siete ejes consensuados con el equipo de campaña de Bolsonaro, del que participa Steve Bannon, ex jefe de asesores de Donald Trump. Junto a este actuaron integrantes del Comando de Comunicaciones de Guerra Electrónica del Ejercito (CComGEx), capacitados en sociología, antropología, comunicación y estadística, saberes dispuestos para Tácticas y Procedimientos Operacionales (TTP), indudables dispositivos de guerra psicológica [2]. El espionaje no fue ajeno a esta operación: según el analista Rodrigo Lentz, Fernando Haddad fue monitoreado ilegalmente por equipos dirigidos por el general Sérgio Etchegoyen, actual integrante del ministerio de seguridad institucional de la presidencia de Brasil. [3]
Los capítulos de intoxicación comunicacional apócrifos, elegidos en forma prioritaria para deslegitimar a Fernando Haddad y al PT fueron los siguientes (1) La existencia de un supuesto “kit gay”, orientado a sexualizar a niñas y niños, que habría sido distribuido Haddad en escuelas públicas, mientras se desempeñaba como ministro de educación del gobierno de Lula. (2) La apelación a la crisis de Venezuela como potencial futuro de un gobierno petista. La difusión de góndolas vacías con el rótulo del chavismo fue la imagen central que acompañó esta viralización. (3) La propagación de una imagen de una anciana supuestamente agredida por militantes de izquierda (con la cara deformada por los golpes), cuando en realidad se trataba de la fotografía de una actor que había tenido un accidente. (4) La supuesta defensa del incesto por parte de Haddad, denunciado por uno de los ideólogos de la extrema derecha, Olavo Carvalho. (5) La pretendida intención del PT de legalizar la pedofilia. (6) La difusión de una foto de Dilma Rousseff como integrante de un batallón militar cubano.
Ninguna de estas viralizaciones sería eficaz sino fuese dirigida específicamente a quienes tienen menos capacidad crítica como para negarlas o contrastarlas con la realidad. Ese es el rol de los robots que analizan big data y que pueden orientar mensajes más efectivos a cada particular segmento social. El historiador Marc Bloch, fusilado por los nazis por su doble condición de judío y miembro de la resistencia francesa el 16 de junio de 1944, se preguntaba en un texto de 1921: “Las noticias falsas, en todas sus formas, han sido parte de la humanidad. ¿Cómo nacen? (…) Una falsedad solo se propaga y se amplifica, solo cobra vida con una condición: encontrar en al sociedad en la que cobra vida un caldo de cultivo favorable. En él, de forma inconsciente, los hombres expresan sus prejuicios, sus odios, sus temores”. Las fake-news no son nuevas. Sólo exigen sujetos que acepten creerlas para darle cabida a determinados miedos instalados. La solución de fondo supone la construcción de ciudadanos críticos. Poco manipulables por manipulaciones simbólicas.
Albert Camus, luego de la Segunda Guerra Mundial publicaba La Peste. En su último párrafo consignaba: “Pues él sabía que esta muchedumbre dichosa ignoraba lo que se puede leer en los libros, que el bacilo de la peste no muere ni desaparece jamás, que puede permanecer durante decenios dormido en los muebles, en la ropa, que espera pacientemente en las alcobas, en las bodegas, en las maletas, los pañuelos y los papeles, y que puede llegar un día en que la peste, para desgracia y enseñanza de los hombres, despierte a sus ratas y las mande a morir en una ciudad dichosa”. La peste ha vuelto. Se llama Bolsonaro. Un Macri sin marketing. Y desaforado.
[1]. http://www.celag.org/el-neoliberalismo-millenial-la-campana-bolsonaro/
[2]. Livro Branco de Defesa Nacional 2016, pag 90. En: https://www.defesa.gov.barquivos/2017/mes03/livro_branco_de_defesa_nacional_minuta.pdf
[3]. Lentz, Rodrigo: Militares, desinformación y batalla política. https://www.cartacapital.com.bpolitica/militares-des-informacao-e-batalha-politica

POR JORGE ELBAUM https://www.elcohetealaluna.com/peste-panico-moral-y-redes/


submitted by lulydelmar1 to podemos [link] [comments]


2018.10.11 15:28 Transportistas Elecciones en PODEMOS GALICIA. Articulo serio y descriptivo.

Quen é quen en Podemos Galicia?
O calendario marcaba o día 10 de outubro como data límite de presentación de candidaturas a dirixir Podemos en Galicia e a formación morada ven de publicalas.
O fracaso da creación dunha lista única sume a Podemos Galicia a unha nova confrontación interna para decidir o seu liderazgo. Tanto Antón Gómez-Reino como Carolina Bescansa presentaron as súas candidaturas e equipas coas que pretenden acadar o mando da formación en Galicia. A maiores das dúas candidaturas anteriores coñecéronse tamén tres candidaturas individuais ao Consello Cidadán.

É a lista de Antón Gómez-Reino e representa a liña oficial de Pablo Iglesias.
O seu documento organizativo pide un Podemos forte con perfil político propio. No seu texto político de nove páxinas non nomea En Marea nin unha soa vez pero a palabra confluencia aparece en cinco ocasións. Con respecto a iso din que “Existe un falso debate sobre o papel de Podemos nas confluencias, onde as únicas opcións serían ou ben enfrontarse aos outros actores -forzas políticas, sociais, persoas…- da unidade popular ou ben diluírse nos instrumentos políticos da confluencia. Pois nós dicimos que non, calquera desas alternativas é mala para o cambio político en Galicia e é mala para Podemos” ao que engade que “aínda necesitamos ir máis alá. A responsabilidade de Podemos como vector principal do cambio significa asumir o liderado da confluencia”.
Na lista de Antón Gómez-Reino destaca a presenza de Luca Chao e Marcos Cal, ambos os dous deputados de En Marea no Parlamento galego. Figura tamén, no sexto posto José Manuel Pérez Afonso (Josito) que amagou con crear unha terceira lista e que ao final pactou con Gómez-Reino, Borja San Ramón que foi membro do Consello das Mareas ata que dimitiu pola consulta sobre Paula Quinteiro; David Domenech e Mariajo Bóveda son membros da Coordinadora de Compostela Aberta e pasan por ser o enlace de Martiño Noriega con Antón Gómez-Reino ao igual que Alejandro C. Botello que tamén foi membro da anterior coordinadora da confluencia compostelá. Ademais dos anteriores pecha a lista José García Buitrón, ex senador de Podemos que perdeu a súa acta tras a repetición das eleccións ás cortes en xuño de 2016.

É a candidatura de Carolina Bescansa nas primarias de Podemos que encabezan dez mulleres. No seu documento político de 26 páxinas soamente se cita En Marea para falar dos resultados electorais e non se utiliza a palabra ‘confluencia’ nin unha soa vez e soamente fai unha referencia ao tema: “Se queremos sacar ao Partido Popular dos concellos de Galicia e da Xunta é preciso traballar cos nosos aliados, coa sociedade civil, coas Universidades, cos traballadores e traballadoras, cos autónomos e as autónomas, coas empresas, cos sindicatos e con todo o tecido asociativo galego que ten tanto traballo feito pola defensa dos intereses de todos e de todas”.
Na lista de Carolina Bescansa podemos atopar a Julia Torregrosa, deputada no Parlamento Galego; Raimundo Viejo, concelleiro de Barcelona en Comú con Ada Colau ;Natalia Prieto Fernández, secretaria de organización na anterior dirección; Genma Otero, concelleira en Ames a través da formación Contigo Pódese; Enrique Fojo Durán, concelleiro en Redondela. Na súa lista figuran moitas persoas da dirección saínte e pecha a candidatura Carmen Santos, actual secretaria de Podemos Galicia.

Ademais das candidaturas completas tamén se presentan tres persoas máis a ocupar os postos de dirección. Trátanse do enxeñeiro en telecomunicacións Renato Domínguez Presa, o enzeñeiro de camiños Gabriel Santiago Fuentes e a de Antonio Llanos Alonso, voceiro estatal do Círculo Podemos Transportistas e moicoñecido nas redes sociais pola súa intensa actividade nos grupos de círculos de Podemos entre o que destaca Podemos Rías Baixas.
http://parte.gal/2018/10/11/quen-e-quen-en-podemos-galicia/
submitted by Transportistas to podemos [link] [comments]


2018.08.13 15:39 DSCBank Yile Finanzas y Economía "Foro de la Cumbre Mundial de Tecnología de Blockchain de China en el Extranjero y Estación global de elección de la Guerra de Cadenas" de Shenzhen " 13-08-2018 Edward

Yile Finanzas y Economía "Foro de la Cumbre Mundial de Tecnología de Blockchain de China en el Extranjero y Estación global de elección de la Guerra de Cadenas" de Shenzhen " 13-08-2018 Edward 01 gran convocatoria, la atmósfera está caliente "El bloque lidera el futuro. El copresidente de la 4ª Feria de la Industria China de Ultramar, asistió a la ceremonia de apertura. El 13 de agosto de 2018, "El bloque lidera la futura cadena de comerciantes chinos globales en el extranjero". El tema del foro de cumbre de tecnología blockchain comercial global en el extranjero y la elección mundial de mar de "guerra en cadena" Estación de Shenzhen celebrada en el Hall 1, Centro de Convenciones y Exposiciones de Shenzhen. La cumbre fue organizada por Shenchuang College, el título de BTCC, el Instituto de Investigación de la Nueva Industria Económica de la Academia de Ciencias de la Administración de China como unidad guía, y por Yile Finance, Inteligencia Empresarial China en el Extranjero, Comunidad Quark, Fundación Shangya, Hip Hop Finance, Cadena Noticias, Yunqi, Ivy, Accelerated Capital, Walter Holding Group copatrocinado, DLB Foundation, Future Rating, Bit Holdings, Coin Ma Wen Co-organizador! Como organizador conjunto, Yile Finance participó en la cumbre. El siguiente es un informe de transmisión en vivo.
Bao Shi y todos los invitados abrieron en común la ceremonia de "Shenzhen Consensos Shenzhen capacidad" Esta cumbre ha creado muchas de las participaciones más exitosas en proyectos empresariales de blockchain, instituciones participantes relevantes, oradores, temas y delegados. La escala no tiene precedentes, lo que ha promovido el desarrollo y la ecología de la tecnología blockchain global. La aplicación de aterrizaje de la plataforma causó sensación en la sede del Centro de Convenciones y Exposiciones de Shenzhen. La emisión en línea de Yile Finanza fue vista simultáneamente por hasta 2.825 millones de personas en línea. Según estadísticas incompletas, un total de 30.482 millones de reproducciones acumuladas.
Ambiente caliente en la escena
02 b) La alineación fuerte y la participación de todos
Todo el en el pasado, es prólogos.
" Todo el en el pasado, es prólogos. Ahora es el 13 de agosto de 2018, hora de Beijing, lunes, 10 de la mañana. Anuncié el foro mundial de la cumbre de la tecnología blockchain china en el extranjero y la elección marítima mundial de la guerra de cadenas" ¡Apertura! "Después del discurso de apertura del anfitrión, la cumbre comenzó oficialmente. Los invitados presentes en la cumbre incluyeron: el fundador de la guerra de la cadena, el fundador del Instituto Shenzhen y el copresidente de la Feria de la Industria China Global de Ultramar. Fundador de Data Shield, fundador de Yile Finance, Zhang Yun. El CEO de Yi Le Finance, Song Yuliang. Huang Jianping, Secretario General de la Cámara de Comercio de Shantou. Btcc opera VP, el fundador de Chain Love Finance, Yang Sanshi. Li Yikuan, subdirector y director del Centro para la Gestión del Nuevo Instituto de Investigación de la Industria Económica de la Academia China de Ciencias de la Administración. Presidente de la International Blockchain Technology Expo y Presidente del Centro de Solicitud de National Blockield Chainchain, Dong Yuchen.
El señor Bao Shi hizo la palabra. El fundador de la guerra de cadenas, fundador del Instituto de Ciencia y Tecnología de Shenzhen y copresidente de la Feria de la Industria China Global de Ultramar China, dijo que esta cumbre ya es la cuarta feria comercial de la industria china en el exterior. Las cumbres anteriores atrajeron a cientos de miles de amigos para participar. Discutir temas como el rejuvenecimiento de la patria, la Iniciativa Belt and Road y el desarrollo de la economía global. Las gemas proponen que el status quo de blockchain se encuentra en el dominio propio y ha tenido cierto éxito, pero el mundo exterior tiene poca comprensión de la cadena de bloques. Los practicantes de Blockchain esperan obtener más apoyo y confirmación del exterior. Gracias. La Overseas Chinese Business Expo brinda esta valiosa oportunidad para los practicantes de blockchain. Para mejorar la industria, cada profesional debe ejercer su poder y cumplir con sus obligaciones. Gem alienta a los profesionales a aplicar verdaderamente la tecnología blockchain al desarrollo de la sociedad.
Li Yikuan otorgó el honor de "Base de Innovación Económica de Bengzheng" al Colegio Shenchuang Después del discurso de Gem Dean, Li Yikuan, subdirector y director del Centro para la Gestión del Nuevo Instituto de Investigación de la Industria Económica de la Academia China de Ciencias de la Administración, otorgó el honor de la "Chengzheng Economic Innovation Base" al Colegio de Shenchuang. 03 c) Líder de la industria de Yi Le Finance
La industria de las cadenas de bloques, el vino también teme al callejón
Song Yiliang, CEO de Yile Finance, pronunció un discurso como invitado especial. El consenso se ha profundizado y nos esforzamos por ser el líder de la industria. Song Yiliang, CEO de Yile Finance, señaló: "La dirección actual de la billetera digital es de 1600 W. El número de personas que poseen Bitcoin en Estados Unidos superó al número de poseedores de oro en marzo, lo que representa una profundización del consenso de blockchain. Puede transmitir información valiosa, promover la comunicación de información de la industria y guiar el desarrollo de las tendencias de la industria ".
Formas comerciales ricas, luchando por medios principales. Song Yiliang dijo: "La forma comercial es la base de la supervivencia de los medios. Yile Finanzas tiene una gama completa de formas de negocios tales como conferencias, capacitación, calificación, datos, incubación, etc. En términos de capacitación, Shenchuang College es la mayor universidad de formación blockchain de China. Tiene una gran influencia en China y el mundo, y ha desempeñado un papel importante en el desarrollo de Blockchain. En términos de calificación, los inversores pueden tomar mejores decisiones de inversión en función de la calificación objetiva y justa de Yile Finanzas. El concepto del proyecto se propone en el libro blanco, en el mercado y en el aterrizaje. Easy Finanzas puede completar todo el contenido de forma independiente y con alta calidad ".
En la industria de las cadenas de bloques, el vino también teme el callejón profundo. Canción Yi Liang señaló que "la industria de la cadena de bloque si la falta de una buena publicidad, entonces no habrá nadie sabe la situación técnica. Ofrece una gama completa de comercialización, envasado, la eclosión es lo que debemos hacer. Tan fácil Finanzas proporcionará la música ¿cuál es la solución? en primer lugar, tenemos los mejores talentos, todos sabemos, la tecnología de la cadena de bloques de china originó en Pekín, principalmente en el Norte se limpiaron para proporcionar apoyo técnico. mayoría de los miembros del equipo de Lok Yi Finanzas es claro desde el medio complejo del Norte Zhejiang las mejores universidades, top-ingenio que puede proporcionar una mejor solución para la industria de la cadena de bloque ".
Respaldado por las mejores universidades, con calificaciones de apoyo académico. Canción Yi Liang dijo: "En comparación con otras clasificaciones, fácil Finanzas música tendrá más dimensiones, jerarquías y nos proporcionará valiosa informe de calificación para todos los inversores y calificación de la norma Wechsler, como nuestra calificación en Cardano , ahora ampliamente distribuido en el círculo. equipo de Finanzas fácil detrás de Le dependen Facultad de economía, Universidad de Pekín, la Universidad Renmin de china Escuela de estadísticas de china Escuela de Finanzas Renmin, Universidad de Fudan, Escuela de Matemáticas y otro instituto super-clase para construir clasificaciones, que no es más que el mercado es La mayoría de las calificaciones son más competitivas y más altas que un nivel profesional ".
Yile Finanzas es rico en contenido. Canción Yi Liang señaló, "Yi Yi Yue Yue Finanzas también incluye un número público de micro-canales, de difusión, de la comunidad, en varios idiomas PR, una colección de éstos plataforma de flujo, basado en el índice de micro-canales para construir nuestra influencia real."
En primer lugar, los primeros datos de Internet financieros fáciles de proteger la ecología de música "en la lista de bloque de la cadena, -" índice de Bo en el equipo, la música clara y fácil de Finanzas de micro-canales número público vector de la Universidad de Tsinghua en marcha una lista de datos de alto nivel " Ranking de negocios, después de china Mobile y Telecom, superando a china Construction Bank, Dangdang y otra famosa marca Durex. Ningún índice Bo clara valoración pública 178.2 millones de dólares. "
"Fácil música de una transmisión en vivo de Finanzas en más de 10 millones de un total de 10 veces en una fila para ver una transmisión en vivo de 10 veces la cumbre nacional en la búsqueda del reloj más alta acumulada de 16 millones, mientras que en línea de hasta 1,32 millones, 10 veces más de un millón La gente mira en línea ".
Agregación de recursos para crear una plataforma de alto nivel. Canción Yi Liang dijo, "todo tipo de agregación de medios, personal técnico, y otra comunidad, la promoción de proyectos, operación y mantenimiento para proporcionar una gama completa de servicios de la comunidad tiene formas micro carta y telegrama. Hay 720.000 base de fans, grupos de usuarios concretos que cubren 1,3 millones se espera que la gente para llegar a 500 millones dentro de los seis meses, para llegar a 10 millones de años para llegar a 30 millones de abonados dentro de tres años. nuestra promoción comunidad de usuarios cubre más de más de 50 países y regiones, que abarcan chino, Inglés, japonés, coreano, ruso, Francia, Alemania, Portugal, Argentina, Tailandia y otros 12 idiomas. todo nuestro equipo desde el norte de Qing y otras universidades. Cada artículo escrito por ellos, PR mundial.
“Para muchos medios de comunicación, millones de comunidades, decenas de miles de clics.Pero otro indicador duro, el índice de WeChat, el otro rendimiento de los medios no es muy bueno. Porque no debe ser cepillado. El índice de WeChat de crédito "EAR Finance" por cerca de 2000, "Braddock" por 70.000, FCoin alrededor de 12.000. El índice de Yile de WeChat es 160.000. Comparación intersectorial, biblioteca de la estrella del baloncesto para 140.000. Cada uno del índice del microcrédito es sobre el número real de la cobertura de la micro-letra, que Tencent calcula el blanco verdadero. Ahora fácil unir la creación profunda, las estaciones de cadena, tales como el flujo de los medioses de comunicación del grupo, el flujo futuro está disponible.”
El proyecto Yile eclosiona y el servicio es completo. Song Yiliang expresa:“Si el partido del proyecto necesita llevar a cabo cambio de moneda o cambio de cadena, basándose en el gran flujo de las finanzas de Yile, el proyecto puede ser integrado desde un concepto, los recursos de la entidad a un proyecto de aterrizaje, puede proporcionar la planificación estratégica de soluciones técnicas, la Fundación, la escritura del libro blanco, la gestión de la comunidad en el extranjero, como una gama completa de servicios. En la actualidad, Yile Finanza cobertura interna de 1000 portales domésticos, el global portal inglés sobre 300-400 . Hay 50-100 familias de pequeños idiomas.”
La exposición de la caligrafía de Apellido Wei Famoso caligrafía, artista nacional de primera clase, weisi caligrafía 73rd descendiente de generación, el cuerpo moral de caligrafía de segunda generación fundador, taoísmo Quan Zhen Long Men Pai de la generación 27 discípulo Wei Fuzhi inscribe en la escena para la Cumbre. 04
4)La guerra de Cadena de bloque, crea una marca global. La fuerza de Shenzhen,consenso global 《La guerra de la Cadena de Bloque》es la plataforma global de la cadena de la innovación carretera ecología, esta cumbre es sólo la cadena de la guerra mundial audición Shenzhen estación, en el tiempo siguiente,las audiciones globales de《La guerra de la Cadena de Bloque》tiene muchas estaciones en el mundo, por ejemplo, dos estaciones ultramarinas a punto a comenzar, primero es 6 de septiembre en Taiwan, segundo es 24 de septiembre en Bangkok, Tailandia. El sitio de la Cumbre llevó a cabo una ceremonia de entrega de la bandera de la guerra, guerra de la cadena Co-fundador del Presidente de la Zhang Li vinculará la bandera a la mano de Taiwán representante ejecutivo de la estación Deng Guofu, productor de guerra de cadena Bruce Zhang vinculará la bandera a la cadena de la guerra Tailandia representante de la estación líder de la nube de la comunidad de Guangdong jefe de las manos del Sr. Rowan. Los participantes presenciaron la ceremonia de lanzamiento de la estación de Bangkok de la estación de Taipei en las audiciones globales.
La ceremonia de adjudicación de una licencia de BTCC La ceremonia de adjudicación de una licencia de BTCC Super Node también completa en esta cumbre. El primero: KNJ Internacional Co.Ltd 【KNJ FUND】,Invitado autorizado :Chen Yucheng(Presidente de operaciones de BTCC). El segundo: HongKong Yun Hai Internacional Co.Ltd【YTech】, invitado: Chen Yucheng (Presidente de operaciones de BTCC) y ceremonias de adjudicación de una licencia de BTCC&Super Code de 11 familias completan en esta cumbre. Cada Super Node hicieron breve introducción a ti mismo y sacaron foto de nostalgia.
La foto de Ceremonia de iniciación
Ceremonia de iniciación de fondo de la audición de 《La guerra de la Cadena de Bloque-Luchar》,Bao Shi, Yang Xiaobai, Zhang Yungeng, Kong Ling, Zhang Tao, Zhang Li, Bao Yu salen a escena juntos poner en marcha este nuevo fondo token doméstico en Cadena de Bloque.
Al terminar la inauguración y la cumbre por la mañana, El Presidente Baoshi y los invitados juntos visitan Yile Finanzas y otros cabinas paticipando en esta exposición. Yile Fianza participa total en esta cumbre como Co-patrocinador. Yile Fianza defiende el juego más salvaje, las últimas ideas para bloquear la cadena y las finanzas de Internet en primer lugar de los medios de comunicación, Deep Chuang College para un fondo fuerte, diseñado para crear 11 idiomas de los primeros medios de cadena de bloque del mundo. El final
submitted by DSCBank to u/DSCBank [link] [comments]


2018.06.21 16:00 tp9860 Crédito não autorizado, Wizink. O que fazer?

Um familiar meu aderiu há largos meses a um cartão de crédito do Wizink. Há cerca de 2 semanas recebeu uma carta dessa entidade com informação sobre um crédito que supostamente tinha contraído (chamam-lhe Crédito em Linha, em que transferem determinado valor para a conta do cliente, e este depois paga-o em X prestações, com juros). Ora, o meu familiar não se recorda de alguma vez sequer lhe terem proposto esse crédito, e muito menos de alguma vez ter dito que o aceitava. Contactada a instituição em causa, disseram que o crédito tinha sido contratualizado através de uma chamada telefónica no dia 23 de Maio. Verificado o registo de chamadas no telemóvel do meu familiar no dia referido, não foi encontrada qualquer chamada recebida de números fora do seu círculo mais próximo. O Wizink deu instruções para a devolução do dinheiro (que se verificou depois ter sido efectivamente transferido para a conta do meu familiar) e ficou de auditar a tal chamada telefónica. Já esta semana contactaram o meu familiar dizendo-lhe que foram ouvir a chamada, que ela existe, e que o meu familiar aceitou o crédito.
Em resumo:
a) Como o dinheiro foi devolvido assim que o meu familiar se apercebeu e de acordo com as instruções dadas pelo Wizink, garantiram que não seria cobrado nenhum cêntimo e que não haveria nenhum custo para o meu familiar. E isto, a ser verdade, já resolve parte do problema.
b) No entanto, o banco diz ter na sua posse uma chamada para o meu familiar em que este aceita o crédito. Ora, o meu familiar garante que essa chamada nunca existiu, o que se confirma pela análise do registo de chamadas no telemóvel do meu familiar na data que o Wizink refere que essa chamada aconteceu.
c) Pedido o acesso à chamada em causa, o Wizink diz que o meu familiar terá de se deslocar sua sede em Lisboa para a poder ouvir, o que está fora de questão pois vive a mais de 200 km.
d) Parece-me portanto que estamos na presença de uma alegada fraude, ou na usurpação de identidade do meu familiar.
Se estivessem no lugar deste meu familiar, o que fariam a seguir?
submitted by tp9860 to portugal [link] [comments]


2018.06.09 05:05 sagurgel A Quinta Vala - A divina tragédia da traição premiada.

A QUINTA VALA.
A divina tragédia da traição premiada.
A traição jamais obteve tanto espaço nos noticiários quanto nos últimos anos. Contudo, esse ato humano execrável, que pela história da humanidade foi responsável por desencadear crimes passionais, guerras e outras reações extremas, já não desperta mais tantas paixões, e às vezes chega a ser motivadora de reivindicação de prêmios.
Por todo o planeta encontramos infindáveis termos para fazer menção aos que possuem o desvio de caráter que conduz à infidelidade. Na riquíssima língua portuguesa, as variantes superam aquelas vistas em qualquer outra, seja pelas tradicionais expressões contidas no vernáculo, como traidor, traiçoeiro, delator, alcaguete, informante, seja pela linguagem coloquial, a exemplo de traíra, dedo-duro, linguarudo, X-9 etc. Nos países estrangeiros também encontramos termos com o mesmo teor pejorativo, como rat (Estados Unidos da América), sneak (Inglaterra), un homme commère (França), Zinker e 31er (Alemanha). Creio ser arriscado demais tentar fazer uma tradução precisa, sabendo o que dizem os italianos:* “traduttore, traditor*e.".
A origem da traição coincide com o mito da criação do homem. De acordo com os textos bíblicos, Caim, impelido por ciúmes, realiza uma emboscada para ceifar a vida de seu irmão Abel. Todavia, está no Novo Testamento a sua máxima expressão, quando Judas Iscariotes procura as autoridades para delatar Jesus de Nazaré, acarretando a crucificação de um acusado considerado inocente, à luz do Direito Romano. Na concepção cristã, pode-se assegurar que, diante de tantos pecados, nenhum outro veio a ser considerado tão repulsivo quanto esse.
Dante Alighieri, por exemplo, nos versos que compõem A Divina Comédia, representa o mapa do inferno, escalonando-o em diversos pavimentos (círculos) rumo ao núcleo da Terra. Dependendo da iniquidade, os condenados são colocados em um ambiente mais profundo. No nono e último círculo, intitulado Lago Cócite, encontram-se os que se entregaram à traição. Essa instância sombria, por sua vez, é subdividida em quatro valas: a primeira, chamada Caína (alusão à Caim) para aqueles que se voltaram contra os próprios parentes; a segunda, batizada de Antenora, reservada aos traidores da pátria; a terceira, Ptolomeia, para abranger os que insurgiram contra os seus hóspedes e, por fim, a quarta e mais terrível, cujo nome é Judeca (nítida referência ao apóstolo), onde os traidores dos benfeitores expiam por seus pecados na companhia de Lúcifer. Das tre facce do Anticristo, uma separa Judas de Brutus e Cassius. Não seria mera especulação afirmar que, pelos escritos do poeta florentino, consolidava-se a antítese dos ideais de Santo Agostinho sobre o que seria a Cidade de Deus.
Saindo da órbita do cristianismo, a temática se repete em todas as outras religiões. No judaísmo, assim como ocorre no islamismo, a deslealdade repercute severamente no espírito humano. E não haveria como se admitir uma doutrina de fé construída em desacordo com os preceitos éticos das civilizações aos quais aderiram. Até mesmo quando nos aventuramos ao estudo da Mitologia Grega, constatamos que a ira dos deuses normalmente é provocada por uma questão central: a traição.
No estudo da História, mesmo quando orientado pela dialética marxista, percebe-se um enorme destaque às personagens que sucumbiram à vilania da falta de palavra para com os seus confidentes. Talvez o assunto gere certo desconforto aos pesquisadores em geral, por representar tudo aquilo que repudiam no semelhante e em si mesmo.
Durante a segunda etapa de Revolução Francesa, os jacobinos acusaram vários dos seus correligionários de estarem conspirando contra os comitês em troca de privilégios ofertados pela alta burguesia. A insegurança política que conduzia os parisienses à construção de um verdadeiro Estado policial acarretou a execução do corrupto Danton, entre outros ícones do processo revolucionário, como Camile Desmoulins. Pouco tempo depois, a histeria das delações fez os próprios algozes subirem ao cadafalso para terem suas cabeças decepadas. Foi nesse contexto que Charlotte Corday protagonizou o episódio mais emblemático do período, retribuindo ao líder Jean-Paul Marat o terror que havia sido colocado na ordem do dia em reunião extraordinária da Convenção.
Outros fatos históricos da mesma grandeza, que gravitam em torno do tema em tela, marcaram ou mancharam, significativamente, a linha do tempo. Impossível deixar de citar o costumeiro pacto de não agressão, articulado por Joachim von Ribbentrop (Ministro do III Reich condenado à morte pelo Tribunal de Nuremberg), que antecedia a invasão da Wehrmacht ao indefeso país signatário, bem como o escândalo de Watergate, em que um Deep Throat colocava Richard Nixon no dilema entre a renúncia e o Impeachment.
O estudo da evolução política brasileira também esbarra em uma série de inconfidências, ganhando maior notoriedade a que ocorrera em Minas Gerais sob a liderança de Tiradentes. Punido com a estranha e cruel pena capital da “morte para sempre”, contemplada pelas Ordenações Filipinas, o mártir da independência após ser enforcado, teve a sua cabeça arrancada e exposta, espalhando-se os fragmentos do seu corpo esquartejado pelos logradouros públicos. Em contrapartida, o delator Joaquim Silvério dos Reis recebia honrarias de Dom João, sem imaginar que seu nome seria amaldiçoado pela eternidade por seus conterrâneos (desonra para sempre), não obstante tivesse revelado os planos de um homem visto como criminoso pela legislação em vigor naquele período.
Apesar da ideia do óbito em caráter permanente ter sido extirpada do Direito Pátrio com o advento do Código Criminal de 1831, a traição nele permaneceu e perdura até a presente data. Além de configurar uma circunstância agravante genérica, prevista no art. 61 do Código Penal, o vil comportamento se faz presente na Parte Especial entre as qualificadoras do crime de homicídio (art. 121, § 2.º, III) e também como núcleo do tipo penal que leva a rubrica marginal de Patrocínio Infiel (art. 355). Porém, quando interpretada em sentido amplo, a odiosa prática que atinge tanto o particular quanto o Estado, pode ser identificada em trinta e oito delitos inseridos no mesmo diploma legal, como no caso do induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio praticado por motivo egoístico (art. 122, p.ú., I), em que o agente, por exemplo, inculca na vítima o desejo de autodestruição para se beneficiar da herança. Na mesma esteira cabe mencionar diferentes preceitos que indicam mau-caratismo similar, como o Perigo de Contágio Venéreo (art. 130); Violação de Segredo Profissional (art. 154); Bigamia (art. 235); Peculato Mediante Erro de Outrem (art. 313); Fraude Processual (art. 347), entre tantos outros da lei maior em matéria penal e da legislação extravagante. Aliás, por falar em lei especial, é importante assinalar que no Código Penal Militar, no livro que trata Dos Crimes Militares Em Tempo de Guerra, há um capítulo que leva o título Da Traição, no qual para todos os delitos o legislador comina a pena de morte, que no caso brasileiro, de acordo com o art. 56, se cumpre mediante fuzilamento.
Apenas em relação à infidelidade conjugal, a legislação não reage com tanto rigor. No ano de 2005, o adultério foi objeto de abolitio criminis, deixando o mundo do Direito Penal para receber o tratamento do Direito Civil, que, por sua vez, se mostra bastante flexível nesse aspecto. Não há mais o que falar em divórcio por culpa do cônjuge adúltero e, como se não bastasse, as indenizações por danos morais fixadas em valores quase insignificantes vêm perdendo o caráter retributivo e preventivo. Não havendo bens, nem filhos, a dissolução da sociedade conjugal se efetivará em questão de minutos, na frieza dos polos que congela o recinto cartorial. O preço também não representará qualquer empecilho e, certamente, sairá muito mais barato do que trinta moedas de prata. Não seria exagero dizer que estará consumada mais uma traição promovida com um beijo. Aliás, diga-se de passagem, em um mundo onde todos os valores são relativizados, e o dinheiro é reverenciado como deus único, o que dizer da cumplicidade entre marido e mulher, fruto do amor verdadeiro?
O instituto da delação premiada, que vem sendo utilizado como ferramenta estatal no enfrentamento do crime organizado desde o advento da Lei 8.072/90 (Crimes Hediondos) - estendendo-se mais tarde para outras leis específicas, como a Lei 7.492/1986 (Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional), Lei 8.137/1990 (Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Relações de Consumo), Lei 9.613/1998 (Lavagem de Dinheiro), Lei 9.807/1999 (Proteção às Testemunhas); Lei 11.343/2006 (Drogas), Lei 12.850/2013 (Organização Criminosa) - entra em uma fase de frequentes ataques na mesma proporção das defesas apaixonadas. Há de se convir que não é tarefa das mais fáceis compreender que, em nosso ordenamento jurídico, a traição pode matar, passar desapercebida ou até ser homenageada.
Para uma corrente doutrinária, o que decidiram chamar de colaboração premiada na última lei acima referida, não passa de um incentivo por parte da administração pública ao nefasto gesto de trair, o que se mostra totalmente incompatível com os Princípios Gerais do Direito. A lei deve possuir conteúdo didático e apresentar princípios cívicos decentes, e não ensinar que o cafajestismo pode ser vantajoso. Se o crime não compensa, a delação não pode recompensar. Além do mais, de todos os integrantes que compõem o grupo de delinquentes, o pior deles é, sem dúvida alguma, aquele que entrega os comparsas à justiça para aliviar a sua própria pele. Trata-se de torpeza repudiada até para quem se aventura às ações delituosas, não havendo espaço para traidores nem mesmo nas penitenciárias onde estão agregados os piores malfeitores. É o estranho, porém notório, código moral do mundo do crime. Vale lembrar o que ocorreu com o mafioso Tommaso Buscetta, que teve dez de seus familiares assassinados em represália ao auxílio prestado à justiça italiana.
Em contrapartida, há quem procure justificar a atitude do traidor com base no finalismo aristotélico, pois se o fim é bom, ou seja, viabilizar o desmantelamento de uma organização criminosa e a cessação de suas atividades com a aplicação de pena aos seus membros, então o meio da delação também o será. Se para o Direito nem a vida tem caráter absoluto, por que o sigilo o teria? Ainda mais quando o evento envolve criminosos... Para esses juristas, o sacrifício da organização, mesmo por intermédio de uma prática execrável, estaria a serviço do bem comum. Advertem que determinados grupos dedicados às atividades ilícitas, que se desenvolvem com requinte empresarial, se não ruírem por dentro, jamais poderão ser detidos por intermédio de práticas repressivas ordinárias. Usam como ilustração a tradição norte-americana de, inclusive, pagar somas em dinheiro ao colaborador por suas preciosas informações. É o modelo de justiça criminal que vem dos remotos tempos da Marcha para o Oeste, quando o governo do Estado Unidos se viu obrigado a delegar aos condados a tarefa de instituírem a sua própria estrutura punitiva para os crimes locais. Daí veio o Wanted Dead Or Live que, de forma mais civilizada, perdura até hoje.
Difícil se chegar a alguma conclusão quando dois argumentos contrapostos estão repletos de razão. Ocorre que para efeito de valoração do ato de dedurar, nenhum deles mostra-se útil. Isso se deve ao fato de não atentarem para o ponto central, ou seja, o que motivou o indivíduo a revelar toda a trama delituosa e a identidade dos concorrentes. Se decide fazer mea culpa pela consciência de ter agido em desacordo com os interesses da coletividade à qual pertence, imbuído da intenção de reparar o dano e amenizar a dor moral que o afeta, a sua responsabilidade não desaparece, mas a mudança de postura justifica a atenuação das reprimendas. Se a lei chamará as benesses aplicáveis de prêmio, a opção semântica não escapa da lógica em nosso ordenamento jurídico de flexibilizar a resposta penal em decorrência do arrependimento posterior. Tal medida há muito tempo é disciplinada nos arts. 16 e 65 do Código Penal, entre outros de caráter excepcional, como ocorre, por exemplo, nos casos de estelionato mediante cheque sem fundo, quando o agente efetua o pagamento da dívida antes do recebimento da denúncia (Súmula 554 do STF).
Entretanto, há casos em que o agente utiliza o instituto da colaboração premiada para se vingar de seus inimigos, imputando-lhes algumas verdades embrulhadas a um punhado de mentiras, que, muitas vezes, nenhuma relação tem com o objeto da investigação. E assim, atingem não apenas a honra objetiva e subjetiva da vítima da infâmia, mas também a própria administração pública, em especial, administração da justiça, fazendo-o incidir no crime de denunciação caluniosa (art. 339 do CP).
Outrosssim, considerando que estamos discorrendo sobre um grave problema enfrentado no Brasil, o que não falta é exemplo pitoresco sobre qualquer tema de natureza jurídica. Já houve, diga-se de passagem, quem se valesse da delação para ganhar muito dinheiro, não como contrapartida do Estado pelas informações prestadas, mas sim de forma indireta, pela qual o indivíduo se beneficia da previsível instabilidade gerada ao mercado financeiro, capaz de favorecer práticas especulativas de toda ordem. Casos como esse, em que o traidor da organização criminosa engana a nação inteira com a sua delação é que provoca a reflexão sobre o lugar onde Dante o colocaria em seu imaginário, ou se nele não haveria espaço para aqueles que traem a própria natureza humana no que diz respeito à capacidade de ser justo e dotado de um mínimo de vergonha.
Sergio Ricardo do Amaral Gurgel é sócio em AMARAL GURGEL Advogados; autor da Editora Impetus; professor de Direito Penal e Direito Processual Penal; e-mail: [email protected]
submitted by sagurgel to u/sagurgel [link] [comments]


Data Limite Segundo Chico Xavier [CM+P] - YouTube Círculo de Oração (live) Circulo Trigonométrico Parte 02/02 Data (20/08/2020) - YouTube Palestra  A filosofia por trás da Data Limite [CM+P ... Draw a CIRCLE and ELLIPSE using EXCEL//...by trignomatric ... Sorteio da Sacola da Circulo - Data 19/05/2013 #Encontro da Data Limite segundo Chico Xavier

PRIVACY POLICY - Círculo de Empresarios

  1. Data Limite Segundo Chico Xavier [CM+P] - YouTube
  2. Círculo de Oração (live)
  3. Circulo Trigonométrico Parte 02/02 Data (20/08/2020) - YouTube
  4. Palestra A filosofia por trás da Data Limite [CM+P ...
  5. Draw a CIRCLE and ELLIPSE using EXCEL//...by trignomatric ...
  6. Sorteio da Sacola da Circulo - Data 19/05/2013
  7. #Encontro da Data Limite segundo Chico Xavier
  8. Data Limite Segundo Chico Xavier - YouTube

__ Quer aprofundar e ampliar o seu conhecimento? Acesse: https://circulo.site __ INSCREVA-SE no canal: http://bit.ly/ytcirculo INSTAGRAM: https://www.ins... Lançamento: Agosto de 2014 Por: Pozati Filmes + Cinemakers Direção: Fabio Medeiros Roteiro: Juliano Pozati e Rebeca Casagrande Gênero: Documentário Duração: ... This video is show you how to create a graph of circle and ellipse using excel by different trignometric functions. Olá Pessoal a Professora Simone em Parceria com a Circulo S/A realizam mais um sorteio, premios uma sacola recheada de produtos Circulo e mais 5 revistas confira nos blogs abaixo como é facil ... Culto e Data: Círculo de Oração 19.06.2020 Local: Jd. Califórnia - Barueri Dirigido por: Ir. Abigail Vieira e Ir. Severina Vieira Igreja Missão Batista Pentecostal Videira Verdadeira (MBPVV ... #Manifesto Data Limite Egrégora do Círculo by Círculo. 2:31. #Convite Uma mensagem de 2057 Juliano Pozati by Círculo. 2:12. Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. O Círculo é uma plataforma de estudos avançados de filosofia livre exoconsciente. Conteúdo produzido pela Pozati Filmes ( https://pozati.com ) especialmente para o Círculo